Uncategorized

Lupi fica, mas PDT deve perder pasta na reforma

Da Gazeta do Povo

Passadas três semanas do início da crise no Ministério do Trabalho, crescem as chances de o PDT perder a pasta na reforma ministerial programada pela presidente Dilma Rousseff para o primeiro bimestre de 2012. O partido não recebeu nenhuma garantia do Palácio do Planalto de que manterá a pasta sob sua jurisdição, mesmo que vingue a ideia do presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), de afastamento do ministro Carlos Lupi, e sua substituição por um outro pedetista.

A estratégia montada por Paulinho e seu grupo de dar um “aviso prévio” para saída de Lupi e pôr em seu lugar um aliado contraria o Palácio do Planalto. Não foi à toa que o ministro-chefe da Casa Civil, Gilberto Carvalho, mandou nesta quarta-feira (23) um recado claro ao PDT ao afirmar que o regime é presidencialista e “Lupi continua ministro e a vida segue para nós”.

“Primeiro, não estamos num parlamentarismo. Segundo, não há manifestação formal do PDT de se retirar da base aliada. Pelo contrário, há uma reafirmação e a atitude deles é muito nobre de reafirmar o apoio ao governo”.

O temor do PDT é que na reforma ministerial perca o Trabalho para o PT, que reivindica a pasta que ocupou até 2007. Na dança das cadeiras que será promovida por Dilma, a tendência é os pedetistas ficarem com outra pasta. Diante dessa constatação, o líder do partido na Câmara, Giovanni Queiróz (PA), começou a defender que o PDT ganhe um Ministério com maior “capilaridade”, como Cidades ou Desenvolvimento Social.

Os planos da presidente Dilma seriam, no entanto, bem diferentes das pretensões da bancada da Câmara. O escolhido para representar o PDT no novo Ministério seria o ex-senador Osmar Dias (PDT-PR). É a forma em estudo para compensá-lo pelo abandono de sua candidatura à reeleição ao Senado, no ano passado, só para dar palanque para a campanha presidencial de Dilma no Paraná, nas eleições de 2010.

Diante do enquadramento do Palácio do Planalto, a cúpula do PDT tentou minimizar a tentativa de aviso prévio à Lupi engendrada em reunião da legenda na noite de ontem. “Pelo partido, esse assunto todo está encerrado. Cabe a presidente Dilma avaliar a permanência dele. Ele (Lupi) permanece enquanto a presidente confiar nele”, afirmou o secretário-geral do PDT, Manoel Dias. “Somos solidários ao Lupi e o entendimento que ele deve sair não é verdade”, emendou.

Ao mesmo tempo, integrantes históricos do PDT começaram a recolher assinaturas hoje para forçar a autoconvocação do Diretório Nacional do partido. Essa reunião deveria ter ocorrido há duas semanas, mas foi abortada pelo Lupi em meio às denúncias de irregularidades na pasta. Na época, o ministro cancelou a reunião do Diretório para ganhar tempo e evitar um placar desfavorável para sua permanência no governo. Segundo Manoel Dias, não há previsão de data para uma nova reunião do Diretório Nacional do PDT.

5 Comentários

  1. antonio francisco da silva Reply

    bem que a oposição gostaria de ver o pdt ao seu lado.Dilma pode ter todos os defeitos ,menos ser otaria.

  2. Esse trapalhão escapou por pouco.
    Mas isso não quer dizer que todas as irregularidades de sua administração também serão esquecidas.
    Podem contar que nessa tuba tem gato.
    Não é LUPE.

  3. Que grande coisa, o cara fica até o fim do ano. Depois vai pra rua, e o partido vai ganhar um ministério. E que ministério é este? O da Desburocratização, se lembram dele? Aquele do tempo da Gloriosa, quando acabou com a firma reconhecida, que até hoje é cobrada nos cartórios. ACarlos

  4. Mirian Waleska Reply

    Antonio Francisco da Silva,

    Esse é o mais evidente nela, entre outros.

Comente