Uncategorized

O país que bate cabeça

Da coluna de Carlos Brickmann

1. Paulo Nogueira Batista Jr., representante do Brasil no Fundo Monetário Internacional, não apoiou o auxílio do FMI à Grécia.
A posição do governo brasileiro, expressa pelo ministro Guido Mantega, é a favor da concessão do auxílio à Grécia.
Quem manda, quem obedece?
Mantega, que sempre obedece, nesse caso vai mandar?
E Dilma?
Alguém a desobedeceu.
Quem perde o cargo?

2. Manifestantes em São Paulo vão à Prefeitura gritar “Fora, Alckmin” e “Fora, Cabral”.
Poderiam contar-lhes que o prefeito é Haddad e que Alckmin fica do outro lado da cidade.
E que Cabral é governador de outro Estado.

3, Na denúncia de formação de cartel em São Paulo, para superfaturar equipamentos, a Siemens diz que o governo estadual do PSDB a informou de que era melhor haver um acerto prévio entre as empresas, para a concorrência fluir bem.

O secretário de Transportes do Governo Covas (época dos primeiros acertos denunciados), Cláudio de Senna Frederico, diz que não soube do cartel. Mas completou: “Não me lembro de ter acontecido uma licitação, de fato, competitiva”.

Se a licitação não era, de fato, competitiva, por que o secretário a realizou assim mesmo e aceitou o resultado?

Terá informado o seu chefe Mário Covas?

4. Segundo o Cade, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o acerto, iniciado no governo Covas, estendeu-se no mandato do sucessor Alckmin, e pegou o primeiro ano de Serra, todos tucanos, críticos da corrupção.

Muita gente que foi destes governos, até na área da Justiça, continua no poder.

Será ouvida?

É vendaval

A Transpetro, braço da Petrobras para transporte de combustíveis, sofre um processo bilionário (o valor exato só será calculado mais tarde), acusada de usar há anos a tecnologia criada por um empresário brasileiro sem pagar nada por ela.

O empresário é Leo Maniero, presidente da Transpavi-Codrasa; a acusação esbarra em outras empresas e em ocupantes de altos cargos no sistema Petrobras.

A história inteira é contada pelo jornalista Daniel Fraiha em Petronotícias.

A Transpetro não se manifestou.

1 Comentário

  1. Adoro manifestante pago, não sabe nem protestar. Se a bronca é contra o governador, que protestem em frente ao palácio do governo e não em frente da prefeitura. E paulistano protestando contra governador carioca? Só pode ser coisa de louco. Ou de pestista fanático.

Comente