Uncategorized

Advogada de Dilma na ditadura vai integrar Comissão da Verdade

Da Folha:

A advogada Rosa Maria Cardoso da Cunha, que foi advogada da presidente Dilma Rousseff durante a ditadura militar (1964-85), será integrante da Comissão da Verdade. “Recebi agora o comunicado da presidente”, disse ela há pouco à Folha.

Rosa também atuou na defesa de Carlos Franklin Paixão de Araújo, ex-marido de Dilma que também foi preso político.

A presidente deve anunciar nesta noite os nomes dos sete membros da Comissão da Verdade, aprovada em novembro e que deve sair do papel nas próximas semanas. O objetivo da comissão será apurar as violações aos direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988 (que abrange o período do Estado Novo, ditadura do governo de Getúlio Vargas, até a publicação da Constituição Federal).

Dilma deve indicar membros de Comissão da Verdade entre hoje e amanhã
Ex-agente que admite crimes na ditadura tem longa ficha policial

Além de Dilma, Rosa Maria Cardoso da Cunha atuou na defesa de outros presos políticos na ditadura. Ela tem 65 anos e é dona de um escritório de advocacia no Rio de Janeiro.

Processo que a ditadura abriu contra Dilma e seus colegas da VAR-Palmares, que ficou trancado em cofre no STM (Superior Tribunal Militar) e só liberado depois de três meses de disputa judicial travada pela Folha, em 2010, mostra a atuação da advogada em defesa da hoje presidente.

Rosa Cardoso, inclusive, chegou a ser perseguida pela defesa que fez dos presos políticos. “Éramos vigiados e as petições eram feitas sempre com muita reserva. Sabíamos que os processos eram copiados para os órgãos de segurança”, afirmou ela à Folha em janeiro de 2011.

Uma das petições de Rosa, entre as mais de 3.000 páginas do processo contra a hoje presidente, revela um pedido para que ela voltasse a ter tratamento dentário, que havia sido interrompido pelos militares na prisão. Rosa também pedia exames médicos, como tratamento ginecológico.

Outro indicado para integrar a Comissão da Verdade deve ser o professor Paulo Sérgio Pinheiro, atual presidente da Comissão Internacional Independente de Investigação da ONU para a Síria.

Pinheiro tem uma longa experiência com a justiça internacional. Já atuou na Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA, investigou crimes em países da África e foi ministro dos Direitos Humanos durante parte do governo Fernando Henrique Cardoso. Foi ainda colaborador do ex-presidente Lula, no início dos anos 90, quando o petista criou o chamado “governo paralelo”, que investigou as irregularidades no governo Fernando Collor.

6 Comentários

  1. COMEÇOU ERRADO…..COMISSÃO DA VERDADE deve ter pessoas imparciais e sem nenhuma ligação com qualquer um dos lados, senão virão comissão de exceção. TODOS NOS BRASILEIROS queremos saber o que aconteceu com os ditos cujos “””LUTADORES PELO PODER…OPS DEMOCRACIA”…mas simplesmente a verdade e não a opinião de certas pessoas.

  2. CAÇADOR DE PETISTAS Responder

    advogada que há época dos fatos defebdeu Dilma no caso do assalto a bancos e sequestro,
    Que vergonha, bãndido defendendo bândido.
    MALEDETDS COMUNISTAS.

  3. Esqueceram do Thomas Bastos, e do picareta Greenhald!
    Essa relação tem a cara do petê, e as fuças do Fidel, que em última análise foi quem perdeu a guerra! Esse troço vai dar merda!

Comente