Uncategorized

Jantar do PMDB custou R$ 28,4 mil à Câmara

Do Josias de Souza:

Na noite da última terça-feira, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, abriu as portas da residência oficial que ocupa, às margens do Lago Paranoá, em Brasília, para os deputados da bancada do seu partido, o PMDB. Ofereceu-lhes um jantar. Custou R$ 28,4 mil –ou R$ 355,00 por cabeça. O contribuinte pagou a conta.

A verba saiu das arcas da Câmara. A ONG Contas Abertas obteve a nota de empenho da despesa. Está escrito: “Concessão de suprimento de fundos para atender despesas relativas à contratação de serviços destinados à realização de jantar no dia 16.07.2013, na residência oficial da Câmara dos Deputados, para um público estimado de oitenta pessoas, a pedido do gabinete do presidente.”

A rubrica “suprimentos de fundos” serve para a realização de despesas inesperadas e urgentes. No caso específico, o dinheiro foi repassado a uma servidora. Ela realizou os gastos e prestará contas posteriormente. Chama-se Bernadette Maria França Amaral Soares. Lotada no gabinete do presidente, administra a residência oficial da Câmara. O salário dela é de cerca de E$ 23 mil mensais.

Além dos deputados, estiveram no repasto o vice-presidente Michel Temer e ministros do PMDB. O encontro foi partidário. “Um jantar social de fim de semestre”, na definição do líder da legenda, deputado Eduardo Cunha. O cardápio foi fino –de camarão a queijo brie caramelado, noves fora o champanhe. A pauta foi indigesta: do derretimento de Dilma Rousseff à deterioração da coligação.

A pergunta que fica boiando na atmosfera é: por que diabos o contribuinte brasileiro foi intimado a pagar a conta? Não há propriamente uma ilegalidade no espeto. Porém, se as ruas de junho informaram alguma coisa foi que a sociedade já não engole passivamente tudo o que em Brasília é considerado “normal”. Não é pelos vinte centavos, diria um desses rapazes que saem de casa para protestar defronte do prédio do Congresso. É pelo respeito à liturgia, acrescentaria o manifestante.

A Câmara já custeia a equipagem, a criadagem, a cozinheira e os alimentos que vão à mesa da residência do seu presidente. Difícil acomodar no escaninho das normalidades a contratação de uma empresa para fornecer decoração, mesas, cadeiras e a comida à turma do PMDB. A plateia se pergunta: por que o inquilino e seus convidados não fizeram uma vaquinha?

14 Comentários

  1. ISSO É CARACTERISTICA DOS POLITICOS BRASILEIROS,SÓ VÃO SE EMENDAR QUANDO O POVO INVADIR O CONGRESSO E AQUELES QUE NÃO CONSEGUIREM SAIR SERÃO JUSTIÇADOS PELO POVÃO TÃO OPRIMIDO E SUGADO PELOS DEPUTADOS, SENADORES E TODA A CORJA QUE MAMA NAS TETAS DA NAÇÃO.

  2. Pagamento por suprimento de fundos???
    Suprimentos de fundos é para custear despesas de baixo valor.
    E, 28.000, não é baixo valor para a lei.
    Aliás, e o mérito a contratação? Que trípode interesse publico justifica bancar a matança da fome de correligionários políticos?
    Isso é improbidade administrativa.

  3. Não bastasse os escândalos com a utilização dos aviões da FAB agora isso. É só pressionar um pouquinho que ele vai devolver o dinheiro. Ministério Público a ilegalidade já esta estampada ai no documento, é só tirar cópia, e de ofício determinar a instauração de Inquérito Policial para apurar responsabilidades. Faça por valer a manifestação popular para derrubada da PEC 37. Honrem a confiança que a população colocou em vocês.

  4. Saul de Lima Brenzink Responder

    Dinheiro público. É por essa e outras que o povão está se manifestando. É inadmissível que verbas públicas sirvam para as festas destes políticos. R$ 28.000 num único jantar. Quanto remédio daria para comprar e atender pessoas que necessitam dele. E tantas e tantas coisas que poderiam ser feitas com este dinheiro. Se comprovado o gasto esse cidadão deveria responder por isso.

  5. Adalberto Jardim Responder

    Continuo dizendo e reafirmando: NADA VAI MUDAR NESTE BRASIL! As manifestações estão diminuindo e os políticos com a certeza absoluta de que terão seus atos esquecidos pela população e retornarão ano que vem a ser eleitos. Como diria o nobre Fábio: “tudo continua como dantes no quartel de abrantes” ou melhor “assim caminha a humanidade” e vai continuar.
    NADA VAI MUDAR NESTE PAÍS! NADAAAAAAAA!

  6. Tratam-se daquelas coisas que os deputados dizem ser legais, mas para nós meros mortais são profundamente imoriais.

  7. Parreiras Rodrigues Responder

    Os vidros dos palácios do Olimpo são ‘a prova de som. Impedem que se ouça as vozes das ruas, que, afinal, nem consideradas foram.

  8. Mané do Sudoeste Responder

    Jantarzinho barato esse. Apenas 300 e poucos pilas por pessoa. Será que houve superfaturamento ? Esse cidadão é o mesmo,que disse que fez um empréstimo de 100 mil no BB,e sacou em dinheiro para seu funcionário que foi assaltado. E nem sequer ficou muito nervoso. Enquanto isso nós continuamos trabalhando.

  9. A Sociedade Responde Responder

    Oferecer Bolsa Família para os pobres é o jogo dos vivaldinos. Pobre que recebe benesse do governo – ao invés do governo criar condições dignas para que tais pessoas trabalhem e ganhem o seu próprio sustento –, não incomoda os príncipes da política tupiniquim que fazem o que querem com o dinheiro do contribuinte.

    Enquanto o pobre, com a merreca que ganha do vale bolsa come um feijãozinho com farinha (o Lula dizia que no seu governo dava para o pobre comer filé mignon…), os tais degustaram camarão a queijo brie caramelado – de dar água na boca, e entre abraços e confidências ao pé do ouvido, muito champanhe.
    Sem dúvida, um acinte que dizem ser um jantar social para comemorar o encerramento do semestre legislativo. O que quer dizer que outro acontecerá no final do segundo semestre, emendando com Natal e Ano Novo.

    Essa gente não aprende. Só quer mordomia. Isso sem falar que a casa do presidente da Câmara tem cozinheiros próprios e todo o aparato necessário para fazer este ou qualquer outro jantar requintado.

    Mas – sem tem um, mas – preferiu encomendar o menu em serviço de bufê especializado, repassando o valor de R$ 28 mil e 400 magos para a conta de uma das assessoras do gabinete do presidente da Câmara para que ela efetuasse o pagamento. É legal, isso?

    E, o valor dividido pelos comensais, em torno de oitenta pessoas, ficou em módicos R$ 355,00 cada. Não é nada, não é nada, é uma POUCA VERGONHA!
    Essa gente merece o troco nas urnas…

  10. -Enquanto isso, nós os otários denominados de contribuintes estamos aí, bancando toda esta farra!!!!
    -Parabéns ao rico contribuinte brasileiro, o mais otário do mundo!!!
    -Se fossemos um povo com vergonha cara, estes políticos já teriam sido apeados do governo à pé-do-ouvido!!!!

  11. cesar - eu mesmo Responder

    eTem uns destemperados e desinformados que falam dos petralhas, esquecem os PMDBTRALHAS, PSBTRALHAS, DEMTRALHAS E PSDBTRALHAS E ATÉ UNS OUTROS TRALHAS

Comente