Uncategorized

Eleições: campanhas foram marcadas por doações ocultas

De Paulo Celso Pereira, O Globo:

BRASÍLIA — Para proteger a identidade de doadores, as eleições deste ano foram marcadas pelo intensivo uso das chamadas doações ocultas. Em várias das principais campanhas do país, a grande maioria dos recursos foi destinada aos candidatos por meio de uma triangulação que impede que os doadores sejam identificados. De maneira geral, as empresas preferiram enviar o dinheiro para as direções nacionais ou estaduais das legendas e essas encaminharam o dinheiro para os candidatos.

Na eleição de Belo Horizonte, por exemplo, o prefeito reeleito Márcio Lacerda arrecadou dessa forma R$ 12,1 milhões, dos R$ 21,6 milhões com que fechou sua conta. Seu adversário, Patrus Ananias, foi ainda mais radical. Dos R$ 17,4 milhões que conseguiu em doações, R$ 16,4 milhões foram conseguidos em doações ocultas. O formato se tornou o preferido pelas empresas para evitar sua associação com os candidatos. O temor é que, se eventuais casos de corrupção surgirem no governo do candidato, o nome da empresa acabe sendo associado ao crime.

Enquanto Patrus conseguiu sair da eleição de Belo Horizonte com crédito de cerca de R$ 300 mil, Lacerda ficou com uma grande dívida. O candidato, que é um empresário de sucesso, colocou durante a campanha R$ 4 milhões do próprio bolso para pagar as contas. Ainda assim, como gastou R$ 28,2 milhões, encerrou a disputa com uma dívida de R$ 6,6 milhões. Todos os dados constam das declarações dos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ontem começou a divulgar os dados dos candidatos eleitos ou derrotados no primeiro turno.

Entre as dez maiores cidades do país, a eleição terminou no primeiro turno no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Mas os gastos nas duas últimas foram bem menores do que os do Rio e BH. O prefeito eleito de Recife, Geraldo Júlio, do PSB, declarou ter gasto R$ 6,9 milhões e arrecadou R$ 7,2 milhões, metade deles de forma oculta. Seus dois principais adversários, Daniel Coelho (PSDB) e Humberto Costa (PT), declararam cada um ter arrecadado e gasto na campanha menos da metade do prefeito eleito. O tucano, que ficou em segundo lugar, disse ter arrecadado e gasto cerca de R$ 2,8 milhões, enquanto o petista informou ter fechado ambas as contas em cerca de R$ 2,95 milhões.

O prefeito reeleito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT) viveu uma situação sui generis. De acordo com a declaração divulgada pelo TSE, o prefeito arrecadou R$ 6,25 milhões, mas gastou apenas R$ 2,01 milhões em sua campanha — o que teria gerado uma sobra de R$ 4,2 milhões. É o oposto do ocorrido com sua principal adversária na disputal, a deputada Manuela D’Ávila (PCdoB), que declarou ter arrecadado R$ 3,92 milhões e gasto R$ 4,53 milhões. Para fechar as contas, ainda faltam cerca de R$ 615 mil. O petista Adão Villaverde, terceiro colocado na disputa está em uma situação mais delicada. Segundo sua declaração, teria arrecadado R$ 2,5 milhões, mas gasto R$ 3,92 milhões. Para fechar as contas precisará de R$ 1,42 milhão.

2 Comentários

  1. Uuuauauauauauau …

    Os corruptos e corruptores terão sempre a seu favor os mil e um desvios da sem-vergonhice pública e privada.

    República de Papel – não vai ser apurado nem condenado nessuno da cosa nostra da politicagem nacional.

  2. Depois querem o financiamento de campanha com dinheiro do povo. Além de tirar do povo, vai ganhar das empreiteiras e empresas que tem interesses particulares. Acorda Brasil…

Comente