Uncategorized

E-mails mostram ação de Rose por faculdade

De Vinicius Sassine, O Globo:

BRASÍLIA – Documentos reunidos pela sindicância do Palácio do Planalto revelam detalhes sobre como a ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha atuou para obter no Ministério da Educação (MEC) o reconhecimento do curso de medicina da Univix, grupo de faculdades no Espírito Santo. A protegida de Lula conduziu o processo do início ao fim: recebeu o pedido para acelerar os trâmites no ministério, fez contato com o ocupante de um cargo de chefia e o encaminhou à autora do pedido, a médica Cláudia Cozer, mulher de Roberto Kalil Filho, médico particular de Lula e de Dilma Rousseff. O MEC diz que o curso ainda não foi reconhecido.

A atuação de Rose aparece numa troca de e-mails obtidos pela comissão de sindicância que identificou suposto tráfico de influência praticado pela ex-servidora.

Em fevereiro e em junho de 2012, Cláudia Cozer repassou ao e-mail institucional de Rose o pedido feito por Eliene Gava Ferrão, diretora acadêmica da Univix. A diretora pedia a publicação de portaria com o reconhecimento do curso de Medicina, que tem apenas a autorização de funcionamento, desde 2005. “O processo encontra-se na Secretaria de Educação Superior para análise final”, diz o e-mail da diretora da Univix. Rose, então, acionou Rogério dos Anjos Araújo, que exercia a Assessoria Parlamentar da Educação.

O e-mail ao chefe da Assessoria Parlamentar explica que o processo se encaminha para o fim. “A meu ver está tudo ok. Acredito que depende mesmo é do seu Chefe”, escreveu Rosemary ao servidor do MEC. Um dia depois, em 20 de julho de 2012, a então chefe de gabinete da Presidência deu uma resposta a Cláudia: “Já estou com a resposta da Faculdade do ES. Quando puder liga. Bjokas (sic).”

O curso de Medicina é o mais caro na Univix, que tem 16 graduações: R$ 3,98 mil, por mês. No fim de 2011, uma comissão do MEC visitou a instituição para analisar se determinadas obrigações assumidas com o ministério haviam sido cumpridas. O último ato burocrático para chancelar o curso, o seu reconhecimento, viria em seguida. Ao GLOBO, a diretora acadêmica da Univix confirmou o pedido a Cláudia.

— O reconhecimento do curso foi aprovado, mas não saiu a portaria. Recorri a Cláudia para agilizar a publicação — disse Eliene.

A diretora afirmou não ter feito o pedido a Cláudia em razão do marido ou da proximidade a Rose. Cláudia é endocrinologista de Rose.

Foi ‘ignorância’, diz médica
Cláudia confirmou que repassou o e-mail da diretora da Univix a Rose, o que classifica como um ato de “ignorância”. Roberto Kalil Filho, por sua vez, sustentou não ter “conhecimento nenhum sobre o assunto”.

— Kalil não tem nada a ver com essa história — disse Cláudia.

O servidor que recebeu o pedido de Rosemary no MEC afirmou que a conhecia “apenas de vista” e que a solicitação de reconhecimento do curso de Medicina não foi atendida. Rogério dos Anjos deixou a Assessoria Parlamentar do ministério e assumiu, em março, a assessoria especial da Secretaria de Educação da cidade de São Paulo.

— Não sei a quem ela se refere (quando cita um “chefe” no e-mail). De qualquer forma, a faculdade não cumpria os requisitos e o reconhecimento não foi aprovado — afirmou Anjos.

O MEC informou que “não foi emitida qualquer portaria de reconhecimento”. Procurada, a defesa de Rosemary não foi localizada pela reportagem.

2 Comentários

Comente