Uncategorized

João Arruda pede ao MP para investigar terceirizações no Paraná

“As prefeituras de diversos municípios do Paraná estão sofrendo pressão de empresas privadas, que estariam sendo orientadas por grupos políticos com o consentimento da Copel (Companhia Paranaense de Energia Elétrica), para assumirem a administração das redes de distribuição de energia elétrica.” A denúncia é do deputado federal João Arruda (PMDB-PR), em ofício enviado ao Ministério Público do Paraná (MP-PR).

A transferência da administração das redes às prefeituras está em um dos artigos da resolução 414/2010, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A mudança, inicialmente prevista para outubro do ano passado, foi adiada para 1º de julho de 2013, após a mobilização da Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU), da Câmara Federal e entidades representativas dos municípios e reuniões na Aneel.

O novo prazo, orientado pela Aneel para melhor preparação dos municípios, não está sendo respeitado pela Copel, informou João Arruda ao Procurador de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público, Arion Rolim Pereira. O deputado pede providências do MP-PR, para intervir junto ao governador Carlos Alberto Richa, a Copel e seu presidente, Lindolfo Zimmer.

No documento, João Arruda informa a existência de uma espécie de “indústria da terceirização” no Paraná. A afirmação é com base em relatos de prefeitos que participaram no final de janeiro da reunião da Associação dos Municípios do Paraná (AMP).

“Um sem número de prefeitos relatou à existência de pressão por parte de setores do Governo do Estado e da própria Copel, para que os municípios assumam imediatamente esse encargo e, pior, com a indicação de determinadas empresas de apaniguados seus”, disse o deputado.

Segundo ele, estas “indicações” aos prefeitos deve-se ao fato de que as empresas estariam “aptas a assumir essa manutenção, através de contratos que já nasceriam maculados pela irregularidade, pelo direcionamento e pela contrariedade aos princípios da moralidade e da transparência, que devem nortear a administração pública”, informou João Arruda.

9 Comentários

  1. Boa idéia Arrudinha, o sobrinho. Mas comece pela administração da COHAPAR na sua gestão. E na gestão do titio.

  2. O Arruda não é aquele deputadozinho imbecil, parente do requibosta, e que nunca fez nada pelo Paraná?
    Ele deveria inquirir o tio dele por causa da” moralidade e da transparência, que devem nortear a administração pública”.
    PALHAÇO.

  3. Lester, o Rato Responder

    ele que se preocupe com o tio que foi condenado por uso da tv educativa para promoção pessoal,eo arrudinha tambem foi beneficiado. alias o requiao disse que tera que pedir asino num pais democratico, sugiro a venezuela do amigao xaves , ou que sabe cuba do grande amigo fidel

  4. NAS ESCURAS ! SÃO OS PRINCIPIOS DESSAS MESMAS DENUNCIADAS, FATURAM UM MONTÃO DE GRANA E AINDA TEM RUAS DE GRANDE PUBLICO NOTURNO QUE SE QUEIXA QUE DEPOIS QUE AS EMPRESAS REFOMAREM A ILUMINAÇÃO PUBLICA DIMINUIÚ A EFICIÊNCIA DA ILUMINAÇÃO NAS RUAS. QUE SE TEM A PERCEPÇÃO DE QUE NÃO SE TEM LAMPADAS QUEIMADAS, MAS CONTRA PARTIDA AS PREFEITURAS QUE SE RENDERAM A SE POR EM ECONOMIZAR COM LAMPADAS INIFICENTES PARA RUAS COM POUCO MOVIMENTO NOTURNO CAIU NA BOCA DO MONSTRO AZULEU… ESCREVEU NÃO LEU O PAU COMEU!!ANTES ELES DO QUE EU!!!! DEPOIS FALAM QUE NÃO DA NADA NÃO É SÓ FAZER UM AGAH QUE TA B LESMA!!! SE FERROU!!!

  5. Vigilante do Portão Responder

    Quais projetos o NOBRE Deputado apresentou?

    Como votou o nosso representante?

    Quanto de verba ele carreou para nosso Estado?

  6. Boa deputado. Tem que dar uma acalmada na sanha faturista desta gente. As prefeituras dos pequenos municípios ficarão quebradas com mais esta dívida. Parabéns!

Comente