Uncategorized

Richa sinaliza nova
ajuda para a Urbs

Beto Richa declarou nesta quarta-feira, durante as comemorações pelo Dia Mundial do Trabalho, que analisa novas medidas para ajudar a prefeitura de Curitiba a manter a rede integrada de transporte com a região metropolitana. A declaração veio um dia após a URBS informar que não arcará mais com sua parte na integração do transporte.

O governador não poupou críticas à posição da URBS. “Tem muitos trabalhadores que moram em municípios vizinhos e trabalham em Curitiba, geram riquezas aqui, geram tributos para a nossa capital. E seria uma insanidade, calculo eu, a desintegração desse sistema. Até porque, vários prefeitos já passaram por Curitiba e todos suportaram essa integração. Eu não posso imaginar que seja pra valer uma notificação como essa”, afirmou.

Richa cobrou da prefeitura, mas também não deixou barato para o governo federal. Renovou o desafio que vem fazendo a Dilma para que ela colabore com isenção de impostos federais. “Estamos estudando algumas outras possibilidades de contribuição para garantir que o sistema de transporte de Curitiba continue sendo modelo. O governo federal também poderia ajudar desonerando. Afinal quem usa o transporte público são os mais pobres, são estudantes, desempregados, donas de casa”, afirmou.

9 Comentários

  1. Se a governança pública fosse ópera e não obras já teríamos um refrão:

    La donna è mobil’.
    Qual piuma al vento,
    muta d’accento e di pensier!

    Assim, entre outras pautas, o pedágio “baixa ou acaba” não acaba nunca!

  2. Não sei aonde Richa quer chegar com essa leréia, a responsabilidade e a competência pela gestão do transporte público entre municípios da região metropolitana é da COMEC, órgão estadual. Se ele não subsidiar a integração ela deve acabar mesmo, pois Curitiba não teria como justificar aportes financeiros sem previsão legal.

  3. ESTE SIM QUE É O VERDADEIRO GOVERNADOR DO POVO., ‘ NUNCA ANTES NA HISTÓRIA O PARANÁ TEVE UM GOVERNO COM ESTE’………….

  4. NAda mais lógico, afinal ele tirou um subsidio de 64 milhões de Curitiba e região metropolitana e deu um abatimento de impostos no valor de 37 milhões e para todo o estado… essa conta não bate!!!

  5. De olho nas notícias! Reply

    A integração metropolitana existe há muito tempo, bem mais que o tempo de administração de Ducci. Se a URBS – agora – não poderá mais manter essa integração e nem pagar as empresas, como era feito antes, exemplo no tempo do Jaime Lerner, do Rafael Greca, do Cassio Taniguchi??????? Essa choradeira é ridícula!

  6. Vigilante do Portão Reply

    Quatro meses,
    E nada da tal AUDITORIA nas Planilhas.

    Foi promessa do FRUET.

    Aliás,

    Até agora, a Prefeitura não foi suficientemente capaz para fazer um levantamento confiável sobre a “Origem/Destino” dos passageiros.

    Explico:

    Fruet e seus seguidores não querem divulgar o levantamento.

    Insisto,

    METADE da “pseudo diferença”, é responsabilidade do FRUET.

    O Prefeito, jogando com os números, computa como passageiros da RM, TODOS os delocamentos da Região Metropolitana.

    ERRADO!

    A “VINDA” para Curitiba, deve ser computada para a RM.
    A “VOLTA” para a Cidade de origem, é responsabilidade de CURITIBA.

    Os cálculos apresentados pela URBS, são IMPRESTÁVEIS.
    Partem da premissa errada.

  7. De olho nas notícias! Reply

    Onde está a abertura da caixa preta? Onde está a reestruturação da URBS? Até agora, os diretores continuam os mesmos do tempo do Ducci….Falou-se muito na campanha, mas até agora nada mudou. 100 dias já se passaram, cadê as mudanças? Cadê a transparência? Ninguém divulga nada….

  8. Os custos hoje são bem maiores do que no tempo do Lerner e do Taniguchi, a população mais que dobrou, além disso esses dois nao respeitavam as leis e faziam tudo de qualquer jeito, lógico que depois de um tempo tudo estourava, mas eles nao estavam mais lá para responder pelos seus atos. Depois aparecem na maior cara de pau pra falar que no tempo deles dava pra fazer, assim como uns e outros comentaristas do blog.

Comente