Uncategorized

Brasil tem ‘bala na agulha’ para lidar com turbulência do dólar,
diz Dilma Rousseff

De O Globo:

BELO HORIZONTE – Em entrevista a rádios de Belo Horizonte, a presidente da República Dilma Rousseff creditou a alta do dólar a uma mudança da política monetária dos EUA e garantiu que o Brasil tem reservas suficientes para combater as flutuações da moeda norte-americana. “Temos bala na agulha”, afirmou a presidente, por telefone, na manhã desta quarta-feira. Segundo ela, a alta da moeda norte-americana independe da política monetária do país e é fruto da “globalização financeira”.

– Nossa política é de dólar flexível. Não ficamos defendendo uma posição, deixamos o dólar flutuar. Entramos no mercado para atenuar essas oscilações, para que a flutuação não seja abrupta ou crie pânico. Mas não temos uma meta de dólar – explicou a presidente, que considera a situação fiscal do país como “muito boa”.

“Estamos dentro dos seis países com maior volume de reservas do mundo. É como se tivéssemos um colchão. Temos US$ 372 bilhões de reserva”. disse Dilma nesta manhã a rádios de Belo Horizonte, onde esteve ontem (27). “Temos bala na agulha para encarar esse processo que ocorre internacionalmente, que independe das decisões de política econômica, e é fruto dessa globalização financeira que impera do mundo.”

A presidenta disse que a intensa valorização recente do dólar é consequência da mudança de política do Fed (o Banco Central norte-americano), que colocou trilhões de dólares no mercado e decidiu reduzir a compra de títulos. “Só isso provocou em todo o mundo uma violenta desvalorização cambial porque o título do tesouro americano, que é a aplicação mais segura do mundo, começou a ter aumento de juros. Então as pessoas começaram a apostar.”

Dilma disse que as reservas brasileiras permitem ao Brasil se proteger melhor dos impactos da valorização do dólar e sofrer menos do que outras economias. Segundo ela, o governo atua para evitar grandes variações. “Nossa política é de dólar flexível. Nós não temos um dólar alvo. Entramos no mercado para atenuar essas flutuações, para não deixar que elas sejam abruptas ou criem qualquer processo de pânico.”

Durante a entrevista, a presidenta defendeu a economia brasileira, dizendo que ela mantém o crescimento, com inflação em processo menos agressivo do que esteve recentemente. Ela elogiou também a situação do mercado de trabalho no país, com baixa taxa de desemprego e a situação fiscal sob controle, com dívida líquida em 34,5% do PIB. Além disso, a presidenta ressaltou as concessões que serão feitas até o fim do ano para atrair investimentos privados em setores de infraestrutura, além da exploração de petróleo no Campo de Libra, uma das maiores do mundo. “Tudo isso cria ambiente muito mais positivo para economia brasileira.”

8 Comentários

  1. Parreiras Rodrigues Reply

    Dava então prá melhorar o Ensino, a Saúde, a Segurança, a infraestrutura e enfrentar de vez o contrabando de drogas e armas nas fronteiras?
    Que tá sobrando dinheiro, a gente sabe lendo o impostometro na XV.
    Tá mal gasto, então?

  2. Será que tem bala na agulha para lidar com o aumento dos planos de saúde ?

    Estão reajustando, no mínimo, duas vezes mais que a inflação.

    Pelo jeito da coisa atender doentes dá mais lucros que especular na Bolsa !!!

    Aí, LuluDilma, cadê a bala na agulha?

  3. Prezado Fabio, desejo que encaminhe para a petistA presidentA DILMA a mensagem informando a ela para descer do salto, baixar a bola e enquadrar-se na economia, pois “não é o DOLAR que sobe e sim o REAL que se desvaloriza”, pelas inumeras malfeitorias e desvios provocados pelo seu governo. Como dizia o meu avô, ” dinheiro não aceita desaforos”, e são os abusos pelos desvios e malfeitos praticados pelos petistAs em geral que ele está em processo de desvalorização. Os petistAs socialistAs não fizeram o dever de casa quando era oportuno no período das vacas gordas, agora quem tem ” bala na agulha” é o capitalismo americano que fez o dever de casa e irá acabar com essas economias frágeis sulamericanas. A presidentA DILMA caso tenha algo na agulha é “traque”, serve pra acomodar a sede da petezada. Assim não dá mais. Atenciosamente.

  4. Se Dilma entendesse um tiquinho só de economia, sua lojinha de R$ 1,99 deveria estar funcionando…
    Portanto seu palpite sobre assunto, faz juz ao seu diploma e seus certificados fajutos de pós graduação em Economia, estrategicamente sacados do seu site, logo após estourar a verdade obre o assunto.
    Se mete nisso não, tia Dilma! – Em casa de enforcado, não se fala em corda!

  5. antonio carlos Reply

    E não é que a presidanta está certa, temos sim bastante balas na agulha. Mas é pena que o mercado não entenda assim. Não é com bravatas deste tipo que a companheira presidanta vai acalmar o mercado, e nem deter o derretimento do real frente ao dólar. Este duble de ministro adora teorizar, nunca fala nada com nada, e acredita que todo mundo é idiota. É óbvio que temos ainda algumas centenas de bilhões de dólares, deve ser isto a que a companheira presidanta se refere em reservas cambiais, dá até a eleição. E depois, vamos fazer o quê companheira? Pedir penico lá no FMI? É isto o que você quer?

  6. Parreiras Rodrigues Reply

    A atuação do pessoal da área econômica desse governo ai, me parece um remake dos filmes Os Três Patetas.

  7. Doutor Prolegômeno Reply

    “Bala na agulha”, “marolinha”, dos tempos do lulopetismo; “uma única bala para matar o tigre”, dos tempos colloridos; “fiscais do Sarney”, dos tempos do bigodudo com terno de quatro botões de agente funerário. O Brasil é um país de cordeiros, que vão balindo alegremente do pasto ao matadouro, governado por quadrilheiros e malacos.

  8. SERGIO SILVESTRE Reply

    Quem tem que melhorar tudo isso é o Beto Richa Parreiras,no nosso estado está faltando tudo isso.

Comente