Uncategorized

Fruet e Gleisi enfrentam greve de professores

greve professores

Por essa Gleisi Hoffmann (PT) não esperava. Professores da rede municipal de ensino de Curitiba, de sindicato ligado à CUT e ao PT, vão entrar em greve a partir de hoje, segunda-feira (11) e é mais um problema para seu principal aliado na capital, o prefeito Gustavo Fruet (PDT). Resta saber ainda qual será a posição da vice-prefeita, Mirian Gonçalves (PT), desafeta de Gleisi e aliada dos sindicatos cutistas.

A categoria reivindica a implantação imediata do novo plano de carreira, já elaborado pela prefeitura, mas com incorporação total prevista para daqui a dois anos. A paralisação é por tempo indeterminado. A adesão à paralisação – a segunda do ano – foi aprovada em assembleia realizada em 31 de julho. Em março, a greve dos professores da capital chegou a fechar 71% das escolas municipais. As informações a seguir são da Gazeta do Povo.

Segundo o Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac), pais e alunos estão sendo comunicados sobre o movimento da próxima semana. Além disso, equipes do sindicato devem percorrer as instituições de ensino durante o dia para reforçar a orientação e convocar professores e pedagogos para a greve.

A presidente do Sismmac, Andressa Fochesatto, explica que, além de pedir a implantação imediata do novo plano, a categoria cobra a revisão de alguns pontos, como os critérios para estabelecer o crescimento profissional na área. Entre estes tópicos estaria a porcentagem oferecida para quem passa do título de especialista para mestre. O sindicato revela que, ao contrário do plano atual, que oferece ganho de 21% sobre o salário, a nova proposta contempla aumento de 20%. “Vemos isso como uma perda para a categoria”, afirma Andressa. Segundo o sindicato, cálculos realizados com o apoio do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos So­­cioeconômicos(Dieese) mostram que a implantação
parcelada do novo plano de carreira, como está previsto pela prefeitura, geraria perda de até R$ 17 mil para profissionais que possuem mais tempo na rede.

Mobilizações

A partir de segunda-feira, os professores deverão realizar mobilizações constantes na cidade, principalmente na Câmara Municipal, onde tramita o projeto. “Sabemos que a implantação imediata depende do plano da lei orçamentária [LOA, que é uma previsão de todas as receitas e autorização de despesas públicas para o ano seguinte]. Então, para 2014 não tem como. Mas estamos pedindo para que toda a adesão ao plano comece a valer a partir de 2015”, acrescenta Andressa.

2 Comentários

  1. Vigilante do Portão Responder

    Resultado da ENGANAÇÃO.

    MUITAS PROMESSAS;
    POUCA REALIZAÇÃO.

    Vamos “VALORIZAR” a EDUCAÇÃO …
    Promessa VAGA, dita e repetida pelo Gustavo Fruet.
    Nos Programas Eleitorais e nos Debates, Fruet, quando indagado sobre suas propostas para a Educação, repetia o mantra de APLICAR 30% do ORÇAMENTO em EDUCAÇÃO.

    Faço sempre a mesma pergunta:

    Qual a FONTE do recurso?

    Sim, para prestigiar a EDUCAÇÃO, aumentado o % de recursos, outra rubrica vai ser prejudicada.

    Pois é.

    Eleito, Fruet veio com o “KO”, dizendo que os tais 30% seriam implantados ao logo do mandato…

    Não havia dito isso na campanha.

    O professorado iniciou a negociação; Quase 2 anos e nada.
    Apertado, o prefeito mandou um PROJETO d reajuste, cheio de pegadinhas e condições.

    Na prática, joga o problema para frente.
    Cria um sistema de adesão e uma tal comissão de análise.

    POSTERGANDO os reajustes.

    Cansados da enrolação, os Professores vão entrar em GREVE.

  2. Esta greve é de faz de conta, porque uma ala do pestismo ainda não recebeu o que acha justo receber, ou seja, umas boquinhas aqui, outras ali e assim por diante. E estas trouxas estão fazendo o jogo sujo da central sindical que não representa mais os interesses de nenhum trabalhador.

Comente