Uncategorized

Secretário diz que governo estuda terceirizar o 190

De Denise Mello da Banda B:

Em entrevista ao vivo, no estúdio da Banda B, hoje pela manhã, o secretário de segurança pública do Paraná, Reinaldo de Almeida César, disse que o governo estuda a possibilidade de terceirizar o atendimento do 190, como já ocorre no Rio de Janeiro e São Paulo.

“A população precisa de uma resposta rápida do 190. Hoje, nosso sistema é analógico e precisa urgentemente ser digitalizado. Estados como Rio e São Paulo têm 60 atendentes treinados, todos terceirizados, trabalhando com a orientação de policiais militares. Caminhamos para isso aqui no Paraná”, disse.

O secretário falou sobre o assalto em Santa Felicidade na noite de sábado (16), em que bandidos mantiveram uma família refém por 10 horas. “Eu me solidarizo com a dor e aflição desta família. Não adianta reduzir índices de criminalidade se a população não tiver a percepção de segurança, com viaturas novas e presentes, mais efetivo, policiais bem pagos e credibilidade do disque-denúncia. A população precisa ligar para o 190 com a certeza de que será imediatamente atendida”, completou.

Jovens do Exército

Almeida César anunciou também que o governo do Paraná já encaminhou mensagem à Assembleia para abrir a possibilidade de colocar jovens recém saídos do Exército em funções administrativas dentro da polícia Militar.

“São jovens que tiveram um ano de preparação militar e cívica. Nossa ideia é colocá-los na PM em funções exclusivamente administrativas como um primeiro emprego, oferecendo um salário de cerca de R$ 1,1 mil. Assim poderemos liberar cerca de 2 mil policiais militares para o trabalho nas ruas”, disse o secretário.

Falta tudo

O secretário também afirmou que o Estado não fez a lição de casa na segurança pública nos últimos 20 anos. César admitiu que se nada for feito de imediato, as organizações criminosas migrarão para o Paraná em pouco tempo.

“A questão é de matemática simples. Fazemos fronteira com SC, SP e MS. Santa Catarina tem metade da população do Paraná e o mesmo efetivo policial; Mato Grosso do Sul tem um quarto da população do nosso estado e metade do nosso efetivo e São Paulo tem quatro vez a nossa população e 10 vezes mais policiais. Se não fortalecermos rapidamente a segurança pública no Paraná, é evidente que nosso estado será terreno fértil para organizações criminosas”, afirmou.

“Investimos mais em segurança pública apenas que o Maranhão e o Piauí, nosso efetivo hoje é menor que o de 15 anos atrás. Mas estamos tentando corrigir isso com investimento em pessoal e tecnologia. O governador Beto Richa colocou a segurança pública no centro do governo e lançou o programa Paraná Seguro em agosto exatamente para revertermos isso”, completou.

Delegacias

O secretário respondeu a ouvinte que disse que o cidadão é mal atendido nas delegacias, como se os policiais estivessem fazendo um favor em atender o cidadão. Segundo César, ele também tem esta sensação.

“Também tenho esta angústia. O Paraná tem hoje 30% de todos os presos do país mantidos indevidamente em delegacias. Nosso desafio é mudar isso construindo 95 novas delegacias e investindo sobretudo em um novo conceito de atendimento do policial civil para que atenda a população com cortesia e dignidade”, disse César.

O secretário também falou sobre a preocupação com as drogas e em metas estabelecidas de redução dos índices de criminalidade com os comandos das Polícias Civil e Militar. “Estabeleci metas de redução da criminalidade em quatro áreas: homicídios, latrocínios, furtos e roubos, e furtos e roubos de veículos. Os índices já diminuíram e certamente vão cair muito  mais.

Reinaldo de Almeida César foi entrevistado por Luiz Carlos Martins, Adilson Arantes e Denise Mello.

6 Comentários

  1. Governante Itinerante Responder

    Terceirizar o sistema de tecnologia é ótimo! Porém, acredito que o atendimento tem que continuar sendo realizado por Policiais Militares. Quando, desesperados, buscamos socorro, é com um policial que queremos falar. O policial sabe triar a ocorrência, buscar informações efetivamente importantes, acalmar o cidadão. Em alguns casos, como em SP e SC, já salvou vidas orientando pais a desengasgarem crianças em emergência extrema. No governo Requião, já colocaram terceirizados para atender os telefones do 190 e o resultado foi lamentável. Além de tudo, um bom atendimento da demanda por telefone otimiza a aplicação do policiamento no atendimento da ocorrência. O policial militar é preparado e conhece a realidade, podendo filtrar as informações importantes, facilitando o despacho dos esforços e efetivos na medida certa. Com o terceirizado, se encaminha um batalhão para atender um gato em cima da árvore e um policial sozinho e a pé para atender um assalto a banco com reféns. Uma solução talvez fosse a aplicação de policiais aposentados.

  2. Raphael Junqueira Responder

    É só aplicar a Lei Fraga. Tá tudo lá bem explicadinho como faz para essa contratação de policiais temporários!!

  3. Eu to enganado o li certo o q disse o sec de segurança ? Vtrs novas,mais efetivos e policial bem pago. Aleluia !pois todas as noticias q vem do gov em tratando-se de segurança só vejo falar em Vts e efetivo até q enfim. Espero q realmente o policial sejam bem remunerados porque do jeito q tá da desanimo principalmente os praças de pré.

  4. Não concordo com a tercerização do COPOM (190), sou a favor da tercerização do serviço burocratico e do Rancho nos Quartéis. Um policial para se formar leva em média 08 meses, e quando se forma vai ser cozinheiro ou digitador de B.O em alguma seção do Quartel. Interessante q contratassem estagiarios para realizar tais serviços burocraticos, serviços esses q não precisam de especialidades na area policial. O q se ve no interior dos Quartéis em qualquer lugar do Pr, são policiais sem a minima vontade de ir para as ruas combater o crime, e que se formaram apenas para o serviço burocratico. É só visitarem os Quartéis e verão um monte policiais cozinheiros ganhando 03 vezes mais q uma cozinheira profissional, e tambem visitar as ditas seções P1, P2, P3, P4 … e verão policiais fazendo trabalho q qualquer estagiario de Faculdade poderia estar fazendo. Obs: este trabalho q fazem é importante, só q acho q deveriam serem aproveitado mais na função a qual foram treinados.

  5. Sidnei Belizário de Melo Responder

    É temerário a privatização do telefone de emergência 190 da Policia militar do Paraná, o exemplo péssimo e do Distrito Federal-DF que demonstra que após as mudanças para uma empresa terceirizada a mesma coleciona reclamações da população e tem descrédito até pela Policia Militar-DF.Entre as qualidades do 190, o atendente tem de saber ouvir com atenção, colocar-se no lugar do outro e controlar situações de emergência sem agressividade. Quem opta por esse serviço tem perfil distinto daqueles que fazem policiamento ostensivo: em vez de empunhar armas e perseguir criminosos, sente-se mais à vontade em resolver conflitos na base da conversa. Sou contra a privatização, e deve continuar sendo feito por um policial. A população que liga quer atendimento de um profissional que a tranquilize, e tome decisões em conjunto com os colegas que estão com as viaturas para o atendimento as emergências. A qualidade, e rapidez e feito por policias onde o efetivo esta compatível com as necessidades da população, claro com salário digno, tenho certeza que seremos exemplo para o Brasil.

Comente