Uncategorized

Índios protestam na Câmara por demarcações de terra no Paraná

Audiência pública na Câmara debateu o tema nesta manhã. Gleisi foi convidada, mas não compareceu.

Do G1, em Brasília:

Cerca de 40 índios da região oeste do Paraná participaram, nesta quinta-feira (15), de audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a demarcação de terras indígenas no estado. Os índios não querem que sejam suspensos processos de demarcação na região. Eles temem que estudos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) encomendados pela Casa Civil da Presidência da República possam levar à suspensão de algumas demarcações.

A região oeste do Paraná, onde ficam os municípios de Guaíra e Terra Roxa, é palco de intensas disputas entre fazendeiros e índios. Segundo a Funai, terras que deveriam estar nas mãos dos índios estão ocupadas por fazendeiros. Já os fazendeiros afirmam que são os índios que estão nas áreas deles.

Para resolver o impasse, a Embrapa fez estudos sobre a ocupação na região oeste do Paraná a pedido do governo federal. O documento questiona dados usados pela Funai para justificar demarcações de terras indígenas. De acordo com o relatório, das 15 áreas que estão em disputa, em quatro não há a presença de índios, e em outras dez, a ocupação é recente, a partir de 2007. O relatório também denuncia que índios paraguaios se mudaram para terras no Paraná. Os estudos, em andamento, para demarcação no Paraná contemplam mais de 100 mil hectares.

Participam da audiência conjunta das Comissões de Legislação Participativa (CLP) e do Grupo de Trabalho destinado a debater a questão das Terras Indígenas (GTTERRAS) o professor da Universidade Federal de Grande Dourados, que tem acompanhado a questão das demarcações indígenas no Mato Grosso, Levi Pereira, e o Representante da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Aurivan dos Santos Barros.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, foi convidada e não compareceu, alegando que o assunto está sendo tratado pelo Ministério da Justiça. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a presidente de FUNAI, Maria Augusta Boulitreau Assirati e o presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes também foram convidados mas não compareceram à audiência.

5 Comentários

  1. Saul de Lima Brenzink Responder

    Uma pena que a Ministra não tenha comparecido. Nós sabemos porque. Ela teria que trabalhar e não daria para usar o espaço para fazer campanha. Então ela optou por não comparecer e ir para algum lugar mais tranquilo ao lado dos coleguinhas do PT. O André Vargas não falta uma reunião. Me lembra alguém que falava _ trabalhar, alguém falou em trabalhar, eu vim aqui para fazer campanha não trabalhar. Que dureza.

  2. Tem muita gente infiltrado nesta tribo, tem loira e até afrodescendentes passando por índio. Mandar o MP fazer investigação nesta tribo!

  3. -Índio não quer mais apito…quer iphone 5 s, internê, tablet, banda larga, crack, pinga e outras porcarias para quem se diz indígena….na verdade a cultura indígena no País, se perdeu, quase que totalmente pela pressão da sociedade e do contato com o homem branco…agora não adianta mais proteger, quem está no meio do caminho, não são mais índios(no sentido da palavra) e também não tem todos os direitos e principalmente DEVERES da maioria da população….estão estacionados em um mundo paralelo….verdadeira vergonha nacional…

  4. Tem que ver quem esta infiltrado, se é indio? e quem esta comandando “apoiando”. Índio tem o órgão oficial para cuidar deste assunto relevante.
    MAIS A INVEJA DA MOÇA É GRANDE…KKKKK

Comente