Uncategorized

Em Curitiba, nada está pronto para a Copa

A seis meses da Copa, nenhuma obra de mobilidade em Curitiba ficou pronta. Risco de haver tapumes pela cidade durante a competição é elevado

Da Gazeta do Povo

Faltam menos de seis meses para que iranianos e nigerianos deem o pontapé inicial da Copa do Mundo em Curitiba, mas até o momento nenhuma obra de mobilidade na cidade foi concluída e nada garante que isso vá ocorrer antes do apito inicial. Com problemas no cumprimento dos cronogramas e alguns canteiros parados, crescem as chances de obras importantes como o Corredor Aeroporto–Rodoferroviária e a reforma da Rodoferroviária continuarem com tapumes durante o evento.


No início de dezembro, o governo do estado viu as construtoras responsáveis por três de suas quatro ações de mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo paralisarem o serviço sob a alegação de falta de pagamento. Uma delas, a Avenida da Integração, virou motivo de protesto de moradores em Pinhais. Eles estenderam faixas no local para bloquear o acesso e questionar os transtornos causados pela situação.

De acordo com a última matriz de responsabilidades da Copa – revisada em novembro, as três Vias de Integração Metropolitanas já deveriam estar concluídas. Segundo o último relatório do TCE-PR, divulgado em outubro, a obra da Avenida da Pedreira foi 35% executada e a Salgado Filho foi licitada no final do ano passado e, por isso, ainda não tinha medição.

A obra na Avenida da Integração é executada pela Mavillis Construções. Mas essa não foi a única construtora a paralisar os serviços contratados pelo estado para a Copa. Em dezembro, a EMPO havia feito o mesmo nos trechos estaduais dos corredores Aeroporto–Rodoferroviária e Avenida Marechal Floriano Peixoto.

O governo do estado foi procurado para comentar os atrasos e paralisações em obras sob sua responsabilidade, mas a assessoria de comunicação não foi localizada. No início da paralisação dos trabalhos, o governo havia se limitado a informar que já tinha realizado alguns pagamentos – sem mencionar quais – e que trabalhava para regularizar a situação.
Aeroporto

Competição chegou antes que terminal no Afonso Pena

A obra do novo terminal de passageiros do Aeroporto Afonso Pena não será completamente concluída antes da Copa do Mundo. Orçada em R$ 239 milhões e iniciada em maio de 2013, a intervenção está dividida em etapas e apenas a primeira tem prazo de execução anterior ao evento da Fifa. Até outubro de 2013, 9% dos trabalhos haviam sido concluídos.

Segundo a Infraero, após a entrega do novo terminal – prevista para 2016 –, o Afonso Pena terá sua capacidade aumentada de 7,9 milhões para 14,8 milhões de passageiros por ano. A estatal informa, entretanto, que a primeira fase da obra deverá ser suficiente para atender a demanda extra de 2014 – quando o terminal deverá receber 8,4 milhões de pessoas.

As outras duas obras no aeroporto, entretanto, deverão ser completamente concluídas. Sob o custo de R$ 28 milhões, a requalificação do pátio de aeronaves estava 98% pronta há dois meses e deverá ser concluída em fevereiro. Já os ajustes na pista foram concluídos em junho de 2012 ao custo de R$ 19 milhões. O local foi recapeado, ganhou ranhuras e iluminação.

A reforma do bloco interestadual da Rodoferroviária foi concluída, mas a do estadual está longe do fim. No local, ainda há máquinas pesadas trabalhando. No último mês de setembro, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) havia divulgado que 44% dos serviços tinham sido concluídos no local quando o esperado para o período era de 59%.

No trecho municipal do Corredor Aeroporto–Rodoferroviária, principal ligação do Afonso Pena com a capital, duas trincheiras foram concluídas e a via foi recapeada. Além disso, o Viaduto Estaiado que consumirá 66% do investimento da obra (R$ 128 milhões) recebeu a coluna de sustentação dos cabos de aço que serão içados a 74 metros de altura. Mas a conclusão total da obra é vista como “lenda” por quem passa todos os dias pela Avenida das Torres. “O viaduto é a vitrine, vão terminar [antes da Copa]. Mas duvido que o mesmo ocorra em todo corredor”, diz o aposentado Newton Luiz Colleti, 65, vizinho da obra.

O andamento dos trabalhos na parte estadual do corredor, já no município de São José dos Pinhais, corrobora esse ceticismo. Em setembro, o porcentual de execução física do trecho não havia chegado a 30% e as obras acabaram paralisadas em dezembro. A EMPO (Empresa de Curitibana de Saneamento e Engenharia), responsável pelos serviços, alegou falta de pagamento.

Pessimismo semelhante impera no Alto Boqueirão, onde mora Gabriel Ferreira Rosa, 30 anos. “Estão demorando dois meses para recapear uma quadra e falta tudo isso”, diz o mecânico apontando para a ponte da Avenida Marechal Floriano Peixoto, cujo alargamento está 34% concluído segundo a Secretaria Municipal Extraordinária da Copa. Apesar do atraso visível na construção do elevado, esse corredor já ganhou novo asfalto, postes de iluminação e paraciclos no trecho entre os terminais do Boqueirão e do Carmo – faltando apenas a sinalização.

