Uncategorized

“Médicos faltam e não avisam”, afirma Ducci


Foto: Jadson André – Banda B

De Denise Mello da Banda B

O prefeito de Curitiba Luciano Ducci (PSB), disse hoje em entrevista à Banda B que poderá rever o modelo adotado nas Unidades de Saúde (US) 24 horas por causa do aumento do número de reclamações de demora no atendimento.

Segundo o prefeito, grande parte da espera de até 3 ou 4 horas em algumas US 24h, acontece por causa de médicos, contratados por meio de uma parceria com centros universitários, que faltam e simplesmente não avisam.

“Os momentos mais críticos que temos enfrentados nas Unidades de Sáude 24 horas acontecem porque faltaram dois ou três médicos, ou um deles saiu mais cedo. É inadmissível que haja esta falta de profissionais já que temos um contrato de gestão com centros universitários para o nosso quadro de médicos. O problema é que eles faltam e não avisam”, afirmou Ducci em entrevista ao vivo no programa Luiz Carlos Martins.

O prefeito explicou que médicos das Unidades de Saúde 24 horas de Curitiba são contratados por meio de contratos com centros universitários.

“Na US Boa Vista, por exemplo, temos contrato com o Hospital de Clínicas; na US Sítio Cercado, o contrato é com o Hospital Evangélico; na US Cajuru é com a PUC. São eles que nos dão também a retaguarda para atendimentos de emergência em que o paciente precisa ser encaminhado para um hospital”, exemplifica Ducci.

“Se precisar, vamos rever todo o modelo de atendimento das US 24 horas para que não haja falta de médicos”, completou.

Agressões

Sobre os casos de agressões a servidores da saúde registrados na US Sítio Cercado nas últimas semanas, Ducci disse que são realizados 5 mil consultas médicas por dia nas US 24 horas de Curitiba e é natural que haja um ou outro desentendimento.

“Como implantamos um sistema de classificação de risco que prioriza os casos mais urgentes, há a possibilidade de que uma pessoa que precise de um atestado médico ou esteja resfriada, por exemplo, demore até 3 horas para ser atendida, mas estamos trabalhando para que essa espera seja cada vez menor”.

Na madrugada de domingo (20), os usuários da US do Sítio Cercado presenciaram mais uma cena de agressão entre pacientes e funcionários. Um rapaz, que sofreu um acidente de moto, e um enfermeiro, brigaram após o paciente questionar a demora do atendimento, segundo informações do telejornal PRTV, da RPCTV. É o segundo caso de briga registrado no posto em 15 dias.

Segundo Anderson Soares, o enfermeiro foi o responsável por começar a confusão, por volta das 23h deste domingo, com chutes. A versão do enfermeiro José Marcelo de Oliveira, no entanto, é de que Anderson teria dado tapas em seu braço. Alguns pacientes que estavam presentes testemunharam a favor de Anderson, que acabou sangrando após a confusão.

No dia 8 de novembro, uma mulher que aguardava para ser atendida, por volta das 22 horas, agrediu uma funcionária do mesmo posto. A paciente, que reclamava da demora pelo atendimento, acabou partindo para a briga e precisou ser contida pela Guarda Municipal.

IPTU

O prefeito desmentiu a noticia divulgada por orgãos de imprensa, que infomaram um possível aumento de 300% no IPTU da capital. “Isso é uma grande mentira, com teor de intriga política. Enquanto eu for prefeito, isso não vai acontecer. O aumento deve acompanhar a inflação como em anos anteriores”, garantiu.

16 Comentários

  1. Tem de começar descontando as faltas. Mas não é só isto.O problema também é o desinteresse dos médicos.

  2. O salário dos médicos está condizente com o esforço e a responsabilidade que eles carregam??? Pode estar acontecendo de eles estarem sendo mal remunerados!

