Uncategorized

Rua de Curitiba é dividida em quatro faixas estreitas e atrapalha motoristas

Para ultrapassar ônibus que ocupa quase duas faixas, carro precisa invadir pista contrária

Do UOL, em Curitiba:

A nova sinalização no asfalto da rua Jacarezinho, uma das principais das Mercês, bairro da zona oeste de Curitiba, desagradou aos motoristas e acabou tema de discussão na internet. A via, de cerca de dez metros de largura, foi dividida em quatro faixas de rolamento, duas em cada sentido.

O problema é que os vários ônibus que utilizam a rua diariamente são mais largos que as faixas, o que leva motoristas a terem de esperar atrás dos ônibus até que deixem a via ou a realizarem ultrapassagens proibidas, como flagrou a reportagem doUOL na última quinta-feira (26).

“Cada uma das quatro faixas têm 2,30 metros de largura, de acordo com a largura dos automóveis de passeio, que são a maioria do tráfego na rua”, disse o secretário municipal de Trânsito de Curitiba, Marcelo Araújo.

“Com mais faixas, há mais fluidez para os carros, que são a maioria do tráfego. O objetivo foi dar prioridade à maioria. Outra opção seria fazer uma pista só, mas aí sobraria espaço”, afirmou Araújo. Pelo trecho de pouco menos de um quilômetro circulam linhas de ônibus, como a Inter 2, uma das de maior tráfego da cidade.

“Quando há ônibus, os carros seguem atrás, mas quando não há, usam as duas pistas, o que aumenta a fluidez do tráfego”, disse Araújo. “O Código Brasileiro de Trânsito não estabelece dimensão máxima ou mínima para as faixas de rolamento. Se na cidade circulassem apenas motocicletas, poderíamos dimensionar as faixas de acordo com o tamanho delas”, diz.

Especialista em planejamento urbano, o engenheiro civil Valter Fanini considera a decisão uma “medida extrema”. “A largura nunca deveria ser menor que 3,20 metros, que é o mínimo exigido em rodovias, principalmente quando há dois sentidos de tráfego, caso da rua Jacarezinho. Com isso, aumenta-se o risco de acidentes”, diz ele.

“Me parece uma tentativa de aumentar a capacidade da via, o que pode até ser positivo. Mas, nesse aspecto, deve se considerar que nenhuma das mudanças em andamento no sistema viário de Curitiba é capaz de fazer frente à quantidade de automóveis que entram em circulação todos os dias”, afirmou Fanini.

Operação Asfalto Novo

A nova pavimentação da rua Jacarezinho faz parte da operação Asfalto Novo, lançada no início do ano pela prefeitura. A proposta é asfaltar 950 ruas da cidade, num total de 597 quilômetros.

25 Comentários

  1. Pois é, uma das soluções seria diminuir em 60 cm as calçadas existentes, que são bem largas por sinal. Isto em nada interferiria na mobilidade dos pedestres, e aumentaria a largura das ruas. Existem muitas ruas em que a solução poderia ser aplicada, mas como o provincianismo impera nessa cidade,…

  2. Curitiba nas mãos de Richa e Ducci virou uma cidade comum, o que não faz a politicagem.

  3. ”””””””ENGENHARIA DE TRÂNSITO NÃO EXISTE”””””””””
    ””””””””””’VOLTA J.L.””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””

  4. Veridiane Costa Responder

    Na Padre Agostinho, na Capitão Souza Franco e várias outras a mesma coisa.
    Só aqui que se vê um absurdo desses. Em NENHUM outro lugar.
    Bons tempos em que havia pessoas capazes na prefeitura.

  5. Horrivel estas marcaçoes nas vias.
    Principalmente na Rua Padre Agostinho tem havido muitas Raspadas entre os automoveis. Ficou estreita demais.
    tania

  6. Em Curitiba, são varias as ruas e cruzamentols perigosos, mas a prefeitura não da a minima.

  7. depois não aceitam dizer que o IPPUC está em crise, também com essa gestão tacanha!

