Uncategorized

Ney briga para incluir
o teste do olhinho nas maternidades

Até o que parece o óbvio ululante não é fácil de fazer na política. Depois de aprovar a lei do Teste do Coraçãozinho que detecta mais de 70% dos casos de cardiopatia congênita em recém nascidos, o deputado Ney Leprevost agora está lutando pela aprovação de uma lei incluindo o “Teste do Olhinho” nas maternidades e hospitais do Paraná.

“O Teste do Olhinho serve para o diagnóstico precoce do Retinoblastoma. É uma triagem simples e barata que estamos lutando para incluir através de projeto na Lei 8.627/87”, informa Ney, que é líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania.

O “Teste do Olhinho” consiste, basicamente, em lançar sobre o olho da criança um feixe de luz e em verificar a cor do reflexo que volta do olhinho. O reflexo normal esperado pelo examinador é de coloração vermelha ou, até, alaranjada. O Retinoblastoma e algumas outras doenças farão que o reflexo observado no Teste seja próximo do branco.

O “Teste do Olhinho” pode detectar qualquer alteração que cause obstrução no eixo visual, como catarata, glaucoma congênito e outros problemas – cuja identificação precoce pode possibilitar o tratamento no tempo certo e o desenvolvimento normal da visão.

Desde junho de 2010, o pagamento do “Teste do Olhinho” por todos os planos de saúde é obrigatório, segundo decidiu a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Antes disso, em muitos estados e cidades, o exame foi instituído por lei e é realizado nas maternidades públicas e também particulares até a alta do recém-nascido. O objetivo da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) é que todas as crianças tenham este direito garantido!

A recomendação é que o Teste do Olhinho seja feito pelo pediatra logo que o bebê nasce.
O Retinoblastoma é um tumor maligno de células embrionárias localizadas na retina, a região do olho humano sensível à luz, que pode não se restringir ao olho, pois tem a capacidade de se espalhar, chegando a regiões do cérebro e aos ossos, onde prejudicará outros sentidos, a percepção da criança sobre o que se passa à sua volta e até o seu sistema locomotor.

Na maioria dos casos, a ocorrência do Retinoblastoma é isolada, pois a família não relata essa doença em parentes, próximos ou distantes. Muitas vezes a família só percebe que a criança tem dificuldades visuais quando o tumor já está em um estado avançado, tornando menores as chances de cura.

7 Comentários

  1. Valcimara Santos Responder

    O Neyzinho sempre preocupado com a saúde das nossas crianças. Nele eu voto e confio sempre, sei que faz e sempre continuará fazendo pela saúde da nossa gente.Valcimara – voluntária.

  2. Parabéns ao deputado Ney Leprevost por mais um excelente projeto em prol da saúde das nossas crianças.

  3. Gosto do trabalho deste moço. São poucos os que se interessam por projetos de saúde e inclusão social.

  4. Acredito que os bons projetos na saúde e nos esportes são as marcas deste deputado Leprevost. Minha querida mãe até hoje usa a linha de ônibus Inter Hospitais.

  5. Este tinha que ser o secretário da saúde do Paraná.
    Será que o senhor Richa não enxerga isto ?

  6. Devo fazer uma pequena correção nesta informação: na verdade este excelente projeto do deputado Leprevost insere o diagnóstico do Retinoblastoma no Teste do Olhinho , já utilizado no Paraná para detecção de catarata desde que foi aprovada uma lei do então deputado Jocelito Canto.

  7. Adorei sua iniciativa, mas acho que a saude deveria cobrar dos hospitais mais rigor das leis aprovadas no nosso estado e o caso da lei do coracaozinho e do protetor de estestocopio meu pai esta internado e se quer utilizao este protetor.

Comente