Uncategorized

Delta levou 25% do valor dos contratos do DNIT no Paraná

Da Gazeta do Povo:

Centro das denúncias de corrupção que deve m ser apuradas pela Comissão Parlamentar Mis­­ta de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, a empreiteira Delta conseguiu cerca de 25% do valor de todos os contratos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) no Paraná em 2011. A empresa ganhou cinco contratos com a superintendência paranaense do órgão, num total de R$ 130 milhões. Em todo o ano passado, o Dnit licitou R$ 487 milhões no estado.

Neste ano, a empreiteira ganhou mais dois contratos com o Dnit no Paraná. Desta vez, os valores são menores: somados, eles representam R$ 9,1 milhões em obras de manutenção. Segundo os órgãos de fiscalização, não há qualquer suspeita de irregularidade referente aos contratos do Denit no Paraná com a Delta, nem no que diz respeito à licitação, nem no que tange à execução.

Empreiteira construiu um dos trechos da Linha Verde

A empreiteira Delta Construções tem um histórico de atuação no Paraná. Uma das obras mais conhecidas que a empresa fez no estado foi a Linha Verde, que transformou o trecho urbano da antiga BR-116 dentro de Curitiba em uma avenida. Na concorrência de 2006, a empresa ofereceu o preço mais baixo para os dois primeiros lotes da obra.

No entanto, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – que financiava a obra – considerou que a empresa não tinha condições de tocar os dois lotes ao mesmo tempo. Por isso, metade da obra foi repassada para a empresa Camargo Corrêa, que apresentou o segundo menor preço na concorrência.

Segundo a prefeitura de Curitiba, a licitação foi feita dentro da lei e não houve qualquer irregularidade no contrato. A Delta recebeu R$ 53 milhões pelo serviço, entregue com seis meses de atraso.

DER

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do governo do Paraná também fez contratos com a Delta.

Entre 2005 e 2008, a empreteira recebeu um total de R$ 4,6 milhões por obras de conservação de estradas na região de Maringá. Segundo o DER, não foi detectada qualquer irregularidade no processo.
Richa diz ser intolerante com bicheiros e nega encontro

Governador afirma que nunca foi procurado por emissários de Carlinhos Cachoeira em um ano e meio de governo

Leia matéria completa.
Requião teve encontro, mas garante ter sido “ríspido”

As circunstâncias de um encontro entre o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e o senador Roberto Requião (PMDB) ampliaram ontem a discussão entre grupos políticos sobre a influência do grupo do contraventor no Paraná

Leia a matéria completa.

O Dnit, que é o órgão do Ministério dos Transportes encarregado das obras em rodovias federais, afirma que todos os contratos da Delta foram ganhos por meio de licitação e dentro das regras impostas pela lei. A assessoria de imprensa diz que, até o momento, também não foram encontrados quaisquer indícios de irregularidades nas obras.

A Delta apareceu em meio às investigações sobre a atuação do empresário do ramo dos jogos de azar Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, como possível parte de um esquema de corrupção. Investigações da Polícia Federal mostraram que a Delta teria repassado R$ 39 milhões entre 2010 e 2011 a duas empresas de fachada que seriam controladas por Cachoeira.

Relatórios da PF e do Ministério Público também indicam relações da Delta com o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), que responde a um processo no Conselho de Ética no Senado por envolvimento suspeito com Cachoeira.

“Sócio oculto”

Demóstenes teria usado o cargo para negociar um contrato de R$ 8 milhões para a prefeitura de Anápolis (GO), em favor da empreiteira. Com base nisso, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, chegou a dizer que o senador seria “sócio oculto” da Delta.

A situação da Delta se complicou ainda mais depois da divulgação nesta semana de declarações do dono da empreiteira, o empresário Fernando Cavendish. Na gravação, feita em dezembro de 2009, Cavendish fala sobre como a oferta de propinas facilitaria a obtenção de contratos com o poder público.

Após a divulgação da gravação, o empresário afirmou que tudo foi um mal-entendido e negou que alguma vez tenha oferecido proprina para conseguir contratos com obras públicas. Na entrevista que concedeu ao jornal Folha de S. Paulo, Cavendish ainda negou que tenha sócios ocultos na empresa.

Comente