Uncategorized

Criação de 787 comissionados no TJ passa na Assembleia


Contratações sem concurso público vão custar R$ 32,1 milhões por ano aos cofres públicos

de Euclides Lucas Garcia da Gazeta do Povo

Os deputados estaduais aprovaram ontem, em primeira discussão, o projeto de autoria do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ) que prevê a criação de 787 cargos em comissão – que não necessitam de concurso público e para os quais as pessoas são nomeadas por livre escolha – no órgão. Se passar em todas as votações e virar lei, o impacto da medida será de R$ 32,1 milhões por ano nas contas públicas.

De acordo com o presidente do TJ, desembargador Miguel Kfouri Neto, a maioria dos cargos será criada para atender às demandas do Poder Judiciário. “Com esses cargos, todos os magistrados do Paraná terão um assessor. A digitalização deu mais celeridade aos processos e é necessário que o magistrado tenha uma pessoa para auxiliá-lo”, justificou.

Kfouri afirmou ainda que a não realização de concurso público para o preenchimento das 787 vagas se deve a questões financeiras e trabalhistas. “O salário para cada cargo é de R$ 2,6 mil. Talvez não tenha tantos bacharéis dispostos a ir trabalhar em Barracão [no Sudoeste do estado], por exemplo, por este salário”, disse. “Além do mais, nós evitamos o vínculo trabalhista. É um cargo que exige confiança e ainda vamos analisar a produtividade. Se for baixa, é só exonerá-lo.

14 Comentários

  1. os 54 deputados com certeza vão conseguir colocar mais algum comissionado que saiu da ALEP.

    e como a maioria deles não sabe fazer nada !!!!!!!!! o serviço vai continuar o mesmo, mas isso acontece em muitos lugares no governo, indicam pessoas desqualificadas mas garantem o voto nas eleições.

    V E R G O N H A !!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. 787 cargos = 1500 filhos, sobrinhos, noras.
    exonera um, entra outro. tão consanguineo quanto o anterior

  3. Eu também quero um carguinho com salários superior a R$5.OOO,OO reais, quem não que.

  4. Thiago Medeiros Responder

    Os juizes de 1o grau nao tem assessores (exceto quando deslocam um servidor da secretaria ou colocam um estagiario pra assessorar). É uma medida necessária, e o salário é de 2600 reais. E nepotismo pode nao ter terminado, mas tá bem mais dificil hoje em dia.

  5. me da nojo isso.. e nós aprovados no concurso de 2009 ficamos a ver navios mais uma vez.. “animus necandi” me incorpora..

  6. Aí serão alocados muitos amiguinhos do bibinho, se os deputados não aprovassem o bibinho iria contar tudo, mesmo estando louco,
    das 54 “excelencias” não ficaria um só.
    Se tiver um deputado serio ele deveria suicidar-se , para que o povo pudesse acreditar na hipótese de existir um.

  7. Que belo exemplo nos dá o Poder Judiciário -cargos sem concurso público- com aprovação unânimo dos acadelados Deputados Estaduais. E podem escrever, não vai demorar muito para o Ministério Público entrar nessa onda tambem. E depois, quem sabe, o Tribunal de Contas. Tudo isto com a complacência do Poder Executivo, invocando o princípio da “harmonia entre os Poderes”. Quero ver quando houver reinvidicações dos funcionários do Poder Executivo, se os Senhores Deputados serão unânimes em aprova-los, ou se vão invocar a Lei de responsabilidade fiscal.

  8. E o governo Beto até agora não implantou a Emenda 29 para o Policia a qual conforme a lei deveria ter acontecido até 28 de Abril de 2011.
    Fica claro que este governo não quer segurança no Paraná pois o primeiro passo para isto seria a implantação da Emenda 29, que iria valorizar o Policial.

Comente