Uncategorized

“Requião se alia a quem diz combater”, diz PSTU

unnamed

Em entrevista ao Bem Paraná, Evandro José Castagna, candidato ao Senado pelo PSTU, diz que nenhum dos senadores paranaenses – Alvaro Dias (PSDB), Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT) -representam mudança. Para ele, Alvaro é o representante da alta burguesia; Requião tem um discurso populista e uma prática conservadora; e Gleisi Hoffmann se alinhou ao neoliberalismo ao defender no governo Dilma, medidas como a restrição a demarcação de terras indígenas e a terceirização de serviços de saúde.

“O Requião, embora apresente um discurso bastante populista, ele se alia aos setores que diz combater. O senador do Requião hoje, o Marcelo Almeida, é o candidato mais rico do País, ligado a empreiteiras, a CR Almeida, diretamente vinculado ao pedágio no Estado. Como você pode dizer que vai combater as tarifas do pedágio, se na tua chapa está um legítimo representante das empresas de pedágio. É um discurso populista, mas muito contraditório e hipócrita, inclusive”, disse Castagna

“A Gleisi Hoffmann vem de um partido que é o PT, que tem um histórico de luta aqui no País. Participou do processo de redemocratização, é enraizado nos sindicatos. Então criou-se uma expectativa de que ia mudar. Só que foi do gabinete de Gleisi, por exemplo, que saiu o projeto de privatização da administração dos hospitais universitários daqui do Paraná e do País inteiro. Saiu de dentro do gabinete da Gleisi Hoffmann o projeto de bloqueio da demarcação de terras indígenas. A Gleisi, infelizmente, que segue a mesma cartilha do PSDB, neo-liberal, embora tenha uma base popular diferente”, completou.

O senhor diria que o PT traiu suas bandeiras dos trabalhadores ao chegar ao governo?. “Sim. Porque o PT se utilizou desse apoio popular, dessa esperança da classe trabalhadora. Começou a tomar um caminho de alianças com setores do grande empresariado, multinacionais, bancos, que hoje dão muito mais dinheiro para o PT do que para o PSDB. Não dá para defender um projeto de moradia popular, se você é financiado para as empreiteiras. O projeto Minha Casa, Minha Vida, hoje, por exemplo, ajuda muito mais as empreiteiras do que o povo trabalhador. O trabalhador se endivida por 20 ou 30 anos, paga duas ou três casas, supervalorizadas”.

1 Comentário

  1. Cara se você não fosse da ultraesquerda até tinha o meu voto, mas como não voto em radical ficou sem ele. Mas concordo com você quanto aos senadores, eles só pensam neles e em mais ninguém.

Comente