Uncategorized

Cresce número de famílias com dívidas ou contas em atraso

Da Míriam Leitão e Alvaro Gribel

O gráfico, feito pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), mostra que o percentual de famílias com contas ou dívidas em atraso voltou a aumentar, chegando a 23,7% em julho, depois de ter caído para 23,3% em junho. No mesmo mês do ano passado, a taxa estava abaixo desse patamar (22,8%).
Apesar da piora desse indicador, a percepção em relação à capacidade de pagamento melhorou: o número de famílias que declarou não ter condições de pagar seus débitos em atraso recuo de 8,4% para 8,1%. Isso pode estar relacionado, segundo a CNC, “às surpresas positivas no mercado de trabalho, com emprego e renda crescendo acima do esperado, como também uma evolução mais favorável da inflação ao consumidor”.

A pesquisa mostra ainda que o percentual de famílias que declararam estar endividadas recuou de 64,1% para 63,5%, mas permanece em patamar superior ao do ano passado (57,7%).

– Observa-se desde o início do ano, uma redução nas concessões de novos empréstimos e, ao mesmo tempo, elevações nas taxas de juros e redução nos prazos. Contudo, observou-se também aumento nas concessões de empréstimos em modalidades com taxas de juros maiores e prazos mais curtos, como cartão de crédito e cheque especial, o que contribui para aumentar o comprometimento da renda familiar com encargos financeiros – diz a CNI.

Comente