Uncategorized

Médico legista defende necropsia feita em Tayná e diz que exumação depende da justiça

Da Banda B:

O chefe do necrotério do Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, Alexandre Gebran Neto, que foi o responsável pela coleta dos materiais para exames complementares do corpo de Tayná Adriane da Silva, 14 anos, defendeu no final da manhã desta sexta-feira (2) a necropsia realizada no corpo da menina. Ele afirmou que está tranquilo com toda a situação e se há alguém que possa falar sobre o caso são os seus superiores ou quem preside o inquérito. “Eu não tenho nada a declarar, a consciência é de cada um e com a minha eu consigo dormir”, garantiu.

Questionado sobre uma possível exumação no corpo de Tayná, ele disse não depender dele, mas que todos os documentos foram entregues em perfeita ordem. “Agora cabe as autoridades competentes, que vão analisar o que deve ser feito, não depende de mim. A partir do que está ali, eles irão decidir o que vai ser feito”, disse.

Hoje, a Polícia Científica do Paraná divulgou uma nota oficial esclarecendo que o laudo foi elaborado em conjunto com o diretor do IML do Paraná, Porcídio Vilani. A denúncia apontada pelo programa Brasil Urgente, da Rede Bandeirantes de Televisão, na tarde de ontem, dizia que o documento de perícia entregue ao delegado que comanda as investigações teria sido feito por um médico que não estava de plantão e foi chamado exclusivamente para realizar este procedimento. Sobre este caso, Gebran apenas disse que não tem nada a declarar. “Tem alguém que preside o inquérito e eles que devem falar sobre o caso, eu não tenho nada a falar sobre isso”, afirmou.

Durante a entrevista, Gebran chegou a mostrar uma ordem para realizar sete exumações na cidade de Cantagalo, no centro-sul paranaense. Questionado sobre os documentos, ele disse que é um procedimento padrão.

7 Comentários

  1. Dr Gebran é uma referencia. Correto e competente. A perita Jussara causou um tumulto lamentável com sua precipitação e vontade de aparecer. Colocou 4 assassinos na rua, policiais presos, e causou mal estar na cúpula da seguranca publica.

  2. Esse caso Tainá tá muito confuso, além de até agora não conseguirem apurar quem foi ou foram os assassinos dela, Agora um médico que não estava de plantão faz o exame no lugar do médico que estava escalado para fazer os exames no dia em que o corpo da menina foi encontrado? Qual o interesse de um outro médico que não estava escalado fazer o exame no corpo da menima? Isso tem que ser esclarecido. Será que o exame foi bem feito?

  3. A Sociedade Responde Responder

    É muita enrolação. Quanto mais abrem a boca, mais se comprometem pela falta da verdade, da coerência e do respeito aos cidadãos e a própria família de Tayná. É uma vergonha.

    A sociedade precisa tomar conhecimento do que está, realmente, por detrás desse fato que, parece, não tem fim. Doa a quem doer.

  4. Vigilante do Portão Responder

    Leiam a matéria sobre a solução (ou a falta de) crimes, na gazeta de hoje.

    Mostra uma realidade que apenas em 23% dos crimes de homicídio os acusados foram levados ao Tribunal.

    Mesmo incompleta, a matéria é clara:

    A nossa Polícia trabalha com métodos do início do século passado.

    TUDO muito demorado, muito burocrático.

    Falta de funcionários;
    Falta de equipamentos;
    Falta de METODOLOGIA;
    Falta de comando.

    Gostaria que a Gazetona fizesse a comparação com outros Estados.

    Ouvisse o pessoal de campo, como Delegados e investigadores.

    Na verdade, não temos nem um banco de dados NACIONAL de Carteiras de Identidade.

    Os dados sobre crimes e crimonosos não são compilados e arquivados de forma consultável.

  5. A perita Jussara quis aparecer pra mídia, uma vez que ela tentará ser polítia ano que vem(2014). Já tentou pra vereadora em 2012 e tentará pra deputada em 2014. Pra ela, falar inverdades e tumultuar o ambiente foi jogo já que ela apareceu bastante na mídia. Mas a casa dela vai cair e a verdade prevalecerá!

Comente