Uncategorized

Comitivas de Lula em viagens durante 1º mandato barravam opositores

Da Folha de S.Paulo:

Abertos à consulta pública pela primeira vez, documentos da Presidência da República revelam como funcionava o filtro usado pelo governo para barrar aliados infiéis ou desafetos nas viagens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro mandato (2003-2006).

Os papéis também mostram o tamanho das comitivas e o costume de autoridades e parentes de pegar carona nos voos presidenciais. Documentos chegaram em março ao Arquivo Nacional de Brasília após pedido da Folha. Preferências de Lula incluíam água e uísque importados, revelam documentoS.

O material evidencia que de 2003 a 2004, o então assessor do ministro José Dirceu na Casa Civil, Waldomiro Diniz, na condição de subchefe de assuntos parlamentares do órgão, era o principal consultado na hora de o cerimonial colocar ou retirar parlamentares da lista de convidados.

Diniz deixou o governo no início de 2004, após a revelação de um vídeo no qual discutia recebimento de dinheiro do empresário de jogo Carlinhos Cachoeira, escândalo que gerou a CPI dos Bingos.


Até então, mostram os papéis, Diniz era ouvido a cada viagem. A resposta quase sempre era a listagem com os nomes dos parlamentares acompanhados de sinais de “s”, de sim, e “n”, de não.

Um dos documentos diz que Diniz orientava diretamente o cerimonial: “Esclareço que atendendo orientação do senhor Waldomiro, o deputado Paulo Rocha informou e orientou os seguintes convidados”, e segue a listagem.

Com a saída de Diniz, o trabalho passou a ser feito por outros servidores da Coordenação Política e Assuntos Institucionais do Planalto.

E-mails de Fredo Ebling Júnior, cujo papel era coordenar as assessorias parlamentares dos ministérios, demonstram a preocupação do governo com a CPI dos Bingos. Nos preparativos para uma viagem de Lula ao Acre, Ebling Júnior informou: “O senador Geraldo Mesquita (PSB) assinou requerimento a favor da CPI no Senado e anunciou que deixaria a base do governo. […] Nossa opinião aqui no ministério é a de que ele não deveria fazer parte da comitiva, mas vale uma consulta ao governador”.

Ao vetar o senador Magno Malta (PL-ES) para viagem a Araras (SP), o assessor comentou que “há constrangimento em função da atitude dele na CPI dos Bingos”. Malta apoiara a comissão. Nove anos depois das viagens, ouvido pela Folha, Fredo Ebling Júnior disse que o objetivo era evitar constrangimentos. “Talvez uma foto do presidente com o Demóstenes [Torres, então senador pelo PFL] pudesse ter sido explorada politicamente.”

Um papel mostra que a senadora Heloisa Helena, então o principal nome do PT em Alagoas, foi vetada em uma viagem de Lula a o Estado em novembro de 2003, onde seria lançada a política nacional de igualdade racial. Dois meses antes, Heloisa havia feito críticas ao governo.

Papéis que discriminam número e atividade de militares sob ordens do Gabinete de Segurança Institucional que acompanharam Lula nas viagens têm tarja de “reservado”.

Algumas viagens empregaram dezenas de servidores públicos, deslocados em aviões separados, um Boeing 707 e outro 737. A viagem que Lula fez ao Japão e à Coreia do Sul, em maio de 2005, mobilizou três aviões e 113 passageiros, sem contar as tripulações.

Em março, a presidente Dilma Rousseff foi criticada por ter levado comitiva que ocupou 52 quartos de hotel em Roma para acompanhar a entronização do novo papa.

Em 2005, quando do velório do papa João Paulo 2º, a comitiva de Lula também foi grande, com 49 pessoas.

Em 2003, por ocasião da 58ª reunião da ONU, a comitiva de Lula ocupou 24 quartos no hotel Marriott Courtyard. Para a China, de 22 a 27 de maio de 2004, a comitiva presidencial contou com 58 pessoas.

OUTRO LADO

Procurado, o ex-presidente não comentou o assunto.

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que “a composição da lista de passageiros depende das circunstâncias e das agendas previstas”.

7 Comentários

  1. Com certeza o coitado do ex. vai dizer que estava sob efeito do uísque importado e não sabe de nada destes boicotes aos parlamentares, mas com certeza a Rosemary foi em algumas destas comitivas. heheheh

  2. Moisés Fróes Responder

    Faltou a mais importante preferência do Lulalllau em suas viagens…a ROSE!!!!

  3. Bem, o José Dirceu pode continuar fazendo a triagem de quem vai
    receber ou não (a marmitex) na cadeia. Este é mais um que já era…

  4. Francisco de Assis Responder

    Demstenes Torres, era o mais ferrenho adversarfio do Governo ou da Honestidade?

  5. Não sei porque não fico surpreso ao ler isso, já que os gastos do Lula em suas viagens já são de conhecimento público e nunca o MP ou OAB ou qualquer outro órgão questionou isso.

    Lula até agora não explicou a razão de levar em suas viagens a tal da Rosemary Noronha, uma vez que ela não fazia parte do seu grupo de assessores.

  6. antonio carlos Responder

    Mas se eu fosse presidente também não daria carona para os adversários políticos, o mandatário não tem obrigação alguma de fazer agrados aos adversários. Respeito é uma coisa, amizade é outra.

Comente