  3. Prezados, é lamentável o despeparo ético de alguns médicos e a falta de gestão da Prefeitura Municipal de Curitiba e atuação do CRM, na fiscalização dos plantões médicos, nos atos médicos.
    Alguns julgam-se semi deuses e acima do julgo daqueles que deles dependem na vida e na morte. é a hora da sociedade ver se vale, os valores que alguns médicos dão a si próprios e também ver se eles merecem exercer tão nobre profissão, ou se nela só entraram pelo unico motivo, O VIL METAL, o dinheiro a qualquer custo, sem se importar com o mais importante, A VIDA DAS PESSOAS.
    Com relação aos médicos contratados pela Prefeitura de Curitiba, isso é somente falta de gestão fiscalizadora ecomprometida com os que realmete contam nesta história, os cidadãos Curitibanos, que são deixados em segundo plano, sendo só focado os interesses particulares dos médicos, que fazem do emprego público bico e garantia de uma aposentadoria no futuro, os interesse estão mesmo em seus consultorios particulares e seus empregos privados, pois lá se faltarem são descontados e podem ser demitidos., enquanto persistir este modêlo de funcionalismo público, onde não conta a produtividade e com garantia de leis de protecionismo, que não permite a demissão de maus servidores, faltosos, incompetentes, que não são comprometidos com seus empregos e protegidos pelo corporativismo viciosos entre os servidores, onde um protege o outro, pois no dia seguinte pode ser ele o bola da vez e seu colega o protegerá de igual forma, alguns plantões chegasse ao absurdo de um servidor bater até 20 cartões pontos de colegas que sairam durante o expediente, para assuntos particulares.
    No posto da Campina do Siqueira é comum também os médicos chegarem atrasados e a autoridade sanitária nada faz para coibir abusos, e quando ousa-se reclamar, vai para o lista negra dos funcionários, que passam a fazer corpo mole no atendimento de quem ousa reclamar. É UM ABSURDO O QUE ESTÁ ACONTECENDO NA AREA DA SAÚDE na administração DO PREFEITO LUCIANO DUCCI, é um desmanzêlo, um desrespeito com os Cidadãos que elegeram este governo. Mas a ELEIÇÂO vem ai e vamos dar o Troco ao Dr. Luciano, que passa a mão na cabeça dos seus colegas da Saúde.

  4. Dias atras presenciei o atraso da médica pediatra desta US – Campina da SIqueira, chegar atrasada, deixando crianças e mães por horas esperando, e quando chegou fez as famosas consultas benzimentos, rapidinhas, para eliminar o problema que ela Médica causou com o seu atraso. Demonstrando total desrespeito com os pacientes crianças que não tem culpa nenhuma dos problemas particulares da médica.

  5. Quanto ao aumento dos imposto em 300%, é a buia que o GOVERNO ESTADUAL lançou com o TARIFAÇO DO DETRAN , com aumentos de quase 300% médios também, e a opinião publica ficou apática e sem reação, pois não dá para acreditar que o Senhor BETO RICHA, rescem eleito Governador, de de Presente aos que votaram Nele, este PRESENTINHO de NATAL , é lógico já que a população nem reagiu com o TARIFAÇO, vamos fazer o mesmo com os impôstos Municipais, afinal 300% para melhorar a saúde pode ter o mesmo efeito dos 300% do TARIFAÇO, para melhorar a SEGURANÇA PUBLICA, só que os Senhores Administradores Publicos esquecem, que para esses fins, tem o orçamento do ESTADO e o MUNICIPAL, e as suas tão festejada competências proclamadas como reformadoras, DURANTE SUAS CAMPANHAS ELEITORAIS, usem táticas deste tipo QUE na calada, e pegando todos de surpresa, LANCEM MÃO DESTE TIPO DE EXPEDIENTE, PARA AUMENTAR A ARRECADAÇÃO, pois afinal com as BURRAS cheias de DINHEIRO, qualquer um pousa de BOM ADMINISTRADOR,

  6. Mimimimimimimi…. Colocar a culpa nos outros é fácil… E os milhões do ICI, Não serviram para desenvolver um sistema de ponto descente? Ah.. lembrei, dizem que a Minauro tem um contrato vergonhosos (milionário) com o ICS que é uma OSCIP….

  7. -A classe médica é muito forte no corporativismo.
    -Os absurdos que lemos nesta notícia não são exclusivos da cidade de Curitiba, mas em todo o Paraná(estou me referindo apenas no nosso estado, pois o resto do país, não temos a real situação, se bem que não é tão diferente) acontece com frequência acima do normal.
    -Já está mais do que comprovado que não existe falta de recursos financeiros para a saúde e sim gestão deficitária ou inoperante.
    -Médicos são funcionários como qualquer outro. Se um funcionário não comparece ou não cumpre com sua carga horária é descontado em folha, advertido por escrito ou verbalmente ou demitido. Simples, por que com médicos seria diferente???
    -Outra questão é o fator financeiro, para muitos médicos trabalharem em prefeitura com o povão, é apenas um complemento do salário, sendo que seu principal rendimento são consultas particulares ou com planos de saúde, cirurgias e indicação de medicamentos dos vendedores de laboratórios onde ganham uma porcentagem ou as despesas pagas para congressos, seminários, férias grátis com a família…

  8. Juscelino Salles Responder

    O que excelenticimo prefeito falou é verdade.
    Pois estive no 24 hs do cajuru no sabado e dos 11 médicos que deveriam estar trabalhando só tinha 03.
    Alem de prejudicarem a população com suas faltas tambem prejudicam seus colegas.
    Que acabam sobre carregados de serviço e ainda tem que aguentar os desabafo da população.
    É necessario que aja um controle maior não só por parte da prefeitura fazem os descontos das horas faltosas.
    Mas tambem cobrar da estituições que só podem ter seus cursos de medicina com aval da secretaria muicipal de saúde.
    Seria necessario tambem uma intervemção do ministério publico.
    Talves entrando com processo contra os faltosos.
    Pois por suas faltas estão prejudicando a população que em muitas vez pagou o curso destes médicos.
    Que se formaram em universidades publicas.

