Uncategorized

Quem deu dinheiro para diretor do BB foi um grande frigorífico

O dinheiro que alimentou depósitos de quase R$ 1 milhão na conta do ex-vice-presidente do Banco do Brasil Allan Toledo em 2011 tem como origem o grupo Marfrig, controlador de um dos maiores frigoríficos do país e cliente do banco, informa reportagem de Andreza Matais, José Ernesto Credendio e Natuza Ner, publicada na Folha deste sábado (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Toledo foi demitido no fim do ano passado, em meio a uma crise na cúpula do Banco do Brasil. Os depósitos em sua conta estão sendo examinados por uma investigação interna do BB e pela Polícia Federal, como a Folha revelou na terça-feira (28).


A investigação só teve início depois da demissão de Toledo pela instituição e teve como origem relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), do Ministério da Fazenda, sobre a movimentação bancária de Toledo no ano passado.

Antes de chegar à conta do ex-diretor do banco, o dinheiro passou pelas contas de um empresário que tem negócios com o dono da Marfrig e uma aposentada que teria vendido uma casa.

O frigorífico Marfrig confirma ter realizado transferências ao empresário, mas nega ter participado de triangulação para fazer esses recursos chegarem a Toledo.

9 Comentários

  1. Vigilante do Portão Responder

    Basta ver os APORTES de recursos que o governos Lula e Dilma fizeram no Frigorífico.

    São BILHÕES.

    A quabra do sigilo dos envolvidos, pode gerar MUUUIITAS surpresas.

    O laranja deve ter sido usado para outros pagamentos.

  2. Vigilante do Portão, deste jeito você acaba defendendo a Dilma e o Lula, além de deixar larápios livres. O melhor, diante destas coisas é não ideologizar o crime, mas investigar, seja qual for o governante. Se houver truta, puna-se.

  3. ricardo crovador Responder

    Vigilante do Portão, deste jeito você acaba defendendo a Dilma e o Lula, além de deixar larápios livres. O melhor, diante destas coisas é não ideologizar o crime, mas investigar, seja qual for o governante. Se houver truta, puna-se.

  4. O Marfrig não é do filho da.., quero dizer, filho do lula?
    Hmmm, juntando dois mais dois………………..

  5. Mirian Waleska Responder

    Qual deles é o mais burro.
    -Lula?
    -Dilma?
    – A Marfrig?
    – ou Allan Toledo?

    Propina nesse valor, feito em deposito bancário???

    kkkkkk
    Depois loira é que é burra. Mais uma tiradinha de sarro da cara do brasileiro trabalhador

  6. Cajucy Cajuman Responder

    Pois é. Mas esse mesmo frigorífico não recebeu empréstimos vultuosos, no passado recente e pelas vias do BNDES para comprar outras unidades frigoríficas no país – e se não me engano, no exterior – para se tornar um dos maiores do mundo?

    Será que essa não seria a recíproca verdadeira e em verdinhas?

  7. Vigilante do Portão Responder

    Anónimo,

    Estamos falando DESSE CASO.

    O MARFRIF, durante o governo Lula e agora no da DILMA, recebeu MILHÕES em financiamentos subsidiados.

    “Coincidentemente” aparece o depósito na conta de um PETISTA, diretor do Banco, feito pelo Frigorífico.

    Leia sobre o assunto na Folha e na Veja de Hoje.

    Não estou POLITIZANDO nada,

    É a notícia dos jornais, Apenas isso.

  8. As notícias de hoje (05-03), trazem nota do citado Frigorífico, desmentindo qualquer pagamento ao cidadão. Quem fez o pagamento foi o sócio de uma outra empresa do qual o frigorífico é sócio, que possui também empresa de investimentos imobiliários.
    Pelo que consta esse sócio comprou um imóvel de uma Sra., cujo ex-diretor é herdeiro.
    Realmente não é fácil de fazer juízo de valor em cima de notícias de jornal. PRIMEIRO PUBLICAM DEPOIS VÃO VER SE É VERDADE. Até lá nome das pessoas foi pro beleléu.
    E não é um vice diretor od BB que libera financiamentos sózinho. Existe um corpo técnico composto por gente séria e que precisa ser respeitado nos seus pareceres.

  9. Pelo visto é vantagem termos Petistas governando, com dolo ou sem dolo temos transparência.

Comente