Uncategorized

Dilma anuncia R$ 3 bi para municípios, mas é vaiada por prefeitos

Do Estadão:

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quarta-feira, 10, a liberação de R$ 3 bilhões a prefeituras brasileiras, durante a 16ª Marcha em Defesa dos Municípios. Interrompida mais de uma vez durante seu discurso, a presidente terminou sua participação no evento sob gritos de parte dos que esperavam que Dilma falasse sobre o Fundo de Participação dos Municípios.

Antes da fala de Dilma, o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, sinalizou que, entre as expectativa dos gestores com o encontro, estava a de avançar na discussão sobre o fundo de desenvolvimento municipal, nos moldes do Fundo de Participação dos Estados (FPE), que rateia entre os governos estaduais recursos arrecadados com o Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Ao sinalizar que terminaria o discurso sem abordar o assunto, alguns dos presentes começaram a gritar “FPM”. Logo depois dos primeiros gritos, Dilma – que ainda discursava – desabafou: “Vocês, como prefeitos e prefeitas, sabem; e eu, como presidenta, sei, que não tem milagre e que fazer milagre na gestão pública não é verdade. Acho que precisamos fazer um esforço para o que é emergencial.”

Uma parte da plateia tentou conter os gritos dos demais manifestantes, mas o barulho continuou mesmo após a saída de Dilma do evento. O protesto acabou dividindo os prefeitos em dois grupos. A vaia, portanto, não foi generalizada. Não foi a primeira vez que a presidente virou alvo de críticas dos prefeitos. Na marcha do ano passado, eles a vaiaram por causa da questão dos royalties do petróleo. Nessa terça, a ausência de Dilma na abertura oficial do evento também foi recebida com vaias por parte dos participantes.

No discurso desta quarta, Dilma foi aplaudida quando prometeu repassar R$ 3 bilhões para o custeio das prefeituras, sendo R$ 1,5 bilhão em agosto e o restante em abril do próximo ano. “Os R$ 3 bilhões que estou dando aos municípios como ajuda financeira, é justamente para garantir melhor qualidade de serviços públicos”, afirmou.

Ela ainda agradou a plateia quando prometeu mais recursos relacionados ao Programa Mais Médicos, lançado nesta semana. Aos prefeitos, anunciou repasses adicionais no valor de R$ 3 bilhões para custear os profissionais que serão contratados no interior do País e nas periferias de grandes cidades, além de equipes de saúde. A presidente anunciou ainda que cidades com menos de 50 mil habitantes terão acesso ao programa Minha Casa Minha Vida.

“O Brasil não pode ir para frente e avançar mais se não estivermos juntos”, disse a presidente. Ela estava acompanhada dos ministros da Educação, Aloizio Mercadante, da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti; da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; da Previdência, Garibaldi Alves; da Cultura, Marta Suplicy; e da Saúde, Alexandre Padilha.

6 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    A União, desde a edição da Constituição Federal de 88, vem empobrecendo e relegando estados e municípios à miséria, como parte de uma estratégia política de fortalecimento do governo federal, deixando de joelhos a federação. Nem o regime militar, hoje chamado de ditadura, humilhou tanto a federação, quanto os governos ditos democráticos. Hoje, as famigeradas contribuições sociais (que de sociais só tem o título) representam a maior parte da arrecadação federal e não são divididas com os estados e municípios. Somente os impostos federais (IR, IPI, ITR,p.ex.) são repartidos com os entes federados o que é quase nada e estes impostos são repletos de isenções, imunidades, benesses e favores, concedidos pela União, como as recentes desonerações de IPI sobre veículos e a linha branca. Ou seja, a União faz favores com o dinheiro dos outros, não com suas preciosas contribuições sociais. O lulopetismo ainda aprofundou estas diferenças para subjugar governadores e prefeitos, obrigando-os a mendigar recursos, beijando os pés do poder federal fedorento.

  2. Desde que assumiu o Governo a Presidente tem deixado de lado as reivindicações dos Prefeitos e do povo em geral. Ao não se pronunciar sobre o FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS, poderia ao menos “por educação” – se é que a tem – ouví-los, (os PREFEITOS), NUM GESTO DEMOCRÁTICO para posteriormente, como é seu costume, tentar resolver esse impasse. A queda da Bastilha começou assim e o Governo Federal já abalado pelas manifestações populares está na iminência de perder totalmente o controle sobre o Pibinho, inflação e controle das medidas econômicas e outros projetos de interesse da sociedade brasileira. Será que é o fim do fim dos governos Petistas? Reflexão e caldo de galinha não faz mal a ninguém.

  3. Parreiras Rodrigues Responder

    O pirangueiro da Ilha do Mutum no Paranazão, sem rádio nem tevê no barraco e jornal prá quê se nem ler não sei, sabe que não é assim que funciona.
    As prefeituras não conseguem funcionar às custas de ajudas sazonais acenadas de acordo com o humor da presidente. Além disso, qual o critério para o envio do recurso? Uma estrelinha na lapela?
    Deveria ser vaiada mais ainda quando disse “estou dando…” como se os recursos fossem seus.
    Tadinha…

  4. Vigilante do Portão Responder

    Não entendeu o motivo das vaias?

    Tá “LIBERANDO” R$3BI e é vaiada?

    Acontece, que até os prefeitos aliados já sabem:

    A GRANA NÃO EXISTE.

    É MENTIRA!

    Anúncios, anúncios…
    MILHÕES e MILHÕES.

    É só propaganda.

    São R$20Bilhões, no total do pacote anunciado.

    Enganação REQUENTADA.

    Recursos, como dinheiro para construção de Creches e para o Minha Casa Minha Vida, já constavam de outros anúncios

Comente