Uncategorized

Cesta básica fica 2,39% mais cara para quem reside em Curitiba

O pão, a carne e o açúcar foram os alimentos que menos pesaram na conta do trabalhador de Curitiba (Foto: Divulgação/ Prefeitura de Curitiba)

Segundo o Dieese, o tomate, a banana e o arroz puxaram a alta em maio. Foram pesquisados 13 itens considerados essenciais. O pão, a carne e o açúcar foram os alimentos que menos pesaram na conta do trabalhador de Curitiba.

Do G1 PR, por Bibiana Dionísio:

No mês de maio, aquele que reside em Curitiba gastou 2,39% a mais com alimentação básica do que em abril deste ano. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira (4) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese) o trabalhar gastou R$ 765,96 para comprar os alimentos considerados essenciais para a sobrevivência humana.

Entre os 13 alimentos pesquisados, o tomate foi o que apresentou a maior variação. O preço ficou 27,17% mais alto. Em seguida apareceu a banana, com reajuste de 7,72%, e o arroz que ficou 7,23% mais caro.

No outro lado da lista, os alimentos que ficaram mais baratos foram o açúcar, com redução de 3,83%, a carne, que ficou 1,64% mais barata, e o pão cujo preço nas padarias e supermercados apresentou queda de 0,34%.

Diante destes reajustes, conforme o Dieese, o trabalhador da capital paranaense gastou no último mês R$ 8,51 por dia para se alimentar.

Isso significa que para que o cidadão pudesse suprir as necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social – previstas na Constituição Federal – o salário mínimo deveria ser de R$ 2.383,28.

O Dieese avalia mensalmente o preço do tomate, banana, arroz, manteiga, óleo de soja, lei, batata, feijão, café, farinha de trigo, pão, carne (três tipos) e açúcar em 17 capitais brasileiras. Neste último levantamento, verificou que em 15 delas houve aumento no custo da alimentação. A maior alta foi registrada em Recife, 7,12%. E a menor, em Florianópolis, onde houve redução de 1,01%. Nacionalmente, os vilões dos trabalhadores foram o óleo de soja e da banana. Os produtos ficaram mais caros em 16 dos 17 locais.

(Foto: Divulgação/ Prefeitura de Curitiba)

1 Comentário

  1. A cesta básica ficou mais cara na maioria das cidades pesquisadas pelo Dieese em maio. De acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada nesta segunda-feira, houve alta de preço em 15 das 17 capitais, o destaque para o avanço de 7,12% no Recife

Comente