Uncategorized

O vinagre, o pneu e o espantalho

Hoje foi confirmada a instalação de uma fábrica de pneus da empresa Vipal no Rio Grande do Sul. A unidade, em parceria com a argentina Fate, será erguida com investimentos de US$ 250 milhões em Guaíba.

Até aí tudo bem. O que pouca gente sabe é que a fábrica não veio ao Paraná por causa de mais um dos destemperos do ex-governador Requião, apelidado pelo perspicaz Mazza como o “espantalho de investimentos” .

Em 2010, os dirigentes da empresa analisavam o local para o empreendimento e o Paraná era um dos fortes concorrentes. Naquela época, foi marcada uma audiência dos dirigentes da empresas com o governador. Um almoço no Palácio das Araucárias. E foi aí que a coisa desandou de vez.

A falta de educação de Requião assustou e indignou os empresários. O seu conhecido destempero tornou o almoço uma daquelas experiências difíceis de digerir e de esquecer.

Entre as brincadeiras – que só ele e seus asseclas acham engraçadas – Requião fez pouco caso de um presente que lhe foi entregue pelos dirigentes da Vipal. Uma bela caixa com vinhos de renome internacional foi recebida com indiferença. Ao olhar o rótulo Requião classificou a bebida como vinagre e pediu para que fosse utilizada para temperar a sua salada. O resto da história a gente já sabe e assim caminha a humanidade.

8 Comentários

  1. fora.marialouca@hotmail.com Responder

    Como notório, somente os lambe saco da maria louca ahcavam “engraçadas” seus atos e comentários de péssimo gosto, os quais redundaram em prejuízos para o Paraná; este não é o único. A claque para rir das suas piada infames era composta por Maunedito, Roberto Carlos miniatura, dom a´tico camisa amarela, heitor bobeira eno máximo mais 2 ou 3 com estômago. O resto, só ia na mal fadada escolinha para garantir o emprego! VERGONHA MARIA LOUCA, PREJUÍZO PARA O PARANÁ!

  2. Nelson Edison de Moura Rosa Responder

    Aiiiiiii,como sou BANDIDO!!!!
    Adoro encontrar nos noticiários qualquer matéria que espezinhe REQUIÃO et CAETERVA…
    Em matéria de ações governamentais do referido cidadão, tivemos a indecência da indecência!
    Competência, ética, seriedade, criatividade, polidez, foram termos esquecidos naquele fatídico desgoverno. O que sobrou, foram as pendengas… Muitas pendengas… E, até agora não vi prenderem nenhum dos irmãozinhos do INSANO. Um pelos desvios no Porto de Paranaguá, dólares no armário, desvio de materiais do escritório de Brasília, outro, pela compra de TVs Laranja com preço acima de mercado, pelas diárias fraudadas, pelo desvio de documentos… Se fossemos enumerar as ca…das, seriam necessárias no mínimo quatro laudas. Ninguém foi ainda preso, ninguém devolveu o dinheiro surrupiado, e o pior é que o INSANO agora ficará livre de um amontoado de ações por decorrência de prazo. Tudo por conta de nosso Judiciário lento, (ele dá canseira em bicho preguiça). O homem agora em vez de leitão gordo agora é capado véio, mais continua gordo, comendo bastante com o dinheiro que arrebanhou em seu desgoverno!

  3. Esoj solrac sod sotnas Responder

    Fabio, pelo amor de Deus, não perca tempo e espaço para falar dessa desgraça que só f…….. o Paraná.e oa paranaenses..

  4. Fábio, você citou apenas um caso. E a fábrica de pneus Yokohama? A fábrica de vidros Guardian? E a montadora Toyota? E pensar que ainda tem paranaense que votou nesse cara na última eleição!!!

  5. Sem dúvida, RR foi um grande administrador: dos assuntos e interesses da família. Dele é claro, jamais da família paranaense.

    O rei da bazófia, da truculência e da língua solta faz da política paranaense trampolim para interesses pessoais e não é de hoje.

    A família vai bem e cada dia melhor. Já o povo que o elegeu continua na ilusão de que ali reside um grande Estadista. De araque, é claro.

Comente