Uncategorized

Eduardo Fagundes se dá por impedido para julgar afastamento de Fábio Camargo do TC

Mandado de Segurança está nas mãos de Regina Portes

Do blog da Joice

O desembargador relator que recebeu o mandado de segurança pedindo o afastamento de Fábio Camargo do Tribunal de Contas do Estado do Paraná se deu por impedido. Trata-se de Eduardo Fagundes. Ele disse que não poderia julgar a questão e sabe porque? Porque a filha dele trabalhou 2 anos no gabinete do pai do Fábio Camargo, o ex-presidente do TJ, desembargador Clayton Camargo.

E agora a decisão está nas mãos da desembargadora Regina Portes, mas a aposta é que ela também se dê por impedida. Bem, o Tribunal de Justiça sempre foi um palco de camaradagens, uma troca de favores sem fim e aí sabe como é. Agora o conselheiro Fábio Camargo tem duas facas apontadas para o pescoço. Uma sendo amoalada no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná e outra em Brasília, no STJ. Assim pode ser definida a situação do mais polêmico de todos os conselheiros do TCE.

25 Comentários

  1. É impressionante a cara de pau de certos órgãos, principalmente da justiça, que deveria coibir irregularidades, e zelar pela ordem. Quando se trata de amigos, parentes ou parceiros políticos (geralmente com interesses obscuros) se dizem impedidos de fazer aquilo que todos esperam que façam, ou seja, cumprir a Lei. Se não conseguem pela moral, pelo menos deveria ser pelo profissional, afinal de contas são pagos para isso, ou não???

  2. Compadres e Comadres a todo vapor!
    Só falta guardar os Camargo dentro de uma cofre e engolir a chave…

  3. A eleição do Fabio Camargo ocorreu de uma forma justa e dentro do que está na lei. Não houve nenhuma irregularidade neste processo.

  4. O Fabio Camargo sempre pelejou em benefício dos bairros da cidade. Não merece estar sendo tão perseguido desta forma.

  5. Há muitas décadas a ALEP sempre elegeu deputados para exercer cargo de Conselheiro. E nenhuma eleição foi questionada. Agora só porque é o Fabio Camargo que ganhou por méritos querem encontrar uma forma de injustiça-lo?

  6. Como é que um Tribunal arrolado em tantas confusões (Irmão do Requião e agora Fábio Camargo) pode em sã consciência ter idoneidade para julgar contas importantíssimas para a transparência do Poder Público.
    Temos sinceramente que repensar toda a estrutura nos três poderes, sob pena de nos afundarmos em areia movediça.

  7. Não existe nenhuma prova concreta que caracterize tráfico de influencia na eleição de Fabio Camargo. Os 27 deputados que votaram nele tiveram as suas razões para escolhê-lo e certamente são capazes de escolher alguém sem a ajuda de ninguém

  8. Durante a época da eleição do TC o Fabio Camargo foi acusado de tanta coisa sem pé nem cabeça, a RPC organizou pífias manifestações para denegrir a sua imagem, enfim perseguem ele a todo tempo e o querem culpar por tudo.

  9. Na CPI das Falencias a qual o Fabio Camargo mostrou que sabe julgar e investigar irregularidades. Com o seu grande trabalho ele descobriu que a Família Simão levava sozinha todo mês mais de 2 milhões de forma irregular.

  10. Uma eleição limpa, honesta e que mais se viu igualdade entre os participantes. Vitória merecida de Fabio Camargo

  11. Essa liminar foi impetrada por um perdedor, com a anuência pecuniária de uma certa família, tenta deslegitimar um pleito legítimo e disputado nos últimos anos.
    Indeferimento será a resposta.
    Será Fabio Camargo 10, Família que muitos já quem é, zero.

  12. Mais uma tentativa?
    Ora, ora pois. perderão de novo.
    Não ganharam no voto, querem levar no tapetão.

  13. O tal jornalismo investigativo podia preparar uma matéria para saber quantos parentes de desembargadores, juízes, promotores, procuradores, trabalham no Tribunal de Justiça e no Ministério Público. Quem se atreve?

  14. Não tem como o Beto e nem o Clayton Camargo terem influenciado na eleição do Fabio Camargo para o TC. O Dr Clayton pertence a um outro tipo de poder e não tem voz nenhuma dentro da Assembleia e o Beto Richa tem que acatar o que os deputados decidiram em votação.
    Essa liminar, nasceu morta.

  15. Sérgio Povão Responder

    É fácil acusar, difícil é encontrar provas para mostrar que o Fabio Camargo está errado pois sua história de vida mostra o quanto ele fez pela população do Paraná.

  16. É bom deixar bem claro que o TCE é uma instituição independente da ALEP e de qualquer outra esfera de governo, então não há o que acusar o Fabio Camargo.
    Assim o sendo, liminar sem lastro jurídico, pois Fabio e Plauto não votaram, se abstiveram de votar.

  17. Fabio e Plauto deixaram de votar, não anularam e nem votaram em branco, por isso Fabio Camargo foi eleito coma maioria dos votos sim senhor.

  18. Sergio Silvestre Responder

    Tomam wisque juntos em festas nababescas,pescam nas mesmas chalanas dos rios pantaneiros.
    Essa irmandade onde só se da bem seus parentes parece que recebeu um contra vapor.
    Muito bom,assim os bilhões gastos com essa parca justiça deve melhorar devagar.
    Mas tem que estirpar esses bernes já grossos entalados até o cabo.
    Fumo neles.

  19. As pessoas de bem que conhecem e conviveram com o Fabio Camargo puderam ver a sua luta, todos os ataques que ele sofreu e as tantas perseguições injustas. A eleição de Camargo ao TC foi um reconhecimento de todo o seu esforço e grande trabalhos realizados.

  20. O Fabio Camargo foi o candidato mais perseguido e massacrado pela Gazeta do Povo que tentou fazer a cabeça da opiniao pública contra ele.
    Uma liminar que nasce no fulcro da perseguição.

  21. Liminar?
    Por acaso o Fabio Camargo é o único Conselheiro do TC?
    Porque perseguir somente ele?
    O Fabio tem muitos méritos ao longo de sua história de vida pública. Foi um grande parlamentar e mereceu ser eleito.
    Afirmo, a gritaria da derrota logo se calará diante dos fatos.

  22. A atitude de Plauto Miró reconhecendo a vitória de Fabio Camargo mostra que a eleição foi disputada de forma democrática, portanto nada a questionar com essa liminar.

  23. Essa perseguição ao Fabio Camargo já chegou ao ponto de vingança. Vingança de uma Família que perdeu a irrisória quantia de 2 milhões mensais. Buscam numa liminar o doce da vingança.

Comente