Uncategorized

Permanência de Cid Vasques na Segurança Pública tem novos apoios

Nas últimas semanas o secretário da Segurança Pública, Cid Vasques, recebeu diversas manifestações de apoio no sentido de que o Ministério Público Estadual renove a licença solicitada pelo governador Beto Richa para que ele continue à frente da Pasta a partir de 1º de janeiro de 2014.

Vasques é procurador de Justiça, integrante dos quadros do Ministério Público do Paraná desde 1986, e tal afastamento da carreira para exercer cargo de relevância na administração pública decorre de imposição legal. O Conselho Superior do Ministério Público se reunirá para apreciar o pedido do governador nesta terça-feira (10), em sessão pública com início às 9 horas.

A começar pelo diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, tanto a Assembleia Legislativa do Paraná, como a Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (AMOP), em nome de seus 52 filiados, a Diretoria de Gestão da Segurança do Banco do Brasil, e a Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (AMSOP), representando seus 42 filiados, destacam a qualidade do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo secretário e os bons resultados nos indicadores da segurança pública.

A permanência de Cid Vasques à frente da Pasta também conta com o apoio da Federação e da Comunidade Israelita do Paraná, assim como do Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom Moacyr José Vitti, que, na última sexta-feira (06), enviou documento com esse teor ao procurador-geral de Justiça do Paraná, Gilberto Giacóia.

A atenção dedicada por Vasques às causas regionais foi um dos argumentos nas moções assinadas pela AMOP e pela AMSOP. Já a Federação e Comunidade Israelita do Paraná destacam o excelente e saudável ambiente de reciprocidade que vem pautando as relações institucionais e técnicas com o Governo do Estado, especialmente no que tange ao intercâmbio de tecnologias de segurança com o Estado de Israel.

A queda no índice de homicídios dolosos (aqueles com intenção de matar) que chegou a mais de 17% nos primeiros nove meses deste ano, comparado com o mesmo período de 2012, foi enfatizada na moção de apoio aprovada pelos deputados estaduais em sessão plenária da Assembleia Legislativa do Paraná.

Segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Valdir Rossoni, outro aspecto que merece ser analisado e que reflete a excelente atuação de Vasques, é a intensificação das operações sistemáticas desenvolvidas pela Secretaria da Segurança. São operações integrando as diferentes forças policiais – como a Polícia Civil, a Polícia Militar e a Polícia Federal – com a finalidade, especialmente, da prisão de criminosos e da apreensão de drogas e armamentos.

Rossoni destacou também os investimentos que vêm sendo realizados em pessoal e na infraestrutura. Neste momento, 2.223 novos polícias militares já estão em treinamento, além de 210 bombeiros. Eles foram aprovados em concurso público que prevê a inclusão na estrutura de segurança do Estado de 5.400 policiais militares, sendo 819 bombeiros. A contratação de policiais faz parte do Programa Paraná Seguro.

Também está em andamento um concurso público visando o preenchimento de cargos de delegados da Polícia Civil. Em relação à mobilidade policial, a Secretaria da Segurança Pública adquiriu 1.220 novas viaturas que já estão operando em todo o Paraná. Os investimentos abrangem, ainda, a instalação de Unidades do Paraná Seguro (UPS), estruturas de policiamento comunitário montadas em áreas com altos índices de criminalidade. São 14 bases em funcionamento em Curitiba e Região Metropolitana, Londrina e Cascavel. Além disso, vêm sendo destinados recursos para a compra de armamentos, soluções de inteligência e para a instalação de novos batalhões, como o Batalhão Policial Militar da Fronteira (BPFron), em Marechal Cândido Rondon.

INTEGRAÇÃO – O Departamento da Polícia Federal e a Diretoria de Gestão de Segurança do Banco do Brasil, por sua vez, realçam a importância da integração entre as forças de segurança articulada por Vasques, integração essa que, na avaliação de ambos, serve de referência para outras unidades da federação.

4 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    No governo do abominável governador das neves – que pretendeu ser o secretário de insegurança pessoalmente – havia um certo promotor que era secretário, que depois foi perseguido até apear do cargo do MP. Porque o atual pode e anterior não podia? Será porque o governador é mais educado, magro, elegante e sarado que o sasquatch.

  2. Alguém pode enumerar 03 grandes feitos em prol da segurança pública do Paraná que esse senhor tenha feito????? Não????
    02 Coisas então???? Nada??? Tá certo uma única coisa!!!
    Ainda não?????

  3. CID TEM QUE FICAR! O MP fica com esse papinho que vai atrapalhar as investigações se tirar os policias, mas PERGUNTO quando troca o comando das policias e tudo e mudado as investigações ficam paradas?

  4. miguel zacarias Responder

    porque sempre tem que ser promotor o secretario de segurança e criar estas confusões jurídicas como já houve com o Delazari; a meu ver tem ser alguém do ramo como delegado e policiais militares. É porque policial tem que ser fiscalizado por promotor????? se for assim “fecha o botequim”

Comente