Uncategorized

Ex-conselheiro tutelar é suspeito de aplicar golpe ‘Boa Noite Cinderela’

Do G1 PR

Está preso desde o início do mês de novembro em Pato Branco, Sudoeste do Paraná, um ex-conselheiro tutelar suspeito de aplicar o golpe chamado “Boa Noite Cinderela” em jovens da região. Ele foi preso após denúncia de um jovem de 18 anos, que relatou à polícia ter ingerido refrigerante com medicamentos no carro do suspeito e ter dormido logo em seguida.

O jovem afirmou que aceitou a carona do suspeito em uma boate, e que só voltou à consciência na manhã seguinte, quando foi deixado a uma quadra de casa. Ele não se recorda de nada que aconteceu durante o período em que esteve medicado. De acordo com a delegada Franciele Biava, que investiga o caso, 10 horas depois do fato o jovem ainda se encontrava sob efeito dos remédios.

“Ele não tinha condições sequer de conversar”, disse Biava, que contou que um laudo de lesões corporais comprovou que a vítima apresentava sinais de mordida nas costas. O resultado de outro exame para apurar se houve violência sexual é aguardado pela investigação.

Após a prisão do suspeito, dois adolescentes de 17 anos procuraram a polícia para denunciar o mesmo suspeito, pelo mesmo crime.

Boa Noite Cinderela
O golpe costuma ser aplicado em boates e bares, quando as vítimas se descuidam do seu copo, ou aceitam bebidas de estranhos. Normalmente são misturados ao líquido diversos tipos de medicação, com objetivo de sedar o alvo. De acordo com o neurologista Frederico Rodrigues, o tipo de remédio varia.

“Tem aquelas que são utilizadas até para anestesia, ou seja, o paciente desmaia, perde a consciência total, e existem outras drogas que são chamadas hipnóticas, em que o paciente não perde a consciência no sentido de desmaiar, mas perde a noção do que está fazendo, não consegue ter uma memória daquele período que se passa sob efeito da medicação”, explicou.

2 Comentários

  1. Este cidadao ae se chama nelson ferrari eh vereador suplente em francisco beltrao sudoeste do pr

  2. É… pasmem os senhores, o acusado era conselheiro tutelar em Francisco Beltrão até o mês de abril, quando deixou o cargo para assumir uma cadeira de vereador na câmara municipal.

    “A raposa cuidando do galinheiro”…

Comente