Uncategorized

Policial morto em Campo Largo homenageado hoje

Acontece nesta sexta-feira uma sessão especial que vai comemorar os 160 anos da Polícia Civil do Paraná. Segundo o deputado Ney Leprevost, que propôs a sessão especial, na oportunidade será feira uma homenagem em memória ao Superintendente da Delegacia de Campo Largo, Marcos Antonio Gogola, que morreu recentemente assassinado quando em serviço;.

“Também serão lembrado os demais policiais que perderam a vida em serviço. Temos que reconhecer a importância dessas pessoas que diariamente estão em ação, colocando suas vidas em risco na busca da eficácia do combate ao crime, com o objetivo maior de manter a segurança pública”, enfatizou Leprevost.

Segundo o deputado, no evento que contará também com a presença do
Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, será instalada a Academia de
Letras da Policia Civil do Paraná. Leprevost destacou que a Policia Civil
“está cada vez mais interagindo com a população, procurando mostrar uma
série de serviços que tem a disposição, como o Instituto de Identificação
do Paraná que faz carteiras de identidade, emite certidões, como também o
Núcleo de Repressão aos Crimes contra a Saúde, Núcleo de Proteção à
Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), a Delegacia de
Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) e o Serviço de Investigação de Crianças
Desaparecidas (Sicride).Essas funções são divulgadas junto à população
por intermédio de ações, como o Mutirão da Cidadania que esclarece como
funcionam as coisas e quem as pessoas devem procurar na hora que
precisarem”.

PRÍNCIPE IMPERIAL

A presença do Principe Dom Bertrand de Olerans e Bragança, é explicada
pelos fatos históricos que dão origem à polícia civil. Dom Bertrand Maria
de Orléans e Bragança é o atual príncipe imperial do Brasil , cargo auto
intitulado por si e por sua família mesmo após a implantação da república
.É o terceiro filho varão de D. Pedro Henrique de Orléans e Bragança,
então Chefe da Casa Imperial Brasileira e de D. Maria Isabel da Baviera.

O Rei de Portugal D. José I cria em 1760, o cargo de Intendente Geral de
Polícia da Corte e do Reino, com amplos poderes e ilimitada jurisdição,
estendendo-se, portanto, ao Brasil, com o objetivo de garantir a ordem, a
segurança e a paz públicas. Nas vilas haviam os Delegados e Subdelegados
do Intendente, como seu representante.

Em 22 de novembro de 1871, por Decreto Imperial nº 4824, foi instituído o
inquérito policial. Em 17 de junho de 1911, pelo Decreto nº 262, foi
criada a Guarda Civil do Paraná, órgão civil, incumbido de auxiliar na
manutenção da ordem e segurança públicas, e teve honrosa atuação, sendo
considerada corporação de elite da Polícia Civil.

É publicada em 1918 a obra “O Agente Policial”, de autoria de Antonio
Francisco Nauffal que se constitui numa das primeiras manifestações sobre
o desempenho, a utilidade e os meios necessários para a missão policial,
enriquecida com a divulgação de técnicas de polícia científica, cujo uso
na época era considerado heresia.

Somente em 1922, pela Lei nº 3052 é criada a polícia de carreira. A Emenda
Constitucional nº 03 de 1971 fixou a organização da Polícia Civil com
carreiras funcionais, criou o Conselho da Polícia Civil e determinou o
provimento da carreira de Delegado de Polícia por Bacharel em Direito,
aprovado em concurso público.

4 Comentários

  1. O Ney sempre ajudou muito a polícia. É um deputado muito querido pela família dos policiais.

  2. Sergio Silvestre Responder

    Só que devemos procurar evitar antes que o leite ferva,né sr Ney,que é um bom deputado,depois do leite derramado só resta condolencias,e procurar ir a fundo no problema que resultou a more do policial.

Comente