Uncategorized

BNDES vai investir em reflorestamento no PR, SP e BA


O banco vai aplicar R$ 11 milhões a fundo perdido em três projetos

da Agência Estado

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou nesta segunda que vai aplicar R$ 11 milhões a fundo perdido em três projetos de reflorestamento no Paraná, em São Paulo e na Bahia no âmbito do programa Iniciativa BNDES Mata Atlântica. Os recursos oriundos do BNDES Fundo Social viabilizarão a recuperação de 785 hectares do bioma, informou o banco.


Com a aprovação desses desembolsos, o banco de fomento já conta onze projetos aprovados por meio do Iniciativa BNDES Mata Atlântica com recursos não reembolsáveis. O projeto Iniciativa Verde receberá R$ 7,8 milhões para a recuperação de matas ciliares em cinco frentes de atuação entre o Paraná e São Paulo. No Parque Estadual da Serra do Mar, no norte do Estado de São Paulo, R$ 1,5 milhão será destinado a uma associação local para o reflorestamento de 160 hectares na zona de amortecimento da reserva. Haverá um foco especial no manejo sustentável da palmeira juçara, cujo comércio da polpa pode ser uma opção de renda local e de uso em merendas escolares.

Já o Instituto Floresta Viva receberá R$ 1,7 milhão do BNDES para recuperação florestal e manejo sustentável de mudas em uma área do Parque Estadual da Serra do Conduru, na Bahia. O parque abriga uma rica biodiversidade e foi criado como medida compensatória pela construção da rodovia BA-001, em 1997.

O BNDES também aprovou aportes não reembolsáveis que somam R$ 26 2 milhões em mais três projetos ambientais que pleiteavam recursos do Fundo Amazônia, do qual é gestor. O banco informou hoje que serão beneficiados o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), com o projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia, e as prefeituras de Anapu e Jacundá, ambas no Pará, que estão em áreas de influência direta de grandes obras, como a usina hidrelétrica de Belo Monte.

As duas cidades usarão os recursos para estruturar instrumentos institucionais de preservação do meio ambiente e fomento à chamada economia verde. Com essas aprovações, o Fundo Amazônia já contabiliza 23 projetos em sua carteira, no valor de R$ 261 milhões. Os recursos do Fundo Amazônia geridos pelo BNDES foram constituídos até agora por três grandes doadores: o governo da Noruega, o banco de desenvolvimento da Alemanha (KfW) e a Petrobrás.

3 Comentários

  1. E vcs mostram floresta de Pinus. Pô meu, recuperação de bioma é com espécie nativa. Coloca umas Araucárias aí, que fica melhor…

  2. Parreiras Rodrigues Responder

    A região central do Paraná – Manoel Ribas e adjacências é a mais carente de propostas para o seu desenvolvimento sócioeconomico.

    Governo e empresário poderiam desenvolver lá, a heveicultura, para abastecer a indústria de pneus que se instala no Estado.

Comente