Uncategorized

Opus Dei dirige campanha de Rick Santorum

Sean Gardner/REUTERS

Pré-candidato republicano diz que Deus o chamou para concorrer à Presidência dos Estados Unidos. Para ele, sua missão é erradicar ‘o desolador panorama da devastação moral’ que vive o País

247 com agências internacionais – O movimento católico Opus Dei tornou-se um dos eixos da campanha do pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos Rick Santorum.

Santorum passou de uma postura mais liberal em sua juventude a praticar o catolicismo de maneira fervorosa após conhecer sua esposa, Karen Garvey.

Depois da morte do quarto filho do casal, Gabriel, duas horas após o nascimento, em 1996, Santorum conheceu um sacerdote do Opus Dei, John McCloskey, e “começou a expressar sua fé publicamente”.


Então senador pela Pensilvânia, começou um grupo de oração na Câmara Alta. Em 2002, viajou a Roma com McCloskey com o objetivo de participar de uma conferência para celebrar a canonização do fundador do Opus Dei, Josemaría Escrivá de Balaguer.
Nos debates legislativos sobre o aborto, disse Santorum na audiência em Roma, ele escutava Escrivá dizendo que “não é verdade que haja um conflito entre ser um bom católico e servir fielmente à sociedade civil”.

Esse discurso foi o primeiro apoio público de Santorum ao Opus Dei, que conta com cerca de 3 mil membros nos Estados Unidos.
O senador, pai de sete filhos, matriculou dois deles em uma escola do Opus Dei. E quando está em sua casa nos arredores de Washington, frequenta a Igreja de Santa Catarina de Siena na localidade de Great Falls, na Virgínia, uma das poucas na diocese que faz a cada mês uma reunião espiritual do Opus Dei.

Durante um de seus discursos nas primárias republicanas, Santorum disse que a frase que mais escuta de seus eleitores é “rezo por você”. Sua esposa, Karen, disse que o marido acredita que “Deus o chamou” para concorrer à Presidência dos Estados Unidos.
Mas o lado religioso de Santorum não tem o impulsionado nessa corrida. A maioria dose eleitores católicos disseram ter votado no candidato Mitt Romney, que é mórmon, e não em Santorum. De acordo com uma pesquisa Gallup, 40% dos católicos americanos são a favor do aborto, 54% de relacionamentos homossexuais, 63% de pesquisas com células-tronco, 67% do sexo antes do casamento e 71% do divórcio.

Estes números mostram, para Santorum, o desolador panorama da devastação moral que vive os EUA. A missão da Opus em Washington, com a ajuda de guias espirituais como o padre C.John McCloskey, visa erradicar este declínio. (Com informações da Efe e do El País)

7 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    Eu acho muito interessante como a imprensa tupiniquim imagina poder influenciar as eleições americanas, como se os eleitores dos EUA ligassem a Tv via satélite para ver o jornal nacional. Quando há notícias pró-Obama ou anti-republicanas os apresentadores fazem caras e bocas achando que isso vai ter relevo nas eleições do tio Sam. É a alegria do jeca pescando no rio de jereré.

  2. Espero que não venham com radicalismos e extremismos querendo impor sobre o povo os pensamentos de um grupo. Nosso Deus não força ninguém a fazer a Sua vontade, isto se chama “livre arbítrio”, por isso esse negócio de “erradicar” o declínio moral, me soa meio perigoso….sou conservador, mas não vejo que o caminho seja o radicalismo e a imposição, pois para que haja mudança deve haver entendimento, compreensão, justiça social, e, acima de tudo, “liberdade”.

  3. Valéria Prochmann Responder

    HELP!!! E ainda há quem pense não haver diferença entre os candidatos do Partido Democrata e do Partido Republicano! Já pensou se o mundo cair novamente nas mãos dessas mentes obscurantistas?!

Comente