Uncategorized

Deputado Aguinaldo Ribeiro será o novo ministro das Cidades

Na Folha

O ministro das Cidades, Mário Negromonte, deixou o cargo nesta quinta-feira após reunir-se com a presidente Dilma Rousseff por cerca de 15 minutos e entregar sua carta de demissão.

Pouco depois, Dilma se reuniu o líder do PP na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PB), que assumirá a pasta. O novo ministro deve ser empossado nesta sexta-feira ou na próxima segunda-feira (6).

Ribeiro é aliado do antecessor de Negromonte na pasta, o ex-ministro Márcio Fortes, atualmente no comando da APO (Autoridade Pública Olímpica). Contra a sua indicação pesava o fato de respoder a um processo que apura crimes previstos na lei de licitações.

Em sua carta de demissão, Negromonte se diz fiel à presidente e promete apoio no Congresso Nacional. Ele é o oitavo ministro a deixar o cargo desde o início do governo Dilma, o sétimo por conta de irregularidades na pasta.

“A Presidenta da República agradece os serviços por ele prestados ao país à frente da pasta e lhe deseja boa sorte em seus novos projetos”, afirma nota da Secretaria de Comunicação Social do Planalto, comunicando oficialmente a demissão de Negromonte.

Após o anúncio, o presidente do PP, senador Francisco Dornelles (PP) e Ribeiro seguiram para uma reunião com Dilma.

Negromonte comunicou ontem ao seu grupo político no PP que pediria demissão do cargo, conforme a Folha antecipou no sábado.

A situação de Negromonte agravou-se na semana passada após a Folha revelar a participação dele e do secretário-executivo, Roberto Muniz, em reuniões privadas com um empresário e um lobista interessados num projeto do ministério.

O episódio culminou com a demissão do chefe de gabinete do ministro, Cássio Peixoto, na quarta-feira. Muniz também deve sair.

HISTÓRICO

Negromonte é o primeiro ministro a deixar o governo da presidente Dilma neste ano devido a suspeitas de irregularidades em sua gestão.

Em 2011, primeiro ano de governo da presidente, seis ministros deixaram o governo na mesma condição: Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes), Pedro Novais (Turismo), Orlando Silva (Esporte), Wagner Rossi (Agricultura) e Carlos Lupi (Trabalho).

Neste ano, houve troca de ministros devido às eleições municipais: Fernando Haddad deixou a pasta de Educação para se dedicar à disputa pela Prefeitura de São Paulo. Aloizio Mercadante, então ministro de Ciência e Tecnologia, assumiu a função.

9 Comentários

  1. Parreiras Rodrigues Reply

    Fábio: Tô meio apreensivo.

    Se continuar o vai embora ministerial, logo logo chega minha vez prá substituir alguém e eu detesto o ar seco de Brasilia.

  2. A Politica aqui nas araucarias é tão ruim que não tem nenhuma indicação, nem de perto, que beleza a politica parananenseili

  3. Ué, cade que os que entendiam de política, os informados de Brasília, que falaram que o mais cotado seria Ricardo Barros?

    kkkkkkkkkkkkkkk

  4. O novo indicado tem curriculo:

    “Contra a sua indicação pesava o fato de respoder a um processo que apura crimes previstos na lei de licitações.”

    Pode virar indiciado … e a fila vai andar.

    Cuidado Parreiras Rodrigues !!!

  5. Quer dizer que mesmo o cara respondendo a um processo é escolhido para ser ministro.Como ele já tem prática em atos ilicitos, deve ter sido o motivo para a nomeação, pois assim fica fácil da presidANTA continuar roubando e se fazendo de santinha.
    Cadeia nessa gangue do pt que tomou conta do Brasil.

  6. sergio silvestre Reply

    Se pisar nos tomates sai cedo tambem.
    Isso sim é governo,ou é limpo ou vasa
    Parreira ministeriável,traga meu pó de viagra pelamordelas

  7. Seu Cleomilson, de Pontal do P Reply

    Enquanto os ministérios funcionarem como capitanias hereditárias, vamos conviver com corruptos, vagabundos de toda sorte e inaptos. Ou se muda a forma de nomeação ou não sai do lugar.

  8. GRANDE MESTRE.... Reply

    tem um ex vereador de Curitiba que irá assumir um alto cargo no Ministério das Cidades….

Comente