Uncategorized

‘Parece o Rio de Janeiro!’, brinca Papa ao ver jovens durante o Ângelus

Da Agência EFE:

O Papa Francisco lembrou neste domingo (4) a recém-encerrada Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Rio de Janeiro e convidou os jovens a buscarem Jesus para combater o “veneno do vazio que se insinua em nossas sociedades baseadas no proveito e no possuir” que os iludem “com o consumismo”. O Papa fez o apelo na tradicional reza do Ângelus dominical perante os vários fiéis que foram à Praça de São Pedro no Vaticano, desafiando o forte calor deste domingo em Roma.

Francisco se referiu a sua viagem ao Brasil, que terminou na segunda-feira passada, e expressou seu desejo de que os jovens que participaram da JMJ do Rio de Janeiro possam “traduzir essa experiência em seu caminho cotidiano, em seu comportamento diário e que possam traduzí-lo também nas decisões importantes e a vida, respondendo à chamada pessoal do Senhor”.

O papa agradeceu pelo esforço de todos os que atuaram na JMJ e em sua organização e, em um trecho improvisado de seu discurso, disse que não esquece a “calorosa” acolhida que recebeu no Brasil, “um povo generoso”, de “grande coração” e de “boas pessoas”.

O pontífice advertiu que os jovens “são especialmente sensíveis ao vazio de significado e de valores que com frequência os cerca e, infelizmente, pagam as consequências disso”.

“Por outro lado, o encontro com Jesus vivo, em sua grande família que é a Igreja, enche o coração de alegria, porque o enche de verdadeira vida, de um bem profundo, que não passa e não se murcha”, acrescentou.

Francisco insistiu em como o Evangelho deste domingo põe o acento precisamente “na absurdidade de basear a própria felicidade” nas posses materiais.

“A verdadeira riqueza é o amor de Deus partilhado com nossos irmãos”, afirmou.

Após a reza do Ângelus, o papa agradeceu a todos os fiéis que foram ao Vaticano “apesar do calor” e lhes desejou, como de costume, um bom domingo, acrescentando “um bom mês de agosto”.

Ao final, vendo um grande número de jovens na praça, o papa Francisco exclamou: “parece o Rio de Janeiro!”.

1 Comentário

  1. Somente quem desconhece o papel dos jesuítas como educadores pode surpreender-se com o desempenho do papa. Os jesuítas educadores natos, formadores de cidadãos, seus clérigos são movidos pela vocação sacerdotal legítima, preparados e bem formados. Não são simples padres recrutados entre matutos ou revoltados que abraçam a batina (que batina??) por tradição familiar ou necessidade. Francisco deixou claro que sua opção pelos pobres não é uma escolha política e demagógica como da igreja da teologia da libertação, é uma escolha missionária, para educar e integrar os miseráveis à cidadania e à sociedade e não dar esmola e assistencialismo lulopetista.

Comente