Uncategorized

Fórum em Curitiba debate expansão da indústria de defesa

Da AEN:

O desenvolvimento da indústria de segurança e defesa no Paraná foi tema do Fórum que reuniu representantes do Governo do Estado, Forças Armadas e iniciativa privada na segunda-feira (22), na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), em Curitiba. O Governo Federal criou em 2008 a “Estratégia Nacional de Defesa”, documento que aponta o objetivo de investir R$ 600 bilhões até 2030 na criação de sistemas defesa e no reaparelhamento e modernização das forças armadas.

O general Aderico Mattioli, do Ministério da Defesa, reforçou que o foco é minimizar a dependência externa e atingir um alto nível de índice de nacionalização de fornecedores, peças e equipamentos.
“Poucos países abaixo da linha do Equador têm autossuficiência tecnológica dentro de seu próprio país. Nós podemos ter autossuficiência na nossa base industrial completa”, afirmou Mattioli. “Defesa não é estritamente militar. Todos os entes da cadeia produtiva podem participar. Há itens de alto valor agregado, mas há também tecnologias intermediárias”, disse ele.

ENSINO SUPERIOR – Na avaliação do vice-governador Flávio Arns, o desenvolvimento da indústria de defesa no Estado passa pela rede de ensino superior, formado por universidades e centros de pesquisa públicas, privadas e técnicas.

“É uma grande oportunidade para gerar emprego e renda, que passa pelo desenvolvimento de tecnologia, gerando oportunidades de pesquisas para as universidades e de geração de empregos”, disse Arns.

PARANAENSES – O vice-presidente executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), vice-almirante Carlos Pierantoni Gamboa, explica que das 227 empresas brasileiras que formam o rol de fornecedores das Forças Armadas, nove são paranaenses.

“O mercado é restrito e regulado, a produção depende de compras governamentais e os produtos passam por um rigoroso controle de qualidade. Apesar disso há inúmeras possibilidades e estamos estimulando que empresas no Paraná e no país que podem ser fornecedoras das Forças Armadas”, salientou.

As demandas vão desde equipamentos de alto valor, como caças, submarinos, veículos blindados de combate, navios de guerra, mísseis, radares e sensores, até produtos com menos tecnologia como munições não letais, redes camufladas ou alimentos preparados.

CONSELHO – “São cifras astronômicas a serem investidas nesta área para que o Brasil não tenha dependência de fornecedores e tecnologias estrangeiras, o que abre grandes oportunidades para a indústria paranaense e brasileira”, afirmou o presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo. “Já temos algumas indústrias desta cadeia produtiva aqui no Paraná, mas queremos intensificar e melhorar ainda mais esse setor para gerar oportunidades às empresas”, completou.

Segundo Campagnolo, a Fiep, que já possui Conselhos Temáticos e Setoriais que debatem o desenvolvimento de diferentes áreas ou cadeias produtivas, estuda a possibilidade de criação de um comitê voltado especificamente para a indústria de defesa.

SÉRVIA – O embaixador da Sérvia no Brasil, Ljubomir Milic, apresentou a indústria de defesa daquele país, que busca parceiros para fazer negócios e desenvolver novos projetos em conjunto. “Somos um país pequeno, mas que está na lista das indústrias bélicas, o que significa que temos conhecimento. Buscamos cooperação com a indústria brasileira para produção em conjunto e exportação”, disse ele.

PARTICIPAÇÃO: Participaram do Fórum o general-de-brigada José Fernando Iasbech, 4º subchefe do Estado Maior do Exército; o gerente da área de comércio exterior do BNDES, Guilherme Pfisterer; o gestor de projetos da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), Márcio Almeida; os secretários estaduais da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes; da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Horácio Monteschio; e da representação em Brasília, Amauri Escudero.

3 Comentários

  1. Lamentável a 7ª maior economia mundial estar abaixo das 20 maiores potências militares do mundo.
    Enquanto não tivermos uma política de Estado, que coloque o Brasil nas condição de ser um país desinteressante ao confronto, viveremos sempre com uma grande guilhotina pendurada sobre as nossas cabeças.

  2. o amigo do povo Responder

    Mas que papo mais furado é este? Tinhamos uma empresa de fazer inveja ao mundo todo, e a deixamos quebrar. Ela fazia o que hoje uns babacas querem comprar da Rússia, um sistema de misseis realmente excepcional. E que fim levou aquele tanque que iria formar a coluna dorsal do nosso Exercito, tinha até nome de herói da guerra do Paraguai? E agora vem falar em “indústria de defesa”, só pode ser piada. Quantas décadas vamos precisar para chegar ao ponto em que estávamos, quando os seguidos desgovernos destruíram a nossa indústria de armamento que virou pó? Kakaka.

Comente