Uncategorized

Senado aprova criação
de mais de 180 novos municípios

Da Folha de S.Paulo:

O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto que abre caminho para a criação de mais de 180 novos municípios e cerca de 30 mil cargos públicos no país. O texto segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

O projeto altera regras para a criação, fusão e desmembramento de municípios –que hoje somam 5.570 no país. Segundo dados da Frente Parlamentar de Apoio à Criação de Novos Municípios, a proposta deve permitir em curto prazo a formação de até 188 novos municípios que cumprem as novas regras impostas pelo Congresso, entre os que serão emancipados, desmembrados ou mesmo criados.

Governistas estimam que os novos municípios vão trazer impactos da ordem de R$ 9 bilhões mensais aos cofres públicos –tendo como base o número de prefeitos, vice-prefeitos, servidores das prefeituras, vereadores e funcionários das Câmaras Municipais com o cálculo de salário médio de R$ 3.000.

A proposta enfrenta resistências no governo por provocar aumento de gastos para bancar as estruturas de Executivo e Legislativo da nova cidade. Apesar do impacto, nenhum senador falou contra o mérito do projeto. Apenas o PSDB liberou a bancada, para cada parlamentar votar individualmente, sem orientação da sigla.

No total, 53 senadores votaram a favor do projeto, 05 foram contrários à sua aprovação e outros três se abstiveram.

Pela proposta, a formação de novas cidades só será permitida após a realização de Estudo de Viabilidade Municipal e de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações envolvidas. O projeto determina que, para a criação do município, o estudo de viabilidade municipal precisa ter apoio de 20% dos eleitores da área a ser emancipada. O texto também exige uma população mínima, que varia de acordo com a região. Para a emancipação, a população do novo município deve ser igual ou superior a 6.000 habitantes nas regiões Norte e Centro-Oeste; 8.500 mil habitantes no Nordeste; e 12.000 no Sul e Sudeste.

As assembleias legislativas terão ainda que aprovar as condições econômicas de subsistência do município. Serão proibidos, por exemplo, o chamado distrito dormitório, sem atividade comercial ou industrial.

Numa vitória do governo, o projeto manteve a proibição para a criação de municípios em áreas da União, terras indígenas e de preservação ambiental. Os deputados haviam liberado a criação nessas áreas.

Apesar de o projeto abrir caminho para a criação de novas cidades e aumento de gastos, senadores afirmam que as novas regras vão “moralizar” o atual modelo.

“Vai ter custos para quem? Para ninguém. A arrecadação do município-mãe será a mesma, ele só vai reparti-la com a nova cidade. Aumentar despesa, não aumenta”, disse o senador Valdir Raupp.

Autor do projeto, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse que o projeto é “moralizador” e não aumenta os gastos municipais. “É tão moralizador que, se estivesse em vigor há alguns anos atrás, mais de 2.000 municípios não teriam sido criados. É um marco regulatório, moralizando a criação, fusão e incorporação dos municípios”, disse.

Senadores contrários ao projeto criticaram o momento de sua aprovação –em meio às reclamações de prefeitos endividados e a pouco mais de um ano das eleições. “Em outras circunstâncias de temperatura e pressão atmosférica, poderiam ser perfeitamente aceitos esses critérios. Temos inúmeros municípios que estão com o seu limite de gastos ultrapassados. Muitos não poderão pagar os décimos terceiros salários. Não é o melhor momento para providências desta ordem”, disse o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Defensores do projeto afirmam que ele vai “frear” a criação de novos municípios no futuro porque, desde a Constituição de 1988, não havia regras específicas para o surgimento das novas cidades. Em 1996, o Congresso aprovou uma Emenda Constitucional exigindo uma lei complementar federal regulamentando a criação dos novos municípios –o que ocorreu somente hoje.

A lacuna legislativa, segundo congressistas, permitiu a criação de mais de 2.000 municípios nos últimos anos. “Quem quiser fazer leitura equivocada, que faça. Nós estamos cumprindo o nosso dever de maneira correta”, disse o senador Inácio Arruda (PC do B-CE).

A emenda foi uma resposta às denúncias de farra na criação de novas cidades já que a Constituição de 1988 facilitou o processo de concepção de uma nova cidade –ao transferir para as assembleias legislativas estaduais essa atribuição.

APARIÇÃO

Com a prática de não fazer discursos em plenário e participar de poucas sessões do Senado, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) fez a defesa do projeto em rápido discurso.

Jader disse que aqueles que conhecem o Brasil, especialmente a Amazônia, são favoráveis à criação de novos municípios. “Me recordo de municípios criados na Amazônia, em que a sede do município era no Arquipélago do Marajó. Para que alguém conseguisse chegar a um cartório de registro, fosse de nascimento ou imobiliário, teria que dar a volta ao mundo para chegar na sede do município. Quem conhece esse país, principalmente a região Norte, tem a exata dimensão da necessidade da criação de novos municípios”, afirmou.

