Uncategorized

Vice de Campo Magro rebate acusações e diz que Pase armou teatro

Daniel Castro e Denise Mello da Banda B – O vice-prefeito de Campo Magro – que chegou a assumir o cargo de prefeito por dois dias nesta semana – Carlos Alberto Werneck (PSDB), rebateu as acusações do comandante do município, José Pase (PMN), de que teria trocado as chaves da prefeitura no curto período em que esteve no comando. Para ele, Pase armou um teatro para chamar a atenção da imprensa.

Em entrevista à Banda B nesta sexta-feira (9), Werneck disse que Pase tentou sair com documentos da prefeitura assim que foi cassado pela Câmara de Vereadores, na noite de domingo (4).

“Vi várias viaturas na frente da prefeitura. Lá estava o Pase com o assessor, depois de cassado, saindo com documentos da prefeitura. A PM fez a abordagem e ele teve que deixar os documentos, levando apenas os pessoais”, afirmou.

Segundo Werneck, além da presença da PM, a contratação de uma empresa de segurança garantiu que as chaves não fossem trocadas. Na terça-feira (6), Pase obteve uma liminar que o garantiu no cargo.

“Na segunda-feira pela manhã entrei no prédio com os funcionários da prefeitura e contratei uma empresa de segurança para o período da noite. Na terça à noite, a empresa estava na porta quando o Pase chegou para entrar na prefeitura. Já sabendo da liminar, eu autorizei que a empresa saísse e deixasse-o entrar. Como ele pode alegar que houve troca de chaves se ele estava lá?”, questionou.

Denúncias

Pase é acusado de superfaturamento na locação de veículos: três Unos no valor de R$ 2.766,00 mensais cada. Também foi questionado o superfaturamento no pagamento de funcionários: um motorista, por exemplo, que deveria ganhar R$ 800,00, estava recebendo R$ 2.900,00, segundo a denúncia. A falta de prestação de contas à Câmara em 2009 também está no relatório.

Ele alega que está sendo alvo de perseguição política e que as denúncias não procedem. “Tudo que fiz está dentro da lei. A Câmara está cheia de irregularidades e os vereadores querem que eu saia. Desvio de dinheiro acontece lá e não na minha administração”, disse.

Comente