Uncategorized

Força Sindical anuncia rompimento com o governo federal

Do Valor Online:

No comando da segunda maior central sindical do país, o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT-SP), anunciou nesta sexta-feira o rompimento com o governo federal.

Para o comando da central, a administração da presidente Dilma Rousseff tem sido “intransigente” e “insensível” na negociação com os trabalhadores.

A postura crítica ao governo federal é um protesto ao adiamento da votação do fim do fator previdenciário na Câmara, para março de 2013, em negociação articulada pelo governo federal.

Paulinho criticou a presidente por não atender os sindicalistas nem contemplar as reivindicações trabalhistas. “Dilma não deixou a Câmara votar [o fim do fator previdenciário] neste ano. Não tem ouvido os trabalhadores nas mudanças que fez em vários setores, como o elétrico, de portos e aeroportos. Ouve só os patrões. Não nos recebe. Nossa postura será de crítica total ao governo”, reforçou Paulinho.

“Nossa lua de mel acabou. Durou dois anos, mas acabou. Chega de Dilma”, afirmou Paulinho, depois de reunir-se com a Executiva Nacional da central.

A central sindical planeja um grande ato de protesto ao governo federal para fevereiro. “A partir de agora vamos adotar a postura da presidente: ela não fala conosco e não falaremos com ela. Vamos às ruas para denunciar os problemas do governo”, disse Paulinho.

O dirigente sindical reclamou da falta de diálogo com o governo. “Quem nos recebe é o quinto escalão do governo. Quando era o Lula, falávamos com ele sempre que precisávamos. Agora, quem nos recebe é a segurança”, disse.

Em nota, a Executiva Nacional da central formalizou a crítica à administração federal.

“Lamentamos a falta de diálogo e interlocução por parte do Palácio do Planalto que tem se curvado para alguns setores financeiros e virado as costas e até em alguns momentos usado as Forças Armadas contra atos da classe trabalhadora”, registrou a Força Sindical, em referência à repressão policial a alguns trabalhadores que pressionavam por mudanças no fator previdenciário, em Brasília.

A Executiva da central reuniu-se nesta sexta-feira em São Paulo.

Entre as reivindicações da central estão medidas como a redução da jornada de trabalho sem redução salarial, valorização das aposentadorias, aumento para o servidor público, isenção de Imposto de Renda na Participação nos Lucros e Resultados.

7 Comentários

  1. sergio silvestre Responder

    Esse ai e um portentoso angariador de votos.Apanhou até da francine em SÃO PAULO.
    O BRASIL tem sindicatos demais que dão boa vida a estes vegetativos que gravitam em torno dos sindicatos.

  2. É evidente estão vendo que ” a vaca já foi para o brejo” (antigo ditado, porém, perfeito para a situação atual) . São pelegos e querem descobrir onde vão amarrar seus “burros”, já que está difícil encontar uma nova “sombra”…

  3. Traduzindo tudo isso que ele disse: não deu acerto, só isso, por isso tamo caindo fora!!!

  4. Vigilante do Portão Responder

    E O PDT?

    Lembrando,

    FRUET, eleito recentemente,

    É DO PDT.

    Osmar Dias (aquele que não deu as caras), é Dirigente do Banco do Brasil e lider do PDT.

  5. E o partido dele vai continuar dando apoio à companheira? De bravatas como esta já estamos cansados. Kiko

  6. Esse Paulinho é um tremendo oportunista. Não conseguiu conquistar o seu espaço com o governo federal e agora quer manobrar a massa contra o direitista governo de Dilma. Levou dois anos de lua de mel, daí acabou a mamata e gospe no tacho. Demorou para assumir que o PT é o governos das elites, e que aos trabalhadores as migalhas. A PF tem que investigar essas centrais manipuladoras.

Comente