Uncategorized

Bancada do Paraná deve recorrer para evitar perda de um deputado

Do G1 PR:

O líder da bancada paranaense na Câmara dos Deputados, Osmar Serraglio (PMDB), afirmou nesta quarta-feira (10) que irá recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que diminuiu o número de deputados do estado no Congresso. Pela decisão a bancada paranaense que hoje conta com 30 integrantes passaria a ter 29.

O TSE decidiu nesta terça-feira (9), por cinco votos a dois, alterar a quantidade de deputados federais de 13 estados para as eleições de 2014. O novo cálculo foi feito com base nos dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A representatividade de hoje tem como base o Censo de 1998. Além do Paraná, perderão uma cadeira Alagoas, Espírito Santo, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Paraíba e Piauí perderão dois deputados. Por outro lado, ganham uma cadeira Amazonas e Santa Catarina. Já Ceará e Minas Gerais ganham duas e Pará, quatro.

Ao G1, Serraglio afirmou que perder um representante não é tão impactante para o estado. “Claro que não significa perder nada, mas prejuízo também não. O ideal, evidentemente, não é perder. Mas também não podemos ir ao desespero”, disse o deputado.

O anuncio não surpreendeu a bancada paranaense. “Eu já tinha avisado que estávamos próximo disso, que iria haver uma decisão”, comentou o peemedebista. Serraglio participou de audiências sobre o assunto com a presença da ministra Cármem Lúcia, presidente do TSE, e também esteve na sessão administrativa de terça-feira. “Pelo enfoque que foi dado, abriu possibilidades para uma boa discussão”, disse. O deputado ressaltou que é uma decisão administrativa e que os ministros Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia consideram inconstitucional a nova divisão. Para eles, não compete ao TSE decidir sobre a mudança, mas sim ao Congresso.

A medida também atinge o legislativo estadual que igualitariamente perde uma vaga. Por isso, Serraglio procurou o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Valdir Rossoni (PSDB), ainda na segunda-feira (8), para discutir possíveis ações. Serraglio acredita que a Alep tenha legitimidade para ajuizar uma ação contra a decisão, contudo, também avalia que a Procuradoria-Geral do Estado do Paraná possa intervir.

“Não é qualquer cidadão que pode entrar no Supremo com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade)”, lembrou. De acordo com Serraglio, algumas bancadas se uniram para apresentar recurso à decisão. A paranaense, por sua vez, ficou de fora. O deputado afirmou que os advogados cobraram R$ 60 mil para isso.

8 Comentários

  1. Para não perder uma vaga de Deputado a Bancada toda se reune, para discutir ações de Interesse do Estado e da Nação… é vada um por si, depois que se diz que deputados são todos integrantes de Cartel… ainda reclamam

  2. Roberto Schmidt Responder

    Caro Fábio Campana, o local para deixar essa mensagem foge completamente do assunto que deveria escrever.
    O motivo dessa mensagem é para pedir sua ajuda para tentar desvendar os segredos que tomam conta do Ministério das Comunicações. É inaceitável termos um ministério que leva o nome comunicações e não funcionar.Nós que temos veículo de comunicação não conseguimos entrar no site para verificar andamento de processos e outras coisas mais. A gente liga no Ministério e além de não ser bem atendido ainda não consegue sequer receber informações seja ela qual for. É profundamente lamentável que o Brasil tenha um Ministério das Comunicações que não funcione. O que estou escrevendo aqui não é balela e muito menos querendo atingir o ministro que comanda esse ministério, o Sr. Paulo Bernardo. Esse ministério é uma vergonha para esse nosso País. Antes o Paulo Bernardo tinha um chefe de gabinete denominado Leones, que hoje é chefe de gabinete de Gleisi Hoffmann. Já ouviu falar da famosa troca de seis por meia dúzia??? Hoje, quem está no lugar do Leones é a senhora Alessandra Cardoso(pessoa de confiança de Paulo Bernardo).Essa, por sua vez, também não resolve nada. Não me levem a mal tanto Paulo Bernardo como a ministra Gleisi Hoffmann , mas os dois são uma vergonha para o nosso Estado do Paraná que sempre teve excelente representantes nos ministérios. Fiz questão de colocar o nome de Gleisi Hoffmann porque na Casa Civil é outro local que não se resolve nada. Nas comunicações tinha leones que foi Casa Civil e agora tem essa Alessandra que também não faz nada. Além do Leones na Casa Civil tem uma jornalistasinha chamada Dayne Hirt que além de tratar mal os colegas de imprensa é arrogante e prepotente. Meu DEUS , como pode o nosso povo do Paraná tão inteligente e trabalhador ter votado nesse povo para representá-lo??? O que estou relatando é fato. Caso queira conferir é só tentar acessar alguma informações de processos junto ao ministério das comunicações. Tente falar com essa Dayane na Casa Civil. Se você conseguir caro Campana tirarei o chapéu para você. Afinal, você é um grande jornalista e que muito nos orgulha como paranaense. Ah, eles alegam no Ministério das Comunicações que teve um incêndio no prédio e que o sistema foi prejudicado. Ok, tudo bem. Mas, e antes de ocorrer esse incêndio porque as coisas sempre foram difíceis lá?? Por favor, caro Fabio Campana divulgue isso e veja se o ministério das comunicações faz jus ao nome. Ver se Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann tomam vergonha na cara. O POVO DO PARANÁ PRECISA SABER DISSO.
    Grato pela gentileza.
    Roberto Schmidt – Ponta Grossa – Par

  3. Por que não acabar com TODOS deputados. Aceitamos todos os modos de extinção dessa classe de vagabundos.

Comente