Uncategorized

Salário de rabino não inclui o ‘por fora’, diz TST

Demitido pelo Centro Israelita do Paraná após cinco anos de serviços prestados, o presumido rabino Sami Goldstein, que não fez o curso, recorreu à Justiça trabalhista. Pediu que o cálculo de sua rescisão levasse em conta o salário oficial e também o que recebia “por fora”.

Na carteira, o rabino recebia R$ 2 mil. Fixada em dólar e convertida em reais na data do pagamento mensal, a cifra paralela elevava a remuneração para R$ 11,5 mil. Na 2ª Vara do Trabalho de Curitiba, a reivindicação do rabino foi negada.

Josias de Souza anota que “considerou-se que o “por fora” decorria de doações dos fiéis, não de salário. Chamado a opinar, o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, sediado na capital paranaense, também refugou a reclamação do rabino.

Anotou-se no acórdão que a remuneração paralela do reclamante correspondia à prestação de serviços religiosos. Coisa motivada pela fé, inspirada na caridade e desvinculada das pretensões financeiras do rabino.

Inconformado, o servo da fé levou o caso a Brasília. Ali, a 5a turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a decisão das instâncias inferiores. Alegou-se que, para atender ao rabino, seria necessário rever as provas do processo. Algo que, nesse estágio, a jurisprudência não autoriza.

Ficou estabelecido que o serviço religioso é o lucro produzido pela fé depois de descontados todos os pecados e a caridade devida.”

13 Comentários

  1. Injustiça. Independente da origem do pagamento ser da boa fé dos fiéis, fazia parte da renda do rabino , isto é , ele tinha um padrão de vida melhor do que com o parco salário e isto deveria ser considerado pelos tribunais.O caso não foi apreciado em Brasília devido provávelmente ao advogado que ele contratou, quis que o TSE apreciasse fatos não constantes na inicial da RT e por isso, foi denegado prosseguimento.
    Para ilustrar-se , vide os julgamentos que consideram que gorjetas , como as dadas aos garçons, fazem parte da renda e consequentemente, do salário desta classe de trabalhadores.

  2. Se eram os fiéis que pagavam o “por fora”, cabe a eles arcarem com as verbas recisórias desse “por fora”. É o justo.
    Não sei o porquê de estarmos nos metendo nesse assunto, mas trouxeram a notícia e não podemos perder o hábito de comentar o publicado.

  3. Quaquer trabalhador vai ganhar sua rescição pela carteira de trabalho, o por for não vale. Não adianta chiar. Agora o ex-rabino não está mal da pernas, não, virou um especulador do mercado financeiro,é conhecido nas redes socias por “Turkinho Investidor”. Sami é de origem turca. Shalom! Chag Sameach à comunidade!

  4. sergio silvestre Responder

    Essa turma é bem esquisita.
    Teve o caso do rabino surrupiador de gravatas,agora este escrooquer,e vai por ai.
    Quem sabe inventam outra abertura no mar vermelho,ou des
    cobrem mais um calculo de juro composto.
    Turminha so pensa em fabricar armas ,venenos ea usura.

  5. O mérito não é a religião, a personalidade e a origem do rabino,o que ele faz para viver, nem como conseguiu manter-se rabino por 5 anos sem curso e ser bem acolhido pelos seu fiéis, haja visto ganhar 1000 grants só em gorja e hoje ser o “turkinho investidor”.

    O mérito é o direito da pessoa diante dos tribunais,as complexas relações do trabalho no Brasil e como bem disse o Krokodillo:
    advogado ruim dá resultado igual.

  6. Sr Sergio Silvestre
    Essa turminha esquisita também produz ciência,literatura etc,a maioria das vacinas que seus filhos tomaram foram descobertas por esse povinho e na hora de procurar um médico ou advogado,sempre os da turminha são a preferência.
    Dá uma checada na lista dos prêmios Nobel pra ver se encontra alguém da turminha e pra voltar ao assunto do rabino,esse cara é um salafrário, independente de seu credo,foi a primeira vez na comunidade brasileira ou talvez mundial que seu líder espiritual põe a congregação no pau

  7. temos que separar religiao de dinheiro muitas pessoas uzam a

    religiao como sustento.

    acho que o rabino Sami devia estudar mais a religiao do que se preocupar em uzar a religiao como sustento

  8. Engraçado é o fulano em pleno 2015 ainda se intitular como Rabino: conseguiu encontrar uma cidade rica (Paulínia) com uma família de políticos tão gananciosos como ele, para converter toda a sua “fé” em cifrão! Acho que esse cara sofre de algum desvio ou distúrbio mental: parece ter múltiplas facetas e personalidades… mas, de uma coisa eu tenho certeza, ele é bem e$perto!!!

  9. Raimundo Lonato Responder

    Esse cara é tão esperto, que em poucos meses estabelecido em Paulínia, conseguiu as benesses do poder.

Comente