Na Linha Verde Sul, a situação é ainda mais preocupante, pois a obra ficou parada por um ano após desistência da empreiteira e foi retomada apenas em agosto do ano passado. O prazo de execução vai até março de 2014, mas os transtornos vêm de muito antes. “Não somos contra a obra, mas gostaria que ela fosse executada com mais eficiência”, diz Florival Tambini, 66, comerciante da Avenida Winston Churchill, no Pinheirinho, região cujo acesso foi prejudicado após o fechamento de uma trincheira.

Estrutura turística

Orçadas em mais de R$ 15 milhões, as cinco intervenções de infraestrutura turística para a Copa em Curitiba também não saíram do papel. Em abril de 2013, Paulo Colnaghi, presidente do Instituto Municipal de Turismo de Curitiba, havia informado que os trabalhos deveriam começar até agosto, o que não ocorreu.

“Naquela ocasião, a gente não contava com toda a burocracia envolvida nesse processo e esperava um tempo mais curto. Temos tempo de executar todas as intervenções, claro que com menos tranquilidade”, diz.

De acordo com ele, as obras de acessibilidade nas praças Espanha e Carlos Gomes e em estações-tubo de pontos turísticos, além de dois Centros de Atendimento ao Turista (CAT), estão prontas para serem licitados neste mês. Além disso, a prefeitura liberou os recursos para reformas de acessibilidade na Linha Turismo e de instalação nova sinalização turística.

9 Comentários

  1. fiscal de realeza Reply

    se tem atraso é culpa do beto e luciano ducci que só queriam fazer politica e nunca comecavam as obras

  2. ze da botina Reply

    VAI SER UM VEXAME NACIONAL. NÃO É SÓ CURITIBA, TEM OUTRAS SEDES COM PROBLEMAS MAIORES.

  3. Marco Jusevicius Reply

    Hoje foi erguido o suporte dos cabos do viaduto estaiado… Agora parece que o viaduto vai… mas a avenida inteira… essa não vai não…

  4. A COPA é o mico que o lula deixou para nós, contribuintes.
    Governadores e prefeitos embarcaram no sonho esperando rendimentos políticos. As obras de mobilidade seriam as únicas coisas boas de tudo isso. SERIAM, pois a incompetência administrativa generalizada dos governos federal, estadual e municipal, e o dinheiro curto vão acabar de vez com o chamado legado da copa. Voto nulo nas próximas eleições é a solução.

  5. O Brasil continua no descaminho da seriedade e Curitiba não foge
    à regra. Se alguem tinha dúvidas que o atraso nas obras para a Co-
    pa do Mundo aí está a confirmação. Nós temos a tradição de não
    levar nada a sério neste país, com exceção a Joaquim Barbosa !!!

  6. adalgiso pessogna Reply

    Ué? Cadê aquele pessoal todo que arrotava o tal “legado da copa” aos 4 cantos? Onde estão Mario Celso Cunha, Nelson Justus, Alexandre Cury, LC Romanelli, Pessuti, Beto Richa, Luciano Ducci e outros “avalistas” das grandes obras? Por que este silencio ensurdecedor?

  7. O prédio histórico da UFPR foi, maravilhosamente, reformado e pintado aos 100 anos
    O PRÉDIO DOS CORREIOS de 1930 – ao lado – iniciou reforma ….. as placas do construtora foram desaparecendo e a reforma paralisada e o prédio abandonado
    Ao lado da bela UFPR ficou a fera CORREIOS que com o tempo que resta nem mágica resolve até a copa.

  8. Richard Kasparowsky Reply

    ESTOU TORCENDO PARA QUE NADA DÊ CERTO QUANTO A REALIZAÇÃO
    DA COPA EM CURITIBA. É MAIS UMA DESCULPA PARA ELES ENFIAREM
    O DINHEIRO “NO DELES” FICAREM BEM NA FOTO NAS ELEIÇÕES E SAÍREM ACHANDO QUE ESTÁ TUDO BEM. ME ORGULHO DE NÃO FAZER PARTE DESSE POVÃO IGNORANTE QUE ACEITA O PÃO E O CIRCO QUE ELES COM A AJUDA DA MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA ENFIAM GOELA ABAIXO. MÁS INFELIZMENTE SOFRO AS CONSEQUÊNCIAS DOS ATOS INSANOS DOS ELEITORES QUE VOTARAM NESSES (??????).
    NINGUÉM ME PERGUNTOU SE EU QUERIA A COPA AQUI EM CURITIBA. SE EU QUERIA METRÔ. É TUDO RALO PARA “ELES” CONTINUAREM A ROUBAR LEGALMENTE.
    É LAMENTÁVEL….

Comente