Uncategorized

Câmara de Maringá pede proteção policial para votar aumento de cadeiras

Mário Hossokawa deve se reunir com a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros para pedir reforço policial na sessão do próximo dia 13, quando os parlamentares vão votar a proposta, que tem gerado polêmica no município

Fábio Guillen da Gazeta do Povo

O presidente da Câmara de Maringá, Mário Hossokawa, deve se reunir entre esta quinta (8) e sexta-feira (9), com o 4º Batalhão de Polícia Militar e o 5º Grupamento de Bombeiros, para pedir reforço policial na sessão do dia 13, quando os vereadores votarão o projeto que pode aumentar o número de cadeiras do legislativo local.

“Vou pedir o controle no número de pessoas que vão entrar e sair no plenário. É uma discussão importante e precisamos prevenir possíveis confusões, já que o assunto tem causado bastante repercussão no município. Queremos votar com segurança e tranquilidade”, disse Hossokawa.

A proposta apresentada pelo vereador John Alves (PMDB) defende a inclusão de mais seis parlamentares, aumentando de 15 para 21 o número de cadeiras a partir da próxima eleição. “Temos ainda duas emendas de vereadores, o que vai fazer com que a discussões aumentem. Há várias posições e ideias, por isso, vamos nos precaver de incidentes”, diz Hossokawa.

Emendas pedem 23 e 9 vereadores

Além do projeto de lei, os vereadores devem discutir duas emendas propostas esta semana. Uma delas, de autoria de Manoel Sobrinho, pretende aumentar o número de vereadores para 23, que é o limite máximo permitido por lei para a Câmara de Maringá. “A democracia é fortalecida e a sociedade fica mais bem representada”, justificou.

Outra emenda foi proposta por Marly Martin, como forma de protesto diante da pressão popular para manter o número de parlamentares. Favorável ao aumento de 21 vereadores, Martin apresentou emenda para reduzir o numero de cadeiras para nove, além de estabelecer o salário mínimo aos vereadores.

“Quinze vereadores como se pretende é para cidades com 50 a 80 mil habitantes. Então, já que não se que cumprir a constituição federal , pode ser nove [vereadores], que é pra cidades de até 15 mil habitantes “, afirmou.

3 Comentários

  1. Não haverá confusão já que os parlamentares não votarão pensando nos seus empregos e sim no Município.

  2. Valquiria Neves Responder

    Ué interesse pessoal, falta de vergonha na cara, mudou de nome, passou a se chamar Municipio, Luiz?
    Val

Comente