Jader disse que decidiu discursar para dar o seu “testemunho” de que, nos locais onde municípios foram criados, as populações locais passaram a ter melhores condições de vida. “Eu não gostaria que esse assunto fosse encerrado o debate sem dar o meu testemunho da necessidade do atendimento dessas populações que precisam do poder público.”

Pelo projeto aprovado hoje, para conquista a viabilidade econômica, a nova cidade terá que comprovar arrecadação própria, especialmente para financiar educação e saúde. A nova cidade não pode ser considerada o chamado distrito dormitório.

7 Comentários

  1. Mai um jeitinho para arrumar empregos para os cabos eleitorais como vereadores e prefeitos em municípios falidos e sem propósito

  2. Mais municípios ..mais despesas…necessita de caixa para FPM ….nao há imposto que agüente tanta despesa!

    Mais uma pra classe media pagar !

  3. Chega de Puritanismo
    No Norte do Brasil temos comunidades distantes 150 a 200 km da sede do município, especialmente nas regiões de fronteira agrícola. Vi isso no Tocantins, Para, Mato Grosso, Maranhão e Rondônia. Essas novas comunidades podem se transformar em cidades e melhorara a qualidade de vida desses desbravadores. Isso nunca vai acontecer se a situação atual persistir.
    A diferença entre o sul e sudeste com essas regiões é brutal. Quem está fazendo coro contra o projeto são os engravatados da Paulista que conseguem ver apenas o saldo da conta bancária, e não conhecem o Brasil de Verdade que este ano vai engodar nossas exportações com soja, milho, carne, etc.

  4. Se o Poder Público no País funcionasse como deveria, a municipalidade e o Estado aos quais tais distritos ou espaços pertencem, dariam conta da contrapartida (que lhes cabem) de prestar serviços públicos de qualidade aos habitantes, não havendo assim, a necessidade de criação de novos municípios. De um lado, temos a própria polulação dos novos “municipiozinhos” que arcará com os custos advindos de tal criação através dos impostos, “não havendo aumento de despesa” como os parlamentares que apoiam tal iniciativa querem nos fazer acreditar. Observem, com relação a receita, que se um lado uma determinada porção populacional arca com os custos do município onde habitam, com a criação de um novo município (um distrito do atual), a receita será automaticamente transferida do município existente ao qual pertecem, para o recém criado, ou seja, veste um santo e descobre outro. Agora, quanto a despesa, a situação é bem outra, já que serão criados novos cargos de prefeito, vice prefeito, vereadores, assessores, enfim, mais uma “leva” de novos cargos públicos (para continuar fazendo o que se faz hoje (nada), e que serão certamente “sorteados” entre os “grandes pensadores” que tiveram essa brilhante e improdutiva idéia. Improdutiva porque se hoje já não há receita pública autosuficiente para arcar com as despesas existentes, muitas supérfluas – imaginem criando mais municípios! Os políticos que se cocem e comecem a trabalhar. Para ir a conferências e eventos internacionais não há distãncia, nada é difícil. Mas para levar qualidade de vida aos moradores de localidades distantes, tudo é difícil, tudo é inviável, tudo é humanamente impossível.Não precisamos de novas divisas dentro do Brasil, não precisamos de mais cabides de empregos públicos, não precisamos mais de sacanagens e articulações políticias de todo tipo.Precisamos de boa administração do dinheiro público em prol do povo, que se traduz em educação de qualidade, saúde de qualidade, habitação de qualidade, serviços públicos de qualidade como retorno efetivo dos impostos pagos em benefícios e atendimento aos anseios e necessidades da população, e acima de tudo, precisamos e muito, DE VERGONHA NA CARA para tirar definitivamente esses abutres do poder! Se os políticos conseguem correr atrás dos eleitores para pedir votos( inclusive na região amazônica), pode perfeitamente correr atrás da necessidade de tais eleitores após eleito, e não está fazendo nenhum favor, está fazendo nada mais que sua obrigação. A democracia só não está sendo exercida pelo povo que não cobra seus efetivos direitos de escolher o que é melhor para a maioria, em todos os sentidos. Enquanto isso os “sabichões, os “graduados e especialistas”, os “experientes”, e até os “cretinos e analfabetos” que foram colocados pela maioria como nossos representantes, estão se refastelando sob a bandeira da democracia e rindo todos os dias na nossa cara, sem remorsos e sem intenção de regeneração!

  5. Parreiras Rodrigues Responder

    Esse senadozinho com esses senardozinhos…Medida eleitoreira para angariar mais clientes. Enquanto se espera a extinção de municípios que mal se sustentam, dois, três quatro mil moradores, a maioria sobrevivendo da agricultura e de fraco comércio sustentam a folha composta pelos membros das prefeituras e câmaras.
    É uma lei geradora de despesas sem apontar as receitas para cobri-las…Parir para ver a gurizada agonizar fome.

  6. Bacharel em Direito Responder

    Gostaria que fosse uma boa PIADA, mas não é!
    Político não leva o Brasil a sério!

Comente