  8. É a cara do “Juntos”. Um reflexo da miopia deste governo. “Mais , melhor e com menos” . Mais enganação, melhor para o bolso deles, menos para o povo.

  9. É então olhem a marechal floriano sentido bairro Boqueirão, acho que contrataram o engenheiro Manuel e o mestre de obras Joaquim!

  10. Isso é coisa de urbanista…afff!!! VOLTA RAFAEL…VOLTA!!! Curitiba precisa de quem conhece sua alma

  11. Luiz Fernando Pereira Responder

    Um dos problemas é a falta de critério da Prefeitura na sinalização horizontal das vias. A Brigadeiro Franco, também com cerca de dez metros de largura (ao menos na região central), e com fluxo até mais intenso que a Jacarezinho, foi sinalizada com apenas três faixas. A Ubaldino do Amaral, em média um metro mais estreita que a Brig. Franco, foi sinalizada com quatro faixas, e por lá também passam muitas linhas de ônibus…
    O pior disso tudo é que todas estas ruas estão no momento passando por reformas, e por isso deveria ter sido aproveitada a oportunidade para um planejamento melhor. Por essas e por outras, parece que o pessoal responsável pelo trânsito em Curitiba realmente não anda de carro.

  12. Sou morador da Rua Jacarezinho e tenho a maior dificuldade de sair com o carro da garagem da minha casa, pois o fluxo de veículos é enorme, principlamente nos horários de pico. Outro problema é com esquina entre a Rua Jacarezinho e a Rua Fernando simas, ali acontece muito acidente. Eu acho que a solução seria fazer mão única.

  13. fiscalde realeza Responder

    E A MARECHAL FLORIANO PEIXOTO TAMBEM FIZERO BESTERAS COM A CICLOVIAS

    ESSA É NESSEÇARIA MAS TERIAM QUE TER TIRADOS UM DOS CANTEROS QUE DIVIDE A CANALETA COM AS PISTAS
    AGORA FICOU ESTREITAS E OS CICLISTAS CORRENDO PERIGO COM VEICULOS QUE INVADEM A CICLOVIA PARA PODER PASSAR DOIS CARROS
    PREFEITURA E SETRAN FAZENDO BESTERA UMA A TRAS DA OUTRA

  14. Não entendi a reclamação….a Jacarezinho, sempre teve 4 faixas, antes duas podiam estacionar, e as duas centrais passavam os veiculos, inclusive ônibus…agora não pode estacionar em determinados horários, o que foi ótimo por trânsito….qual é o problema?????

  15. Vigilante do Portão Responder

    São várias ruas com pistas estreitas.

    Não cabe um carro e um coletivo.

    Aliás,

    ONTEM, 24.05.

    às 15:02, uma CARRETA, daquelas com 6 rodados, desfilava pela Cândido de Abreu.

    Passou por 3 (treis) agentes da SETRAN,

    NUNHUM DELES tomou qualquer atitude.
    Nada de tirar o bloquinho, de dar um apito, nada.

    Fiquei 5 minutos em uma das ruas do Centro Cívico, enquanto mininha esposa entyregava um documento.

    Pronto,

    Lá estava o Agente do Estar.

  16. claudio aurelio Responder

    É notória a ineficácia do Centro de Controle de Tráfego de Curitiba. Não há medição de fluxo de veículos nas vias de maior trânsito, e se há, não é utilizado (ou MUITO mal utilizado).

    Exemplo disso é o cruzamento da João Negrão com a Marechal Floriano. Sinaleiro aberto para a Marechal com pouco fluxo e engarrafamento monstruoso na João Negrão às 18:00.

    Linha Verde, nem se fala. Uma vergonha. Não existe controle de tráfego, não é possível.

    O que será que acontece? Falta de técnicos competentes? Falta de interesse na Administração pública para investimento?

    Agora essa da Jacarezinho! Tem que dar um prêmio pro Marcelo Araújo!!!

