Uncategorized

O tempo e o lento

Do Carlos Brickmann

Na quarta-feira, o ministro Celso de Mello votou pela aceitação dos embargos infringentes.

E agora?

Agora é esperar o acórdão (que sai algum dia desses), depois a apresentação dos embargos propriamente ditos, os embargos de declaração a respeito dos embargos, a análise do relator, os votos.

No meio, as longas férias do Supremo.

Mas o futuro a nós pertence: em data a ser definida, virá a sentença.

Novela?

Não sejamos injustos: a novela mais longa da TV brasileira, Redenção, na Excelsior, teve 596 capítulos e ficou no ar de 16 de maio de 1966 a 2 de maio de 1968.


Apresentava um elenco monumental, em qualidade e quantidade: Francisco Cuoco, Miriam Mehler, Fernanda Montenegro, Márcia Real, Vicente Leporace, Lourdes Rocha, Rodolfo Mayer, Lélia Abramo, Armando Bógus, Aparecida Baxter, Procópio Ferreira, Geórgia Gomide, Fernando Baleroni, Verinha Darcy e outros artistas de primeira linha.

O julgamento do mensalão já levou mais que o triplo do tempo da mais extensa das novelas da TV; e, mesmo considerando-se as substituições, por aposentadorias ou morte, seu elenco nunca chegou ao tamanho do grupo de astros reunido pelo diretor Waldemar de Morais.

E vai demorar. Um repórter que leve cinco dias para redigir algo como um acórdão não terá emprego (um redator bem mais rápido do que isto, mas menos veloz que os colegas, recebeu o apelido de Lauda 1).

Em nenhuma outra profissão um trabalho tão importante é tão interrompido por férias, feriados, recessos.

Amanhã vai ser outro dia. Outro dia igualzinho, sem conclusão do processo.

As brasas ressurgem

Delúbio Soares, um dos condenados do Mensalão, pretende festejar a aceitação dos embargos infringentes com um churrasco na fazenda da família, em Buriti Alegre, Goiás. Festa assim não ocorria faz tempo, desde antes da descoberta do escândalo.

Quando Delúbio era ainda tesoureiro do PT, seu churrasco de aniversário atraiu 18 jatinhos à festa na fazenda.

Um deles, ao levar a São Paulo o deputado do PR Valdemar Costa Neto (hoje também condenado pelo Mensalão), derrapou na pista de Congonhas e acertou um carrinho de pipoca fora do aeroporto.

Foi assim que os não iniciados souberam da grande festa companheira.

1 Comentário

  1. NA CORDA BAMBA Responder

    Para que serve o STF ???
    Serve para o Palácio do Planalto nomear algum magistrado de in-
    teresse do “partido” com altos salários. Com exceção dos poucos
    que acompanham Joaquim Barbosa é para produzir filmes de sus-
    pense para não chegar em nada. Pura vergonha para os honestos.

Comente