Uncategorized

Acusados de matar menina no ritual em Quatro Barras são absolvidos


De acordo com a defesa, houve falhas na investigação policial e não havia provas para condenar o trio

de Fernanda Leitóles da Gazeta do Povo

Os três réus acusados de matar a menina Giovanna dos Reis Costa, em 2006, foram absolvidos na madrugada desta quinta-feira (15). A criança foi morta em Quatro Barras, na região metropolitana de Curitiba, em um suposto ritual de magia negra. Giovanna tinha 9 anos.

O vendedor autônomo Pero Petrovitch Theodoro Vich e a mãe dele, a cigana Vera Petrovich (conhecida como cartomante Diva), e também o vendedor Renato Michel foram absolvidos. O julgamento teve início na segunda-feira (13) e terminou pouco depois da meia-noite de quarta.

De acordo com o advogado Claudio Dalledone Junior, que defendeu os acusados, houve falhas na investigação policial e não havia provas para condenar Vera, Vich e Michel. “A defesa fez um trabalho de convencimento do promotor e dos jurados. Demonstramos que não havia provas consistentes contra os três”, afirmou Dalledone Junior. Segundo ele, a promotoria se convenceu da inocência dos réus e também chegou a pedir a absolvição. Os acusados ficaram presos por seis anos aguardando o julgamento.


A defesa sustentou que a morte de Giovanna ocorreu de forma semelhante ao assassinato de Rachel Genofre. “Temos um pedófilo solto, um assassino em série. Acreditamos que a mesma pessoa matou Giovanna e Rachel”, afirmou Dalledone. O corpo de Rachel foi encontrado, em 5 de novembro de 2008, dentro de uma mala abandonada na Rodoferroviária de Curitiba. Ela estava desparecida há três dias.

Giovanna foi encontrada morta em um matagal, em 12 de abril de 2006, após dois dias desaparecida. A menina estava sem roupas, amarrada pelas mãos e dentro de um saco de lixo.

7 Comentários

  1. Cajucy Cajuman Responder

    Agora precisa acionar o Estado em busca de indenização. Afinal, seis anos é muito tempo perdido. Alguém tem que pagar pelo erro ou pela irresponsabilidade.

  2. parabéns dalledone.não só por ter tirado os inocentes da cadeia mais pelas sua entrevista.tem muitos delegados incompetente e maldoso e dinheirista. que apenas manda para cadeia pessoas inocente para falar para sociedade que está trabalhando. essa delegada tem que ir para cadeia.não só ela com muitos delegados e promotores .abra o olho seu governador e secretario de segurança e delegado geral.vcs são nossa esperança,que esse estado pode acabar com esses corruptos de distintivo e poder de policia.as laranja podres tem que ser descartada.e dar mais valor em delegados que trabalha.aqui vou dar alguns exemplo com dr rubens reccalcatti ,clóvis galvão e muito mais deles que merecem respeito por partes de vcs.

  3. A verdade foi dita, porém a injustiça dos anos em que passaram na cadeia, isso ngm irar tirar.

    Por mim, a “Dra” Margareth, “delegada” do caso, deveria ter que indenizar os ciganos, por todas as mentiras, falsas acusações, falsas provas e deiversos erros grotescos que cometeu durante a “investigação”.

    Alias, essa mesma Margareth é acusada de participar de uma quadrilha de orubo de cargas. E ai, SESP, como proceder? Como explicar uma pessoa dessa em seus quadros?

    Quem viu o testemunho dela no Tribunal sabe o quão desqualificada essa pretensa delegada é, eu fico imaginando quantos estão na cadeia por culpa dessa senhora.

    Como disse o amigo acima, parabéns ao competente Dalledone.

  4. Dalledone é exemplo de dignidade e competência na advocacia do Paraná. Orgulho!

  5. OUTRA DELEGADA CORRUPTA QUE SAIU PRESA E SEU MARIDO…FOI NO ALTO MARACANA..SOUBE QUE ELA ESTA COMO DELEGADA NUMA BOA. QUANTO A DELEGADA AI EM RIBA ….NAO E O ESTADO QUE DEVE INDENIZAR …MAS DELEGADA… PARABENS DALLEDONE.

  6. Claudio Dalledone Júnior Responder

    A maior vítima de tudo isso é a sociedade, temos um predador a solta.

    A sociedade tem que cobrar a atuação temerária desta delegada.

    Injustiça contra um consiste em ameaça contra todos.

Comente