Uncategorized

Dilma também vê na crise a oportunidade para queda dos juros no Brasil

De Daniel Mello da Agência Brasil

A presidenta da República, Dilma Rousseff, disse hoje (30) que a crise econômica internacional é uma oportunidade para o Banco Central reduzir ainda mais a taxa básica de juros (Selic). “Graças ao nosso compromisso de robustez fiscal, estamos dando espaço para que o Banco Central, diante da crise, possa realizar uma cautelosa e responsável redução da taxa básica de juros”, disse ela à plateia de empresários e executivos que participam de um fórum promovido pela revista Exame.

A ação da autoridade monetária brasileira foi, na avaliação de Dilma, coerente com a situação pela qual o mundo passa. Para ela, “não é admissível” que, em uma “conjuntura de recessão e processo deflacionário no resto do mundo, nós sigamos sem levar isso em conta”.

A expectativa da presidenta é que, caso os países da zona do euro e os Estados Unidos apresentem uma piora nos seus cenários econômicos, o Brasil esteja pronto para aproveitar o momento de possível queda sistemática da demanda e, consequentemente, dos preços. “Quanto mais a situação financeira ficar grave,desta vez nós vamos aproveitar”, disse Dilma.

Dilma ponderou, entretanto, que os cortes da Selic deverão ser feitos dentro do “possível”, sem comprometer o controle da inflação. E, desse modo, “levar as condições monetárias do nosso país ao nível que a conjuntura internacional permitir”.

Apesar das possíveis vantagens pontuais para o Brasil, a presidenta lembrou que a crise também pode representar “ameaças” à economia brasileira. Esse é um cenário cada vez mais provável, na avaliação dela, uma vez que os países mais industrializados não têm recursos disponíveis para contornar as dificuldades. Entre esses riscos, Dilma apontou o de aumento das barreiras protecionistas nos países que passam por dificuldades.

O governo está, no entanto, alerta para os problemas que podem surgir com o agravamento da conjuntura econômica. “Estamos bem atentos, adotando as medidas adequadas para nos proteger”, garantiu a presidenta. De acordo com ela, as medidas em benefício da indústria nacional estão entre as ações de prevenção contra o “vale-tudo do processo de competição internacional” em ambiente de dificuldades. “Construímos as muralhas necessárias para que os efeitos dessa crise nos atinjam menos”.

Dilma descartou a possibilidade da adoção de medidas que tenham a intenção de “achatar salários” ou flexibilizar contratos de trabalho.

2 Comentários

  1. Vigilante do Portão Reply

    Esperar um recuo da inflação, tendo por base a redução dos preços dos produtos em função da crise, é um erro primário.

    Passamos longos meses “aproveitando” a debilidade do Dollar. Com a crise, a moeda Americana DISPAROU e anulou os efeitos da redução da demanda mundial.

    O resultado será sentido nos próximos meses, resultado em inflação residual.

    A inflação forma uma “cascata”, aumentando salários, aluguel, serviços públicos, gerando mais inflação.

  2. salete cesconeto de arruda Reply

    Fabio
    Você tem milhares de admiradores da PRESIDENTA DILMA como leitores do seu blog.
    Qual o motivo da não escolha de boas fotos de pessoas c/ DILMA?
    E quanto à pesquisa o correto é 71% de aprovação!
    Boa imprensa é a que não manipula foto e nem camufla resultados quando uma pessoa não é do seu agrado.
    Não é verdade?

Comente