Uncategorized

Após declaração do papa, padre excomungado por defender gays vai à Justiça contra punição

Impulsionado pelas declarações do papa Francisco sobre homossexuais, o padre Beto, excomungado em abril deste ano após declarações de apoio a gays, decidiu recorrer à Justiça para tentar anular sua exclusão da Igreja Católica.

Roberto Francisco Daniel, 48, conhecido como padre Beto, contratou advogados e protocolou na segunda-feira uma medida cautelar contra a Diocese de Bauru (329 km de São Paulo). Questiona a forma como foi expulso da igreja, num tribunal em que, segundo ele, compareceu sem saber do que se tratava e sem direito à defesa.

Ele estudava a possibilidade de ir à Justiça desde a época do excomunhão, mas diz que a postura do papa Francisco o estimulou ainda mais. No final de sua visita ao Brasil, o papa fez a mais ousada declaração de um pontífice sobre o homossexualismo. “Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-la?”, disse.

A ação judicial tramita na 6ª Vara Cível de Bauru. O religioso alega que tratado assinado entre o Vaticano e o governo brasileiro determina que o sistema constitucional e as leis brasileiras sejam seguidos pela igreja. Beto afirma que, além de não ter tido direito de defesa, a decisão foi publicada no mesmo dia em que foi tomada, no site da diocese.
“Fui tratado como um adolescente. Fui exposto publicamente”, diz. “Essa ação judicial é também para que todo brasileiro entenda que nenhuma instituição pode fazer isso com uma pessoa”.
O ex-padre disse que acreditava que seu processo de excomunhão não estivesse encerrado e ainda teria de ser assinado pelo Vaticano. Ao estudar o caso, descobriu que a decisão da Diocese de Bauru é definitiva na igreja. Por isso resolveu tentar revertê-la na Justiça.
“Não movo uma ação contra a Igreja Católica. Existe igreja e igreja. A ação é contra a diocese”, ressalta.
Antes da excomunhão, Beto havia decidido pedir um afastamento temporário de suas funções. Isso aconteceu depois que o bispo de Bauru, Dom Caetano Ferrari, 70, determinou uma retratação por causa de entrevistas em que o religioso falava sobre os homossexuais e questionava o conservadorismo da Igreja Católica.
A Diocese de Bauru ainda não se manifestou sobre a ação judicial. O argumento oficial para a excomunhão foi que Beto “negou categoricamente a cumprir o que prometera em sua ordenação sacerdotal: fidelidade ao Magistério da Igreja e obediência aos seus legítimos pastores”.
Depois da excomunhão, Beto seguiu dando aulas em universidades, concedeu entrevistas para programas de TV e escreveu o livro “Verdades Proibidas – ideias do padre que a igreja não conseguiu calar”, lançado esta semana.

9 Comentários

  1. Esse cara é mais doente do que eu imaginava.
    O Judiciário não tem poder sobre os processos da Igreja Católica.
    “Dai a César o que é de César”.

  2. sergio silvestre Responder

    Todo mundo quer tirar uma casquinha e depois vai para a JUSTIÇIA,para levar algum.
    Estamos carecas de saber que religiões abominam a hossexualidade.
    Então porque não mantem a posição de vez de fazer demagogia.

  3. Vai fundo Padre Beto! A Igreja tem que respeitar as minorias, parabens pela coragem de desafiar o sistema.

  4. Fábio, me responda uma coisa: – É de propósito que todo mundo interpretou de forma equivocada a fala do Papa sobre os gays? É?

    Me parece que todo mundo esta louco, as pessoas estão tão ansiosas para validarem o homossexualismo, que até declarações são interpretadas fora do contexto para darem crédito a essas ideias.

    Voltemos a primário: O Papa disse que a pessoa gay deve ser respeitada e amada. Mas isso até o Feliciano diz…risos..O problema é que o ato homossexual da pessoa, continua sendo pecado. Agora me digam, qual a novidade nisso tudo?

    Desafio uma pessoa me mostrar uma declaração de Papas anteriores, pastores, e ate mesmo do odiado pastor Feliciano dizendo que devemos odiar ou deixar de amar as pessoas gays porque elas são gays.
    [
    Vivemos em um mundo aonde a inteligencia esta escassa, aonde a estupidez e a burrice das pessoas tem se alastrado de forma incrível. Tenho ate medo de nosso futuro.

    Voltarei a esse blogue, em poucas semanas, trazendo as novas falas do Papa (que ele irá fazer nos próximos dias) voltando a condenar o ato homossexual, o casamento gay e tudo que agente já sabe. Mas ele vai continuar a dizer para amar a pessoa.

    As pessoas precisam entender que se deve amar todo mundo, mas isso não significa concordar com a sua forma e atos praticados.

    A imprensa e parte de grupos minoritários, acredita que a igreja agora aceita a união gay, mas quanta estupidez!

    Agora, as demais igrejas do mundo, principalmente as protestantes, iriam adorar que a igreja Católica aceitasse a união gay porque isso seria um tiro de misericórdia da estrutura da igreja, haveria um êxodo jamais visto de fiéis deixando de serem católicos, e indo para as demais igrejas. Já não bastasse o fato dela esta em decadência por tudo de ruim que ocorre nos porões do Vaticano.

  5. Bom, de acordo com a nova orientação, dada pelo Para Chico Argentino, esse ex-padre não só não seria punido, como até seria promovido. Se defendesse o aborto, então, viraria bispo!

  6. Fernando Nunes Responder

    Padre Beto veio com o coração para cumprir um pensamento de Cristo que diz: Eu vim para que todos tenham vida plenamente!!! O suicídio de um ser humano e creio que todos os Padres já viram é uma causa para que o Pe Beto não seja acusado de não cumprir a vontade de Jesus!!! Pe Beto que Deus o abençoe.. Você trás com suas. atitudes vida e evita que o coração de muitas mãe sofram por causa da ausência de seus filhoss que são marginalizados até morrerem por causa de muitos não têm compaixão pelo próximo

Comente