Uncategorized

Mecânico acusado de matar estudante encontrado morto em delegacia

O principal suspeito pela morte da estudante Aline Moreira, José Ademir Radol, de 48 anos, foi encontrado morto dentro da cela da Delegacia de Rio Negro (SC) na manhã deste sábado (5). Policiais confirmaram à Banda B que tudo indica que José tenha cometido suicídio por enforcamento.

A informação é de que o mecânico deu entrada na delegacia por volta das 8h da manhã e foi conduzido ao posto local para realizar exames. Depois, ele seguiu direto para a cela. Às 11h, os presos começaram a gritar e fazer “algazarra”. Os agentes foram checar a cela e encontraram o corpo de José pendurado por um lençol, que estava preso à porta.

A Polícia Civil havia prendido o suspeito na tarde desta sexta-feira (4), na cidade de Santa Cecília, na região central de Santa Catarina. A ação foi resultado do trabalho conjunto entre os policiais de SC e do Paraná. De acordo com o delegado Sérgio Luiz Alves, o mecânico teria dito à familiares, antes de ser localizado, que havia feito uma “malvadeza”.

Relembre o caso

A estudante Aline, de 18 anos, desapareceu na última sexta-feira (27), depois de pegar carona com o namorado da mãe, que viajava para Curitiba para comprar pneus. Ela pretendia voltar para a capital paranaense para visitar o namorado. Horas depois de sair de Mafra (SC), ela chegou a mandar uma SMS à mãe pedindo socorro. Depois disso, ela não deu mais notícias.

Na mesma ocasião, José Ademir ligou para a mãe de Aline e afirmou ter deixado a jovem na Rodovia do Xisto, depois de o carro ter apresentado problemas mecânicos.

8 Comentários

  1. Que alegria, festa aqui na terra. Que vá pro inferno, vagabundo. Pena que não sofreu igual a menina. Este idiota tinha que ser solto na praça Rui Barbosa às seis da tarde para a população linchar este filho do capeta.

  2. Lentilha Oficial, único, origi Responder

    Alguém pode me mandar o endereço dessa delegacia? gostaria de mandar uns 10 maços de cigarro, bebidas e até umas revistas pornô, para os irmãos, em retribuição a gentileza que fizeram a sociedade….

  3. Esses tipos de, não sei como chamar, deveria ser colocado na rua para ser destruido, isso pra mim não pode ser considerado como gente e nem animal. Porque até hoje eu não vi nem um animal mais bruto da terra fazer o que esse tal não sei como chamar fazer essas barbaridades com uma jovem, e tantosoutros monstros na face da terra. Nossa justiça tinha que mudar porque acontece caso semelhantes quase direto.

Comente