Uncategorized

Copel alia-se aos chineses para disputar usina de Sinop, no Mato Grosso

De Claudia Facchini, Valor:

A Copel vai formar com a gigante chinesa State Grid um consórcio para participar da licitação da hidrelétrica de Sinop, que será leiloada na próxima quinta-feira. Essa não será a primeira vez que a estatal paranaense se alia à estatal chinesa. As duas empresas já disputaram juntas linhas de transmissão. Fontes ouvidas pelo Valor afirmam que a Copel e a Cemig são consideradas as empresas mais interessadas em Sinop, que será construída no rio Teles Pires, no Mato Grosso.

Tanto a estatal paranaense quanto a estatal mineira “têm competência técnica e fome de megawatts”, disse um executivo, referindo-se à necessidade das duas companhias de repor a geração das usinas que serão devolvidas para a União até 2015. A Copel e Cemig não aderiram à proposta do governo federal para a renovação antecipada das concessões do setor elétrico.

O diretor financeiro da Copel, Luiz Eduardo Sebastiani, afirmou ontem que a empresa pretende ter 49% do consórcio que disputará Sinop, enquanto os chineses ficarão com os 51% restantes. No entanto, ainda não está totalmente certo se o consórcio vai apresentar ofertas no leilão. Segundo Sebastiani, a participação de 49% é oportuna, ao permitir à estatal uma maior agilidade na tomada de decisões.

Sinop é a única hidrelétrica de grande porte que foi cadastrada para o leilão de energia que será realizado na semana que vem, quando serão licitados projetos de geração que ficarão prontos em 2018 (A-5). O governo já tentou licitar a usina em dezembro do ano passado, mas não houve interessados. As empresas alegam que os custos ambientais do empreendimento são muito altos.

Leia mais em Copel alia-se aos chineses para disputar usina de Sinop

3 Comentários

  1. Vigilante do Portão Reply

    Vou insistir com as mídias,

    QUANTO o governo já gastou com a “bondade” do desconto no valor da Energia?

    O tal “desconto”, visivelmente eleitoreiro, estaria sendo coberto pelos IMPOSTOS.

    O TONTO recebe a fatura e diz:

    Como a Dilma é boazinha, deu R$15 reais de desconto na fatura da luz”.

    Enquanto isso, a benesse saiu do seu outro bolso.

    Uma espécie de ENGANAÇÃO.

    Pior,

    A quebra dos contratos com as conscessionárias de Energia, acabou por abalar a credibilidade do Brasil.

    Os investidores, c/ medo de futuras atitudes semelhantes, fugiram para outros países

  2. Se não houve interessados …, assim a sobra farão acordo e Usina Ching Ling fica pro povo uns 50 anos, como ficou pedágio, etc … !!

  3. ORLANDO PESSUTI Reply

    Que ótimo saber que a nossa COPEL continua firme na luta para aumentar o seu poder de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Em 2010, quando governador do Estado do Paraná, produzimos, junto com a Assembléia Legislativa, uma Lei que permite a COPEL se associar com outros grupos e disputar a construção de usinas importantes para o país, como é o caso dessa no Rio Teles Pires, na região de Sinop, Mato Grosso. Muitas das boas sementes que lançamos nos 09 (nove) meses que governamos o Paraná continuam germinando e, certamente, darão bons frutos.

Comente