Uncategorized

Ano minguante, por Miriam Leitão

economia, Miriam Leitão, PIB, Banco Central

Da Miriam Leitão, O Globo:

As expectativas para a economia brasileira este ano estão piorando. Ontem, a projeção para o PIB de 2013 caiu abaixo de 3%, de acordo com o Boletim Focus, a pesquisa feita pelo Banco Central com cerca de 100 instituições financeiras. Em cinco meses, de janeiro para cá, a estimativa para o crescimento da indústria foi reduzida de 3,5% para 2,5%.

Em janeiro, esperava-se que o saldo comercial de 2013 seria de US$ 15 bilhões. Semana a semana, a projeção foi caindo e ontem estava em US$ 9 bilhões, ou seja, US$ 6 bi ficaram pelo caminho.

Já para a inflação, a expectativa foi piorando. Começou o ano com projeção de 5,47% e ontem estava em 5,8%. Com os números de 2014, também há piora nos indicadores.

Os economistas não têm acertado nas suas projeções e em geral costumam mudar os números com o passar do tempo. Mas este ano as expectativas estão piorando com essa rapidez. O que está acontecendo é que os resultados da economia estão surpreendendo negativamente.

O PIB do primeiro trimestre ficou, pelo dado do Banco Central, em 1,05%. Se todos os trimestres fossem assim, o país teria cerca de 4% de crescimento no ano. Mas nem o BC acredita nisso. A previsão dentro do próprio governo é que o dado do IBGE pode ficar um pouco abaixo do número do Banco Central. O PIB oficial do primeiro trimestre sairá no dia 29 de maio.

Nas revisões que o mercado tem feito, quando o assunto é crescimento, o número vem pior do que se esperava. Já quando o tema é inflação, acontece o contrário, as taxas vêm mais altas do que o projetado e aí é preciso voltar a fazer contas.

Já não se espera que o déficit em conta corrente seja inteiramente financiado por investimento estrangeiro direto (IED). O Boletim Focus aponta US$ 70 bilhões de déficit em 2013, com IED de US$ 60 bi. Se for confirmado, terá aumentado a dependência de entrada de capital especulativo no país.

As projeções para o ano que vem estão começando a piorar também e bem cedo. Os economistas estão ficando menos confiantes na capacidade de reação do país.

Em janeiro, projetava-se que a inflação de 2014 terminaria em 5,5%. Agora, espera-se uma taxa de 5,8%. Para o PIB, já houve uma pequena redução, de 3,6% para 3,5%, e o crescimento da indústria foi de 3,9% para 3,5%. O saldo comercial de 2014 já teve uma revisão forte: foi de US$ 15 bi para US$ 10 bilhões.

São apenas projeções e elas podem mudar ou estarem erradas, mas o BC dá importância a elas, tanto que o órgão é o responsável por essa consulta semanal às instituições.

É um consolo saber que na Argentina as instituições de pesquisas são proibidas de divulgar os números que apuram, e aqui o mercado é consultado sobre o que acha que vai acontecer. Nada bom, no entanto, é ver um ano minguante, como já foi o de 2012.

12 Comentários

  1. Novos empregos em abril: Brasil 196 mil X 165 mil EUA

    Economia nacional criou mais vagas de trabalho no mês passado do que o maior PIB do mundo; mas enquanto nos Estados Unidos do presidente Barack Obama análises saúdam resultado “acima das expectativas”, no Brasil da presidente Dilma Rousseff a ordem na mídia tradicional é ser estraga prazer: “Trata-se do pior resultado para o mês desde 2009”, frisa notícia do site G1; meio eletrônico das Organizações Globo esconde que, nos últimos doze meses, foram criados 1.087.410 postos formais de trabalho, com crescimento de 2,79% em comparação com período anterior; País vai vencendo a crise, mas torcida contra não cede

  2. Vigilante do Portão Responder

    Enquanto isso,
    Na TV.
    Dilma e seus bonecos amestrados anunciam o Paraíso sobre a terra.

    Aliás,
    A Mídia, vez ou outra SOME com algum assunto.

    Por exemplo:

    Como é que ficou a denúncia de superfaturamento na aquisição, por parte da PETROBRAS, da Usina de Passadena?

  3. Sergio tbm acho ela uma chata, mas os dados não são dela, são do BC!!! Ela só transcreve.

  4. Quando começam a dizer que a economia vai mal por causa de torcida de A ou B, é porque realmente estamos no bico do corvo. Quando começam comparar economia americana com brasileira é porque o rabo da porquinha desentortou de vez. Logo, terá gente fazendo novena para a economia deslanchar. Mas os petistas estão virando neoliberais, privatizando tudo. Ainda há esperança. Torço que o Brasil cresça, para que no futuro a única esperança de emprego dos filhos do Brasil, não seja a de virar funcionário público.

  5. A matilha amestrada não sabe nada! Mirian Leitão, antes de qualquer coisa é petista! – Ela apenas fala a verdade, mesmo que essa verdade doa!
    Ao contrário da Mônica Bérgamo, que além de petista é tendenciosa!

  6. Parreiras Rodrigues Responder

    A argumentação dos petistas, resume-se no enunciado por Wal.
    Não é xingando, ô obsceno, que você ganha discussão, é oferecendo argumento válido, de peso. O Mobral já não existe mais. Foi substituido pelo CEBJA. Aproveite….

    Sérgio Silvestre: Não é Miriam Leitão, a urubóloga. É o BC, são as instituições pesquisadas.

    O cara que faz cachorro quente aqui perto de casa, noite dessas dizia que o bicho iria pegar por causa do endividamento da família, estimulada pela facilidade do crédito e pelo consumo. “Conheço amigo na minha rua que já comprometeu seus dois aários e meio, entrou na aposentadoria da mãe e a mulher na do pai dela”.

  7. Nunca vi a Miriam dar uma boa noticia a respeito de economia em nenhum governo.Falava mal no tempo do PSDB como fala agora do PT.Voce quer progredir faça tudo ao contrario do que a Miriam fala.Amigo voce chegara aos pincaros da gloria.Só prega pessimismo nada mais, pessoas assim devem ser ignoradas.

  8. Que mulher mais negativa esta comentarista global, mas seria espantoso se as conclusões dela fossem outras. Ler o tal boletim publicado pelo BC toda segunda-feira, é mesmo deprimente. O tão sonhado Pibão que a companheira pediu ao companheiro ministro da Fazenda para este ano, vai ficar só no pedido. Mas não nos desesperemos, dos 7 anos de vacas magras já estamos quase na metade do terceiro. Então firmes, não desistam, como diz o meu amigo João Batista.

Comente