Uncategorized

Mais duas cidades do Paraná caem em golpe e quitam dívida inexistente

Recursos públicos foram utilizados para pagar dívidas inexistentes. Além de Paranavaí, problema também ocorreu em Planaltina do Paraná e Itaúna do Sul

Marcus Ayres da Gazeta do Povo

Depois de Paranavaí, mais duas cidades da região Noroeste do Paraná caíram no golpe em que órgãos públicos são convencidos a pagar dívidas inexistentes. Um dos alvos dos estelionatários foi a Câmara de Vereadores de Planaltina do Paraná, a 128 quilômetros de Maringá, que desembolsou cerca de R$ 3 mil.

A cobrança foi feita por telefone. Sem exigir qualquer tipo de documento, o procurador jurídico e o presidente da Câmara de Vereadores autorizaram o pagamento. No dia seguinte, quando perceberam o golpe, os dois resolveram tirar dinheiro do próprio bolso para repor o montante que os criminosos levaram. “Assumimos a responsabilidade e não demos nenhum prejuízo aos cofres da Câmara”, explicou o presidente da câmara, Mauro Hawerroth, em entrevista à RPC TV Paranavaí.

Outro município vítima do golpe foi Itaúna do Sul, a 160 quilômetros de Maringá. No entanto, o maior prejuízo ocorreu com a prefeitura de Paranavaí, que depositou quase R$ 10 mil na conta de um desconhecido. “Houve um erro grosseiro. Foi um pagamento totalmente indevido. Este valor necessariamente deve voltar corrigido e atualizado aos cofres públicos”, afirmou o promotor do Patrimônio Público Vilmar Fonseca.

Chefe de gabinete descobriu golpe em Planaltina do Paraná

Dias antes, a Prefeitura de Planaltina do Paraná, a cerca de 130 quilômetros de Maringá, havia recebido a mesma cobrança. Após o primeiro telefonema, o chefe de gabinete do prefeito, Alfredo Thomé Júnior, afirma que pensou em pagar a suposta dívida, mas que preferiu consultar o setor de contabilidade do município, descobrindo o golpe.

Segundo ele, os criminosos telefonaram mais três vezes para a Prefeitura. “Já sabia que era uma tentativa de golpe. Não dá para pagar nada se não tiver o comprovante do gasto”, explicou Thomé Júnior.

5 Comentários

  1. Isso tá me cheirando ” falcatrua””..
    O ministério público deve investigar isso. Primeiramente devem pedir a escuta telefônica para comprovar as conversas por telefone.
    Como que uma repartição publica pode efetuar um pagamento sem nenhum tipo de NF ou documento idôneo.
    No mínimo muito estranho!!!!!!!!
    É só aguardar pra ver…

  2. Com todo o respeiro ao pobre animal peludo e de orelhas grandes, mas como podem ser tão “burros” assim.

  3. Bom quando se liga do banco central não precisa mesmo de nota (ate porque banco central não da nota fiscal) e só pra acertar alguma pendência mais isso difícil mente acontece pois as dividas do município Já são descontadas na fonte, agora não custa nada checar, não sei se é o caso mais quando se tem que depositar assim é porque tem algo errado nas contas da prefeitura, e outra coisa banco central não faz ameaças porque será que depositaram rapidinho……
    Alguém da prefeitura devia esclarecer isso, aqui é um ótimo espaço.

Comente