  9. Parreiras Rodrigues Responder

    Para constar, Fabião: No blog do Edson Lima, de Maringá, a cópia dum anúncio de jornal duma clínica que precisa de médicos, salário de 3.600 pilas. Em seguida, o: Precisa-se de moças para trabalhar em boate: renda mínima de 6.000 paus (epa?).

  10. Na Segurança a culpa é da polícia, na saúde dos Médicos, no Trânsitos e dos motoristas, quando a prefeitura assume a culpa??

  11. Célio Martins Responder

    É necessário automatizar o controle de ponto eletrônico e implantar um sistema que permita um controle efetivo de todos os servidores públicos. O contribuinte curitibano irá agradecer Sr. Prefeito.

  12. Vigilante do Portão Responder

    E a RPC, embora SABENDO quie a maior parte da “FILA” do posto 24 horas, é de pacientes que NÃO SÃO DE URGÊNCIA”, insiste em mostrar as imagens.

    Hoje, no jornal das 12:00, lá etava a entrevista do sujeuto:

    Reporter: O Sr. está aguardando consulta?

    Paciente: Sim estou esperando daz 3 horas, tenho problemas de coluna….

    Ora, “problemas de colulan, definitivamente NÃO ~SÃO DE URGÊNCIA.

    Acontece que no Posto, tem que agendar, esperar senha, etc.

    No 24 horas, o paciente vai ser atendido, mesmo que demore.

    O Posto 24 horas atende casos de URGÊNCIA.

    Outros casos, são atendidos DEPOIS das urgências.

    Simples.

    Tenho problema de coluna, ao ligar para o médico (do Palno de Saúde), agendo consulta para 10 ou 15 dias.

    Sujeito quer chegar no sistema público e ser consultado em 1/2 hora.

    Aponte o lugar nesse Brasil de meu Deus que seja assim.
    A RPC sabe disso, entretanto, quer minar o Ducci e o Beto,

    Trata-se de uma campanha sórdida e medíocre.

    Não falam dos 4 ou 5 mil atendimentos diários do Sistema 24 horas, apenas mostram que alguns pacientes demoram para obter atendimento.

  13. O prefeito é um hipócrita, por que a Prefeitura não contrata médicos atráves de concurso? Estes médicos e médicas contratados através destes centros universitários não passam de recém-formados. E que pensam como se ainda estagiários fossem. Se faltar faltou, estão pouco ou, nada se lixando para as conseqüências. Nunca vou cansar de repetir, a demagogia sai muito caro, e o prefeito insiste em ser demagogo. ACarlos

  14. Marlene Ironeide Vancine Responder

    Concordo com o Tony.
    Não é de hoje que inventaram essa de sermos atendidos por estudantes de medicina. E o absurdo sem limites: atendidos por alunos do último ano que nem médicos são. Os outros são residentes. Estudantes e residentes são sem suficiente preparo. São mão de obra barato. Eles estão aprendendo. Aprendendo a desgraceira que é o cuidado com a saúde do povo.
    Os médicos contratados tem no emprego só um bico, pra garantir o arroz com feijão. O bom mesmo é no consultório particular.
    Será que pagar bem resolve?
    Será que não fazer a gente de cobaia resolve, e contratar médicos?

    Marlene.

  15. Paula Tejando. Responder

    Pq o prefeito não paga para ao médico o salário de prefeito ou de um juiz (afinal o médico, como alegaram o “revolts” acima lida com vidas!), e muitas vezes estudou muito mais!!! Aposto os dedos de uma mão, que se os respeitáveis médicos, (os respeitáveis,pois existem desonrados em todas classes profissionais e até entre políticos) ganhassem bem, e não tivessem que fazer dos empregos públicos os chamados “bicos, certamente todos sairiam satisfeitos com o trabalho bem feito.
    nÃO SEI SE NESSA QUESTÃO FALTOU AO DULCCI UM POUCO DE MÉDICO,OU MUITO DE POLÍTICO.

Comente