Uncategorized

Ambiente de pessimismo, por Eliane Cantanhêde

Da Eliane Cantanhêde, Folha de S.Paulo:

BRASÍLIA – Enquanto a presidente Dilma Rousseff insistia no natimorto plebiscito para a reforma política, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, dava entrevista a Fernando Rodrigues, da Folha, defendendo o fim de 14 ministérios.

Parece briga de marido e mulher, mas é disputa entre Poderes e entre partidos aliados, com troca de provocações cada vez mais escancaradas.

Dilma e o ministro Gilberto Carvalho insistem “teimosamente” na estratégia marqueteira de dizer que o governo quer dar voz ao povo, mas o Congresso, esse malvado, não deixa.

Henrique Alves dá o troco. Vocaliza a pressão geral e o pedido formal do PMDB por uma reforma ministerial drástica, em nome da “redução de custos e da austeridade”. A presidente, teimosa, e o governo, esse fraco, é que não têm coragem de fazer.

Convenhamos: nem Dilma está tão desesperada pelo plebiscito nem o nosso PMDB cansado de guerra (e cheio de cargos) parece tão preocupado com a moralidade pública e o corte de ministérios. Ambos apenas dizem o que a população quer ouvir e se esforçam em jogar a culpa um no outro por não dar certo.

O que se vê é Dilma e o Congresso testando forças, num momento de enorme fragilidade mútua e com o PT nitidamente dividido: um PT apoia o governo, o outro PT se alia ao PMDB contra o governo.

Dilma despenca nas pesquisas, fazendo um esforço enorme para mostrar que tudo está ótimo e atribuindo as críticas (à economia e à gestão) a quem quer criar um “ambiente de pessimismo”. Já Henrique deixa claro o grau de compromisso e de lealdade ao Planalto e ao projeto Dilma: entre o governo e o Congresso, ele fica com o Congresso (e com o futuro).

O clima, portanto, é de guerra, mas de uma guerra interna no próprio governo e nos partidos governistas. E quem criou e alimenta o pessimismo não foram e não são os adversários. Foram e são a própria Dilma, o seu governo, a sucessão de erros e sua balofa base (não tão) aliada.

4 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    Quem semeia vento, colhe tempestade, já dizia minha sábia vovó. Este governo vem repetindo mentiras ad nauseam, papagueando feitos homéricos, fim da miséria, crescimento incrível, etc. Ninguém engana todos, o tempo todo. A maré vazou e deixou à mostra o lixo debaixo da água que se foi. Lixo é para onde vai na história, este período nefando da vida brasileira.

  2. PQP pelo amordenossasenhorajesuscristinho alguém por favor manda um desenho para essa senhora, que é a única que até agora não entendeu que o povo não quer plebiscito. Incompetência pura.

  3. O Brasil esta sem governo, os problemas se amontoam e nao sao resolvidos pela presidente poste que Lula colocou e agora ninguém sabe o que fazer para passar logo esse ano e meio de mandado que ainda restam

  4. O velho de guerra que de bobo nunca teve nada, lentamente vai puxando o tapete da companheira presidanta. Ela cheia de razões e sempre atenta a ouvir só o que gosta, se distancia da realidade. Como pesquisa não elege ninguém e a presidanta sabe disto, vai dando tempo ao tempo, crendo no Vendedor de Ilusões para salvá-la do fracasso em 2014, coisa bem possível. A tigrada adora acreditar em conto do vigário, ainda mais contado pelo Vendedor de Ilusões.

Comente