  17. tamanha ingerencia por parte da engenharia de transito desta gestão! não só a Jacarezinho, mas tbm a Pe Agostinho ao ter 4 pistas fica complido tendo em vista a passagem das linhas Pinhais/C.Comprido e Inter2. Fora os onibus de pref. de outras cidades que por ali transitam todos os dias em horario de pico!

  18. Na Toaldo Túlio é a mesma coisa…

    Na prefeitura de CWB só tem incompetentes…

  19. Fizeram a mesma coisa com a AV. Marechal Floriano Peixoto, para dar espaço a veículos comuns, ônibus e bicicletas, dividiram a avenida e acabaram piorando o que ja era ruim….

    A solução seria proibir a circulação de veículos comuns e abrir apenas para ônibus e bicicletas, apesar de não se ver ciclista algum circulando pela via. Outra besteira é que a via destinada as bicicletas, ora está à direita, ora está à esquerda, ou seja, o ciclista precisa ficar cruzando de um lado para o outro, em frente aos veículos. Por que não deixaram a via de ciclista somente à direita da via….VA ENTENDER ESSES ENGENHEIROS DE TRÁFEGO DA PREFEITURA !!!!!!!! Acabaram com a velha e conhecida Marechal Floriano !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  20. Maria rodrigues Responder

    E vocês por acaso já circularam pela Rua Comendador Lustoza de Andrade, no Bom Retiro. Agora com a inauguração da Concessionária da Citroen, pode ser que a Prefeitura nos dê atenção e crédito.Venham ver o que é o caos no trânsito

  21. Pista com 2,30 mts de largura é suficiente para carros com 1.60 mts. Lógico, tem aqueles babacas que gostam de andar em cima das faixas pra não perderem o caminho. Por favor gente, não há necessidade de voce ter um mundo de espaço pra dirigir seu carro (só em Ctba).

  22. Caio Bezerra de Almeida Machad Responder

    Isso foi feito na Ubaldino do amaral e também na Pe. Agostinho. Para essa medida ser adotada, seria preciso proibir as “caminhonetes” – ou “SUVs” – esses tanques de guerra que assolam as cidades, dirigidos por pessoas cuja autoestima depende do tamanho e do preço do carro. Elas tomam espaço muito maior, inclusive quando estacionadas, sem falar nas calçadas destruídas. Outra consequência nefasta foi relativa aos motociclistas, que se metem entre os carros e nessas faixas estreitas ficam espremidos, com alto risco de acidentes.

  23. O princípio básico da Física diz que dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo. As lojas de automóveis jogam centenas de automóveis diariamente no trânsito.
    As ruas são as mesmas dos tempos em que por ali passavam carroças, galiotas, aranhas, cavalos com seus cavaleiros, e vez ou outra, um Ford bigode ou uma Chevrolet sapão, ou até uma chiquetosa Marta Rocha também Chevrolet.
    Via de regra, não há como aumentar a largura da rua.
    O recurso lógico, é espremer a frota que por ela transita, até onde der. Os mais “navalhas” logo se acostumam e deixam o retrovisor do vizinho no lugar.
    Outro recurso é fazer um “minhocão” em cada rua.
    Malluf fez um em S.Paulo na década de 70, e está sendo criticado até hoje, mas o bagulho tá lá, duplicando a capacidade da Amaral Gurgel, e parte da S.João e Gal. Olimpio da Silveira!
    Ninguém teve a coragem de botar abaixo o “monumento à incompetência”, ou a “aberração arquitetônica” como diziam à época! – O abestalhado Kassab já falou em derrubá-lo, mas pasmem, EM 2025.
    A rigor, já teriam que ter feito, o minhocão do minhocão!
    Isso é viver na cidade grande!
    Eu sonho em morrer com o borzeguim sujo de bosta de vaca; enquanto não posso, sigo arrancando retrovisores pelas outroras largas e espaçosas ruas da então, Cidade Sorriso.

Comente